A importância da vacinação

Tempo de Leitura: 4 minutos

A vacinação é um método artificial de imunização, tendo como objetivo induzir imunidade e prevenir doenças contagiosas e graves.

Colaboração: Fernanda Belem Lopes de Meneses e Willian Guilherme de Moraes Leitão (*)


Um bom envelhecer perpassa por vários aspectos socio-psico-biológicos, portanto, preservar uma boa saúde é um aspecto a ser considerado. Muito se discute sobre a vacinação hoje em dia, porém deve-se lembrar que esta discussão não é recente. Desde que as populações começaram a ser vacinadas, se discute sobre as vantagens e desvantagens de receber vacina.

Do ponto de vista científico e médico, as vacinas são um dos aspectos responsáveis por termos uma população cada vez mais envelhecida, pois, afinal, quem previne doenças desde a infância tem menor probabilidade de adoecer gravemente e morrer precocemente.

Segundo o Ministério da Saúde a vacinação é um método artificial de imunização que não oferece riscos, um estado de proteção contra determinadas doenças contagiosas e graves, tendo como objetivo, induzir imunidade e prevenir a doença.

Uma das doenças que mais acometem os idosos é a gripe, que pode ser evitada através da imunização. Com isso, a vacinação anual de idosos é a medida mais eficaz para reduzir tanto as complicações causadas pela gripe, tais como pneumonias e mortes, dentre outras.

Mas, além da vacina que protege contra a gripe, ainda são recomendadas para os idosos:

  1. Vacina dupla adulto – Esta protege contra a difteria e o tétano que podem acometer os mais velhos, devendo a vacina ser tomada a cada 10 anos.
  2. Gripe (também conhecida como Influenza) – A infecção pode evoluir com mais facilidade para a pneumonia, quando presente em idosos. A vacina pode ajudar a promover a redução de 19% do risco de hospitalização por doença cardíaca e 23% do risco de doenças cerebrovasculares.
  3. Pneumonia e meningite pneumocóccica – A vacinação ajuda a proteger o organismo contra as doenças causadas pelo pneumococo, principalmente pneumonia.
  4. Hepatite B –doença que acomete o fígado e que pode evoluir para formas mais graves, inclusive câncer, daí a importância da vacinação.
  5. Herpes Zoster – doença ocasionada através da reativação do vírus da catapora, popularmente conhecido como cobreiro, que atinge indivíduos com mais de 50 anos.

A importância de os idosos terem a caderneta de vacinação atualizada deve-se ao fato de que, conforme envelhecemos, nosso organismo vai passando por uma série de alterações em vários órgãos e sistemas, dentre eles o sistema imunológico. Assim, a imunidade vai diminuindo e este fato pode predispor ao aparecimento de enfermidades com maior gravidade, daí a importância desta forma de prevenção.

Há vários mitos associados à vacinação, principalmente aqueles relacionados à vacina da gripe.  Alguns relacionam-se com a própria vacina causando a gripe, o que não ocorre. Pode haver, devido à própria resposta imune, um quadro leve de sintomas respiratórios, o que às vezes é confundido com desencadeamento de gripe, ou até mesmo um resfriado, já que a vacina da gripe não protege contra este último, doença muito semelhante à gripe, apesar de menos grave, e que, frequentemente, é confundida com ela.

Caso tenha dúvidas ou receba uma informação sobre vacina e queira saber se é “fake news” ou não, o Ministério da Saúde criou um canal no WhatsApp ((61) 99289-4640) que permite às pessoas, gratuitamente, reenviar as mensagens que receberam e é feita uma checagem sobre o conteúdo, esclarecendo se se trata de falsa notícia ou não.

É importante ainda conversar com um profissional da saúde do SUS (Sistema Único de Saúde), o qual irá informar sobre como a vacina é feita, como deve ser utilizada, quais os efeitos adversos que podem ocorrer e qual a segurança da vacinação para o idoso. Lembrando ainda que a vacinação no SUS não é paga e que os planos de saúde não têm a obrigação legal de vacinar ou cobrir despesas com vacina.

Referências
REIS, Sara Alexandre Araújo dos. A importância da vacinação no idoso. Orientador: Professor Doutor Manuel Teixeira Marques Veríssimo. 2015. Artigo de revisão (Mestrado integrado em Medicina) – Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, [S. l.], 2015.

SILVA, Susanne Pinheiro Costa e; MENANDRO, Maria Cristina Smith. Representações de idosos sobre a vacina da gripe. Ciênc. saúde coletiva,  Rio de Janeiro ,  v. 18, n. 8, p. 2179-2188,  ago.  2013 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000800002&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 30  out.  2020.  https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000800002.

ROCHA, Jaime. A importância da vacinação no idoso: A imunização reduz internamentos e o agravamento de doenças crônicas. Paraná: Blog SIMEPAR, 17 dez. 2016. Disponível em: https://simepar.org.br/blog/a-importancia-da-vacinacao-na-terceira-idade/. Acesso em: 29 out. 2020.

AURÉLIO, Marco. Secretaria de Estado da Saúde orienta sobre a importância de idosos terem a caderneta de vacinação atualizada. Sergipe: Governo do estado de Sergipe, 18 dez. 2018. Disponível em: https://www.saude.se.gov.br/ses-orienta-sobre-a-importancia-de-idosos-terem-a-caderneta-de-vacinacao-atualizada/. Acesso em: 29 out. 2020.

(*) Fernanda Belem Lopes de Meneses – aluna de último semestre curso de Biomedicina do Centro Universitário S. Camilo e estagiária da Coordenação de Extensão Universitária da mesma instituição.

Willian Guilherme de Moraes Leitão – aluno de último semestre do curso de Nutrição do Centro Universitário S. Camilo e estagiário da Coordenação de Extensão Universitária da mesma instituição.

Foto destaque de Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nota da redação Portal
(1) A vacina para herpes zoster não faz parte do calendário do SUS. Todas as demais fazem e são gratuitas. Esta vacina está disponível no mercado. O SUS nunca cobra pelas vacinas, já que pagamos por elas via tributos. O SUS dá a vacina da varicela como prevenção. Se a pessoa toma esta vacina quando criança, por ser o herpes zoster uma reativação do vírus, podem ficar imunes ou terem quadros mais leves da doença. De qualquer forma, vale a pena lembrar que o herpes zoster acomete preferencialmente pessoas com imunidade comprometida (isto é, com declínios da imunidade que vão além do processo de senescência, causados por outras afecções ou uso de determinados medicamentos) os quais, nem sempre, podem tomar algumas vacinas. Daí a importância de conversar com o profissional de saúde, pois, dependendo do caso, pode-se indicar ou não a vacinação.

Atualização às 12h04


Racismo

Entre os temas abordados neste curso estão: os impactos do racismo no processo de envelhecimento; o racismo e suas concepções; idade, raça, classe e gênero; memória e história; luta antirracista contemporânea; resiliência; a pandemia de Covid-19 e as velhices negras.

Maria Elisa Gonzalez Manso

Maria Elisa Gonzalez Manso

Médica e bacharel em Direito, pós-graduada em Gestão de Negócios e Serviços de Saúde e em Docência em Saúde, Mestre em Gerontologia Social e Doutora em Ciências Sociais pela PUC SP. Orientadora docente da LEPE- Liga de Estudos do Processo de Envelhecimento e professora titular do Centro Universitários São Camilo. Pesquisadora do grupo CNPq-PUC SP Saúde, Cultura e Envelhecimento. Gestora de serviços de saúde, atua como consultora nas áreas de envelhecimento, promoção da saúde e prevenção de doenças, com várias publicações nestas áreas.

maria-elisa-gonzalez-manso escreveu 27 postsVeja todos os posts de maria-elisa-gonzalez-manso