Fundo do Idoso dá a conhecer quem são os idosos de São Paulo

Tempo de Leitura: 3 minutos

Projeto da PUC-SP aprovado e certificado para captação pelo Fundo Estadual do Idoso, com apoio do Itaú, faz o diagnóstico socioterritorial da cidade de São Paulo e dá a conhecer quem são os idosos da cidade.


Em 2017, a cidade de São Paulo tinha 11.630.222 habitantes. Destes, 15,79% eram idosos, com maior concentração nas regiões Sul e Leste, também as mais populosas. Mas em termos relativos, a população idosa é proporcionalmente maior nos distritos localizados nas regiões centrais da cidade de São Paulo, onde há uma melhor infraestrutura o que permite também uma maior sobrevida de vida. Por isso na região central encontramos as pessoas mais longevas a cidade, muitas delas morando sós.

Os distritos com maior percentual de idosos são: Alto de Pinheiros, Jardim Paulista, Pinheiros, Consolação, Santo Amaro, Lapa, Campo Belo, Vila Mariana e Itaim Bibi. Alto de Pinheiros, por exemplo, possui 5 vezes mais idosos que o distrito de Anhanguera. A distribuição da população idosa na cidade de São Paulo está concentrada nas regiões Leste e Sul, ou seja, em cerca de 56 do total de 96 distritos, mas a mais longeva está na grande região central.

São Paulo é a segunda entre as maiores cidades brasileiras. E, 54, dos 96 distritos que a compõem, agregam uma população equivalente a cidades brasileiras de grande porte. Nesses 54 distritos a população varia entre 100 a 600 mil habitantes. No Plano Decenal da Política de Assistência Social, que problematiza a complexidade de uma megalópole, consta que existem várias cidades dentro de uma cidade.

Em todas as regiões da cidade de São Paulo, predomina a mulher idosa, com um ligeiro destaque para a região central. E em relação à escolaridade, há ainda um número razoável de pessoas idosas com ensino fundamental incompleto, especialmente na região Sul e Leste.

Projeto PUC-SP

Esses dados fazem parte do projeto “Diagnóstico Socioterritorial para a Pessoa Idosa na Cidade de São Paulo: Construção de Subsídios para a Defesa de Direitos e para Capacitação de Conselheiros”, aprovado e certificado para captação de recursos via o Fundo do Idoso do Estado de São Paulo, desenvolvido pela Coordenadoria de Estudos e Desenvolvimento de Projetos Especiais (Cedepe) – um setor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo que desenvolve projetos no campo da formulação, gestão e implementação de políticas públicas e programas sociais.

O projeto contou com o apoio do Itaú, que atualmente está com Edital aberto de seleção para apoiar projetos que promovam e garantam os direitos da pessoa idosa, conforme determina o Estatuto do Idoso. Vale lembrar que o Fundo do Idoso se destina a financiar programas e ações voltadas à pessoa idosa, com o objetivo de assegurar os seus direitos sociais e criar condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade.

Edital Itaú de seleção de projetos aprovados

O Edital Idoso 2021, do Itaú, com inscrições abertas até 31 de julho, vai apoiar, por meio do Fundo do Idoso, projetos que atuem com fomento à geração de renda, educação financeira, tecnologia e inclusão digital e fortalecimento de redes de proteção e políticas públicas. Poderão participar organizações da sociedade civil sem fins lucrativos com projetos que tenham já aprovação e autorização para captação via Fundo do Idoso em prazo de validade.

O edital apresenta cinco eixos principais, cujas propostas devem atender a um eixo:
1)  Empreendedorismo e geração de renda: promoção do protagonismo e da autonomia financeira das pessoas idosas, com foco na inserção e reinserção produtiva;
2) Fortalecimento da Rede de Proteção e Garantia de Direitos da pessoa idosa: promoção da construção de conhecimento socioterritorial por meio de Diagnósticos, Formação de Conselheiros, Planejamento e Gestão da Rede e dos atores locais/organizações que trabalham com a atenção à pessoa idosa, entre outras atividades afins;
3) Educação Financeira: promoção de iniciativas que incentivem a reflexão e a adoção de boas práticas em relação ao dinheiro para apoiar na manutenção de uma boa Saúde Financeira, com temas como controle do endividamento, prevenção à violência patrimonial e gestão de reservas financeiras;
4) Tecnologia e Inclusão digital: promoção de iniciativas que integrem as pessoas idosas ao âmbito digital e ampliem sua presença e conexão com a sociedade; e
5) Pesquisa, estudos e avaliação das políticas públicas: promoção de iniciativas que tenham como foco as políticas públicas dirigidas às pessoas idosas. 

As propostas poderão ser inscritas, gratuitamente, até o dia 31 de julho de 2021, às 23h59, na plataforma Longeviver por meio do link: https://plataforma.longeviver.com/conecta/edital-itau-2021

Serviço
Leia com atenção o Edital Idoso 2021 e veja se seu projeto atende os requisitos exigidos. O Edital pode ser baixado aqui. Caso tenha alguma dúvida, na plataforma consta o FAQ contendo uma série de questões.

Acompanhe o Itaú Viver Mais nas redes sociais:
https://www.instagram.com/itauvivermais/
https://www.facebook.com/itauvivermais

Imagem destaque de Orna Wachman/Pixabay


Beltrina Côrte

Jornalista, Especialização e Mestrado em Planejamento e Administração do Desenvolvimento Regional, Doutorado e Pós.doc em Ciências da Comunicação pela USP. Estudiosa do Envelhecimento e Longevidade desde 2000. É docente da PUC-SP. Coordena o grupo de pesquisa Longevidade, Envelhecimento e Comunicação, e é pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa do Envelhecimento (NEPE), ambos da PUC-SP. CEO do Portal do Envelhecimento, Portal Edições e Espaço Longeviver. Integrou o banco de avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – Basis/Inep/MEC até 2018. Integra a Rede Latinoamericana de Psicogerontologia (REDIP). E-mail: [email protected]

beltrinacorte escreveu 78 postsVeja todos os posts de beltrinacorte