Vila italiana tem apenas dois residentes, que insistem em usar máscaras

Tempo de Leitura: 6 minutos

Eles são os únicos habitantes de um pequeno vilarejo italiano, mas estes dois idosos aposentados usam máscaras, pois respeitam as rígidas regras Covid-19 do país.


Uma reportagem da CNN Travel conta um pouco sobre dois aposentados italianos, Giovanni Carilli e Giampiero Nobili, que usam máscaras sempre que se encontram e insistem em ficar a um metro de distância, apesar de não terem vizinhos e raramente deixarem a vila de Nortosce. Localizada na província de Perugia, na Umbria, popular entre os turistas, Nortosce fica acima de um desfiladeiro rochoso no Vale Nerina a uma altitude de 900 metros, tornando-a extremamente difícil de alcançar. Mas, apesar de sua localização remota, nem Carilli, 82, nem Nobili, 74, se sentem protegidos do vírus, que ceifou a vida de quase 37.000 pessoas na Itália.

– “Estou morrendo de medo do vírus, se eu ficar doente, fico sozinho, quem vai cuidar de mim?

– “Estou velho, mas quero continuar morando aqui cuidando de minhas ovelhas, vinhas, colmeias e pomar. Caçando trufas e cogumelos. Aproveito minha vida.”

Atualmente, os italianos são obrigados a manter uma distância social de um metro, além disso as máscaras são obrigatórias em todos os espaços públicos, tanto externos quanto internos, a exceção são as residências particulares. Mas enquanto a polícia local distribuiu multas que variam de US $ 470 a US $ 1.170 para aqueles que se recusam a usar máscaras em algumas das cidades mais populosas do país, para Carilli e Nobili, a cobertura facial é uma regra sagrada em tempos de pandemia.

Nobili considera que seria desrespeitoso se qualquer um deles ignorasse as medidas rígidas postas em prática durante a pandemia, apesar de suas circunstâncias bastante excepcionais.

– “Usar máscara e respeitar o distanciamento social não é apenas por questões de saúde”, afirma.

– “Não é algo ‘mau’ ou ‘bom’. Se existem regras, você precisa obedecê-las para o seu próprio bem e para o bem de outras pessoas. É uma questão de princípio.”

Quando a dupla se encontra para um expresso na casa de Carilli, eles se sentam em uma mesa de dois metros de comprimento, um em cada ponta. Eles também mantêm o distanciamento social durante suas caminhadas regulares até uma fonte de pedra da Roma Antiga para coletar água potável.

Carilli nasceu na aldeia, mas passou grande parte de sua vida fazendo carnes curadas em Roma, antes de voltar a morar na casa de sua infância após sua aposentadoria. Nobili, irmão do cunhado de Carilli, também escolheu residir ali durante seus anos de crepúsculo. No entanto, ele ainda faz joias artesanais, explicando que a abundância da natureza na cidade, que é cercada por belas florestas, ajuda a inspirar sua arte.

Como muitos ex-residentes fugiram para Roma e outras cidades em busca de trabalho após uma série de terremotos na Itália no final dos anos 90, Carilli e Nobili ficam com a cidade para si na maior parte do tempo. Além um do outro, seus únicos outros companheiros são o cachorro trufado de Carilli e as cinco ovelhas que ele mantém em seu quintal – embora eles ainda ocasionalmente se encontrem com a família fora do povoado.

Nortosce é conectada ao continente por uma única estrada panorâmica com curvas fechadas e sem guarda-corpo, oferecendo uma vista deslumbrante das montanhas selvagens Sibillini, onde peregrinos e viajantes costumavam vagar.

– “Essa estrada termina aqui, então ninguém vem a menos que vá direto para Nortosce”, diz Carilli, que costuma caçar trufas com seu amado cachorro.

– “Há um burburinho social, apenas durante o verão, quando as famílias voltam para a casa de seus ancestrais. Muitas pessoas fugiram no passado devido a vários terremotos.”

No meio das colinas, Nortosce está idealmente situado para visitar as regiões vizinhas de Abruzzo e Marche, particularmente a antiga cidade romana de Ascoli Piceno. A vila remonta à Idade Média e, segundo a lenda, seu primeiro colonizador foi um fazendeiro da cidade vizinha de Rocchetta que veio plantar uma nogueira em um pomar. O nome Nortosce é derivado de uma combinação das palavras “noz” e “pomar” no antigo dialeto local.

Carilli tem boas lembranças de assistir aos festivais de colheita realizados na pequena praça em frente à sua casa, onde os moradores traziam vacas para pisar nos grãos para limpá-los. Ele também se lembra de sua mãe e suas amigas caminhando com potes de cerâmica na cabeça para coletar a refrescante água da nascente que jorra de velhos cochos.

As estreitas vielas sinuosas e passagens em arco da cidade conduzem a uma antiga igreja com um belvedere deslumbrante, juntamente com as ruínas da parte mais antiga da aldeia, coberta por uma vegetação exuberante, onde várias casas novas foram construídas.

Embora o antigo castelo de Nortosce tenha desmoronado anos atrás, um aglomerado de casas em tons pastel de vermelho, rosa, verde, laranja e creme com janelas pintadas em cores vivas e paredes medievais inclinadas permanece – embora tenham sido parcialmente remodeladas após o último grande terremoto em 1970. Seus pavimentos de paralelepípedos também estão notavelmente bem preservados.

Os inúmeros celeiros de pedra dilapidados e estábulos com grossas portas medievais de madeira e parafusos de metal encontrados aqui fornecem um vislumbre da vida rural do passado.

Enquanto isso, antigas trilhas de burros, agora escondidas por árvores, descem uma colina onde uma velha ferrovia costumava funcionar, enquanto camionetes abandonadas, antes fornecidas para alívio pós-terremoto, pontilham os jardins bem cuidados.

Como não há bares, hotéis, restaurantes ou mesmo um minimercado aqui, a dupla tem que se virar com o essencial e, ocasionalmente, visitar cidades próximas quando necessário.

– “Levamos uma vida muito simples: tudo o que temos a oferecer é ar fresco rico em oxigênio, tranquilidade, silêncio e águas saudáveis da montanha”, diz Carilli.

– “Essa é a nossa salvação. Sempre que preciso ir para uma cidade grande, me sinto mal, odeio o barulho.”

Com florestas de carvalhos, carvalhos, castanheiros e pinheiros justapostos com campos de frutos silvestres, trufas, aspargos selvagens e cogumelos pontilhados com cabras pastando, o cenário de Nortosce é fascinante.

Mas seus invernos são rigorosos e o isolamento pode ser difícil para os residentes. A cidade tem atualmente várias moradias rurais renovadas à venda. Na verdade, um foi vendido recentemente por € 20.000. No entanto, Nobili enfatiza que aqueles que desejam se mudar para cá devem se preparar para um grande ajuste no estilo de vida.

vila italiana

– “O estilo de vida é agradável, mas é preciso se adaptar”, afirma. “Não tem loja, nem farmácia, nem médico.

– “Cada vez que você precisar comprar pão ou obter uma receita de remédios, você deve ir até a cidade vizinha de Borgo Cerreto.”

A cidade também tem uma vibração algo assustador, com javalis e lobos perseguindo a área e ocasionalmente matando ovelhas. Anos atrás, residentes mais velhos contaram histórias de bruxas escondidas nas cavernas de granito branco que roubavam cavalos à meia-noite para fazerem corridas selvagens – os moradores aparentemente descobririam os animais suando na manhã seguinte.

Embora admita que Nortosce não é para todos, Carilli não trocaria sua vida por nada e adora morar em um lugar tão único que lhe permite estar perto da natureza, mesmo com máscara. Seu pequeno vinhedo rende algumas garrafas de vinho, que ele aprecia com pratos de nhoque e macarrão strangozzi feito à mão com ragu de carne de cordeiro.

Fotos: divulgação


memória
https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/curso-online-linguagem-e-memoria-na-longevidade-ampliando-possibilidades/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3446 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento