Sobre o Barão de Lavapés…

Tempo de Leitura: 2 minutos

Tomando como ponto de partida “1984”, de George Orwell, impossível não estabelecer paralelo com o mundo atual, dirigido por programas de inteligência artificial, que sugerem compras, produzem notícias falsas e mudam o passado. É sobre essas mudanças de passado que resolvi escrever.

Escrito por Barão de Lavapés


Quando recebi o título de nobreza de Barão de Lavapés, percebi a importância de continuar, ainda que sem brilhantismo, a saga de meu ancestral intelectual Barão de Itararé. Passei, então, a ler obsessivamente livros que lera na juventude e percebi que havia entendido pouco das leituras anteriores, sem estabelecer as devidas relações entre seus conteúdos e a vida cotidiana.

Confesso que a releitura que mais me impressionou foi de “1984”, de George Orwell, que trata de uma sociedade hipotética com cidadãos vigiados permanentemente por um “Grande irmão” que, quando lhe é conveniente, muda o passado.

Impossível não estabelecer paralelo com o mundo atual, dirigido por programas de inteligência artificial, que sugerem compras, produzem notícias falsas e mudam o passado. É sobre essas mudanças de passado que resolvi escrever. Não sei se terei fôlego para manter a produção de textos tanto qualitativa quanto quantitativa.

Vou tentar, como já tentei muitas outras coisas. Focarei as constantes mudanças de passado, frequentes no nosso dia a dia. Como, do ponto de vista material, o passado já não existe, apresentarei o que vaga pela minha memória, com os erros e acertos naturais.

Alguns exemplos de mudanças de passado que, às vezes, ouço: “o nazismo deu uma grande contribuição para o desenvolvimento da medicina” ou “Pelé não foi tão grande jogador de futebol” ou “o genocídio de judeus, durante a Segunda Guerra Mundial, não aconteceu” ou, ainda, “a santa inquisição foi fundamental para o aprimoramento dos valores morais”.

Pretendo dar um tom positivo às análises, sem abandonar a visão crítica que desenvolvi ao longo da minha vida, com origens no meio de operários e culminando com a nobreza, compatível com a culta e justa burguesia brasileira, que ostento orgulhosamente.

Referências
ORWEL, George (2010). 1984. São Paulo: Companhia das Letras.


Luciana Helena Mussi

Luciana Helena Mussi

Engenheira, psicóloga, mestre em Gerontologia pela PUC-SP e doutora em Psicologia Social PUC-SP. Editora-executiva da revista Kairós Gerontologia. Coordenadora da Coluna Filmografia do Portal do Envelhecimento. Professora do Curso de Especialização em Gerontologia (Cogeae-PUCSP). E-mail: lucianahelena@terra.com.br.

lucianamussi escreveu 71 postsVeja todos os posts de lucianamussi