Um dia de sábado… entardecendo

Tempo de Leitura: 4 minutos

Por mais que me expliquem, em todos os idiomas e ciências, não entendo bem por que o acúmulo dos anos nos faz, em certos momentos, tão nostálgicos.

Ouço música realmente com paixão (Linda Ronstadt)

Depois do silêncio, o que mais se aproxima de expressar o inexprimível é a música (Aldous Huxley)


E assim, a luz do sol se foi, é o entardecer que dá seus primeiros sinais e, com ele, chegam as lembranças. Por mais que me expliquem, em todos os idiomas e ciências, não entendo bem por que o acúmulo dos anos nos faz, em certos momentos, tão nostálgicos. Sim, devo confessar: ando muito saudosa dos bons tempos, do preto e branco, de um bom cinema com a telona encantada, a pipoca e sua fiel escudeira coca-cola e, claro, a boa música, aquela que nos enche de esperança, que nos leva às lágrimas e as boas risadas, que faz nosso corpo remexer no melhor dos cha cha cha.

E quando todo esse misto de rebolado, emoção, olhares e toques nos invadem pelas letras e melodias de grandes cantores e compositores e, ainda melhor, no entardecer de um dia de sábado ao lado do melhor dos amores, penso: o que mais a vida poderia me dar?

Bem, talvez um pouquinho mais… ou tudo do “mais”.

Assim, rememorando uma coisa ali, outra aqui, aterrizo, na bem-sucedida história da cantora e compositora americana Linda Ronstadt, estrela da música pop e country que, sozinha, já vendeu mais de 100 milhões de álbuns em todo mundo.

Linda nasceu no Arizona (1946). Ela iniciou sua carreira se apresentando com o Stone Poneys na década de 1960, antes do imenso sucesso como artista solo. Seu primeiro álbum de 1974, Coração como uma roda, ganhou o primeiro de 12 prêmios Grammy.

Podemos dizer que as primeiras influências musicais vêm de seus pais, nas deliciosas canções mexicanas. A mãe tocava ukulele e o pai violão. Linda respirava e vivia pela música.

Sua capacidade de se adaptar a uma impressionante variedade de gêneros lhe rendeu inúmeras premiações e reconhecimento. Gravou mais de 40 álbuns e colaborou com vários artistas, dentre eles: Dolly Parton, Emmylou Harris, The Eagles, James Taylor, Neil Young e Elvis Costello.

Em agosto de 2013, Linda revelou o motivo de sua ausência no cenário musical nos últimos anos: ela foi diagnosticada com a doença de Parkinson, que a impedia de cantar. “Eu não sabia cantar e não sabia por que“.

“Acho que já o sinto há sete ou oito anos, por causa dos sintomas que tive. Depois, fiz uma operação no ombro, então pensei que era por isso que minhas mãos estavam tremendo”.

No mesmo ano, Linda publicou suas memórias no livro Sonhos Simples. O livro descreve sua jornada musical e desafios profissionais enfrentados aos longo dos anos. Apesar das limitações impostas pela doença, Linda ainda saiu em turnê para divulgar suas memórias.

Sonhos Simples presenteia os leitores com uma visão bastante clara, direta e objetiva de sua juventude no Arizona, seus primeiros dias no cenário musical de Los Angeles e sua vida como uma estrela pop nas décadas de 1970 e 1980.

Em setembro de 2019, sai o documentário Linda Ronstadt: o som da minha voz. Com entrevistas de Dolly Parton, Emmylou Harris, Bonnie Raitt e Jackson Browne, o trabalho narra o início da vida e carreira de Linda.

Podemos afirmar que Linda Ronstadt é a primeira estrela do rock no mundo. No documentário comovente, os cineastas vencedores do Oscar Rob Epstein e Jeffrey Friedman exploram a voz melodiosa da cantora. Como bem diz Dolly Parton: “Linda poderia literalmente cantar qualquer coisa”.

Linda Ronstadt: O Som da Minha Voz celebra uma artista cujo desejo de compartilhar a música que ela amava fez gerações de fãs se apaixonarem. Amor por ela e pelo som de sua voz, única.

Apesar dos relacionamentos com o ex-governador da Califórnia, Jerry Brown, e o cineasta George Lucas, Linda nunca se casou. Por muitos anos ela morou em sua cidade natal, Tucson, com seus dois filhos adotivos. Agora ela vive em San Francisco.

Ela disse ao jornal New York Times: “Sou péssima em comprometer e há muito comprometimento no casamento”.

Sobre a estrela não deixe de assistir aos vídeos, são preciosidades que permanecem vivas, pulsantes que nos fazem viajar pelo tempo e reviver tudo que foi e que ainda temos para longeviver, se Aquele Senhor de lá de cima assim o desejar…

Apesar do meu maroto, mas singelo ciúme, dedico este texto ao meu amor e suas lembranças da juventude, da sua Linda que será para sempre Linda!

Vídeos
Linda Ronstadt “You’re No Good” Live 1976: https://www.youtube.com/watch?v=_bj_32QeAaU
Dolly Parton Linda Ronstadt Emmylou Harris – The Sweetest Gift https://www.youtube.com/watch?v=wWEQDyrbphE
Linda Ronstadt on Parkinson’s Diagnosis: Life Is ‘Different’: https://www.youtube.com/watch?v=sBHJL_splYg
Linda Ronstadt awarded Nat’l Medal of Arts for ‘one-of-a-kind voice’: https://www.youtube.com/watch?v=NHG6t-Q4R_Y
Linda Ronstadt: The Sound of My Voice: https://www.youtube.com/watch?v=eDMYAsu5PvI
Linda Ronstadt Sings in 2019: https://www.youtube.com/watch?v=mNnvyh544V8


intergeracionalisase
https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/intergeracionalidade-implementacao/

Luciana Helena Mussi

Luciana Helena Mussi

Engenheira, psicóloga, mestre em Gerontologia pela PUC-SP e doutora em Psicologia Social PUC-SP. Editora-executiva da revista Kairós Gerontologia. Coordenadora da Coluna Filmografia do Portal do Envelhecimento. Professora do Curso de Especialização em Gerontologia (Cogeae-PUCSP). E-mail: lucianahelena@terra.com.br.

lucianamussi escreveu 87 postsVeja todos os posts de lucianamussi