Apesar do coronavírus as tendências do envelhecimento populacional vão continuar

Tempo de Leitura: 5 minutos

Existem muitas dúvidas sobre como será o futuro global da saúde, da economia e do meio ambiente. Mas do ponto de vista demográfico, uma coisa é certa: a população mundial vai crescer nas próximas décadas e a estrutura etária será mais envelhecida. O mundo terá cada vez mais idosos na população.


A pandemia do novo coronavírus está mudando totalmente a rotina das pessoas, provocando um aumento da morbidade e da mortalidade no mundo e deve acarretar, segundo estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI), para 2020, a maior depressão econômica da história do capitalismo.

O ritmo de avanço da covid-19 tem sido assustador, pois, globalmente, havia 580 pessoas infectadas no dia 22 de janeiro de 2020, passou para 1 milhão em 02 de abril, 2 milhões em 14 de abril e 3 milhões em 26 de abril. Para chegar a 1 milhão de casos demorou dois meses e meio, mas pulou para 3 milhões em 25 dias. O número de vítimas fatais passou de 17 óbitos em 22 de janeiro, para 50 mil em 01 de abril e para 215 mil em 28 de abril, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

Portanto, o surto pandêmico não é, de forma alguma, uma simples “gripezinha”.  Embora todas as pessoas do Planeta estejam sendo afetadas pela covid-19, são os idosos de 60 anos e mais, especialmente aqueles dos últimos degraus do topo da pirâmide etária, os mais vulneráveis à doença e os que enfrentam as maiores taxas de letalidade. Sofrem também com o preconceito e a discriminação.

Há inclusive quem pense que o “envelhecimento populacional” está com os dias contados. Porém, essa percepção é bastante equivocada. Apesar dos efeitos danosos do novo coronavírus, a tendência de aumento da proporção de idosos na população vai continuar e prosseguir em ritmo acelerado, tanto no mundo, quanto no Brasil.

O gráfico abaixo mostra a evolução do número de idosos (de 60 anos e mais) no mundo, por grupos etários, entre 1950 e 2020, segundo dados da Divisão de População das Nações Unidas. O número de idosos passou de 202 milhões, em 1950, para 1,05 bilhão de indivíduos em 2020, um crescimento de 5,2 vezes em 70 anos, ou de 2,4% ao ano. Os idosos eram 8% da população total em 1950 e passaram para 13,5% da população mundial em 2020. Entre os 3 grandes grupos etários (jovens, adultos e idosos) os idosos formam o grupo que mais cresce em toda a população.

Entre 1950 e 1955, no mundo, o acréscimo foi de 15 milhões de idosos e no quinquênio 2015 e 2020 o acréscimo quinquenal global foi de 148 milhões de idosos. As projeções da ONU indicam que a população mundial vai passar dos atuais 7,79 bilhões de habitantes em 2020 para 8,2 bilhões em 2025, com 1,22 bilhão de idosos, representando 15% do total em 2025. Isto é, somente no próximo quinquênio vai haver um acréscimo de 171 milhões de idosos (de 60 anos e mais) no mundo.

Nota-se que os maiores acréscimos absolutos serão dos idosos de 60 a 64 anos e de 65 a 70 anos. Mas o grupo de idosos centenários (de 100 anos e mais) também vai crescer muito, pois eram 34 mil centenários em 1950, passaram para 573 mil em 2020 e devem chegar a 858 mil em 2025.

Todos estes números mostram que a tendência do aumento do envelhecimento populacional no mundo é muito forte e, nem de longe, está ameaçada pela pandemia do novo coronavírus. O número de idosos no mundo vai crescer ao redor de 30 milhões de pessoas somente no ano de 2020. Todas as mortes pela convid-19 até agora, no mundo, estão na casa de 215 mil pessoas. Portanto, a escala do envelhecimento populacional é muitas vezes superior ao volume das vítimas da pandemia.

O mesmo acontece no Brasil. O gráfico abaixo mostra a evolução do número de idosos (de 60 anos e mais) no Brasil, por grupos etários, entre 1950 e 2020. O número de idosos passou de 2,6 milhões, em 1950, para 30 milhões de indivíduos em 2020, um crescimento de 11,3 vezes em 70 anos, ou de 3,5% ao ano. Portanto, o envelhecimento populacional no Brasil é muito mais rápido do que na média mundial. Os idosos eram 5% da população brasileira em 1950 e passaram para 14% da população em 2020.

Entre 1950 e 1955, o acréscimo foi de 475 mil idosos no Brasil e no quinquênio 2015 e 2020 o acréscimo quinquenal foi de 5,4 milhões de idosos. As projeções da ONU indicam que a população brasileira vai passar de 212 milhões de habitantes em 2020 para 219 milhões em 2025, com 36 milhões de idosos, representando 16,5% do total em 2025. Isto é, somente em 2020 haverá um acréscimo de 1,25 milhão de idosos (de 60 anos e mais) no Brasil.

Todos estes números mostram que a tendência do aumento do envelhecimento populacional no Brasil é ainda mais forte do que na média mundial. Portanto, a pandemia do novo coronavírus não ameaça reduzir o número de idosos no Brasil. Todas as mortes pela convid-19, até agora, estão na casa de 5 mil óbitos no território brasileiro. Mesmo que este número decuplique, ainda assim, a escala do envelhecimento populacional será muitas vezes superior ao volume das vítimas da pandemia.

O fato é que a pandemia da covid-19 vai causar muito sofrimento humano e muitos danos econômicos, mas vai passar. Com certeza, a humanidade vai vencer este desafio, mas não poderá continuar seguindo em frente fingindo que nada aconteceu. A civilização atual está seguindo um rumo insustentável, com uma Pegada Ecológica cada vez maior em relação à biocapacidade do Planeta. Ter uma relação harmônica com a natureza é uma condição necessária para a sobrevivência das futuras gerações. Atualmente, todas as atenções estão voltadas para resolver a emergência sanitária e a emergência econômica. Mas, no longo prazo, a emergência climática e ambiental é a principal ameaça existencial à humanidade no século XXI.

Existem muitas dúvidas sobre como será o futuro global da saúde, da economia e do meio ambiente. Mas do ponto de vista demográfico, uma coisa é certa: a população mundial vai crescer nas próximas décadas e a estrutura etária será mais envelhecida. O mundo terá cada vez mais idosos na população.

Em 2100, o mundo terá cerca de um terço da população de 0 a 29 anos, um terço de 30 a 59 anos e um terço acima de 60 anos. Como nenhum grupo é autônomo, precisa haver uma sinergia entre as pessoas de todos os grupos etários. Somente com a solidariedade intergeracional será possível construir um mundo mais justo e ambientalmente sustentável. A união de todas as pessoas, de todas as idades, para combater o atual coronavírus é uma pré-condição para se criar os meios e as vias para a construção de um futuro mais próspero para a totalidade dos seres vivos da Terra.

Foto destaque: Jan Kroon/Pexels


ebooks sobre envelhecimento

José Eustáquio Diniz Alves

José Eustáquio Diniz Alves

Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas - ENCE/IBGE. Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br. Link do CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/2003298427606382E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

joseeustaquiodiniz escreveu 18 postsVeja todos os posts de joseeustaquiodiniz