Sigamos Tom Moore, continuemos caminhando

Tempo de Leitura: 3 minutos

Neste momento delicado sugiro que façamos como Tom Moore, continuemos caminhando. Mesmo sem conseguirmos planejar o futuro não podemos nos perder física e mentalmente.


Quase 2 meses de isolamento social na Inglaterra devido ao Coronavírus, escolas fechadas, e então, uma forma de continuar contribuindo para a formação das crianças foi a alternativa das aulas online, uma forma de continuar caminhando… O que me chamou a atenção e me fez refletir ao pensar em redigir este texto, foi uma atividade escolar específica a um grupo de crianças na faixa etária entre 4 e 5 anos de idade, em que solicitaram que elas fizessem um cartão de aniversário a um ex-oficial do Exército Britânico chamado Tom Moore, muito conhecido no país devido a seus trabalhos filantrópicos.

Acredito que o que tenha levado a essa iniciativa da escola, foi que Tom Moore tem sido destaque nos noticiários das últimas semanas. Em meio a tantas informações acerca de mortes e tragédias com a pandemia, Tom aparece para incentivar-nos a praticar boas ações durante esse momento.

As grandes notícias eram as de que Moore teve uma ideia em que, a princípio, pretendia arrecadar £1.000 para contribuir com o sistema de saúde do país, National Health Service (NHS), em meio à pandemia do Coronavírus. O mais interessante foi como ele pensou em chegar a esse valor. No início do mês de abril, Moore teve como objetivo principal dar 100 voltas em seu quintal (com 25 metros de comprimento) antes dos 100 anos de idade que iria completar no final do mesmo abril (30/04/2020).

No dia 16 do mesmo mês Tom conseguiu seu objetivo, o que teve uma repercussão em todo o país e as doações não paravam de chegar. Tom então confirmou que mesmo após completar suas 100 voltas irá continuar caminhando para arrecadar mais dinheiro para o NHS. Até o momento o número de doações passou da meta inicial, ultrapassando milhões de Libras.

A mensagem que gostaria de passar aqui não são números, mas sim que um senhor que acabou de completar 100 anos de idade conseguiu registrar uma história linda no coração da Inglaterra. Uma memória maravilhosa que ficará escrita em meio a esse momento tão triste e delicado que estamos vivendo.

Histórias como essas devem ser registradas e mostradas ao mundo, se pararmos para fazer uma análise pensando na velhice, ficaremos horas refletindo sobre cada detalhe, desde as questões físicas que envolvem o processo de envelhecimento até abordagens específicas como aspectos relacionados a cultura gerontológica, assunto que tem se tornado extremamente importante e primordial para ser trabalhado com toda a sociedade (crianças, jovens e adultos). Sociedade que envelhece e não consegue enxergar a velhice com sua heterogeneidade e diversidade.

Por isso, histórias e memórias como a de Tom contribuem significativamente para que possamos formar aos poucos uma sociedade inclusiva capaz de respeitar o velho, bem como seu papel social, que pode continuar existindo como de qualquer outro ser humano. Histórias como a de Tom aparecem e merecem atenção para refletirmos sobre as diversas velhices.

Tom Moore, continuemos caminhando

Para finalizar, nesse momento delicado sugiro que façamos como Tom Moore, continuemos caminhando. Mesmo sem conseguirmos planejar o futuro não podemos nos perder física e mentalmente. Precisamos aprender com esse momento e a forma de continuarmos vivendo e sonhando é o caminhar, afinal, como já disse Cora Coralina “O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher”.

Foto destaque: Reprodução/cortesia da Official Charts Company


Ana Beatriz Almeida

Ana Beatriz Almeida

Graduada em Terapia Ocupacional pela Universidade Estadual Paulista – UNESP e Mestre em Gerontologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). E-mail: ana_bia_09@hotmail.com

anabeatrizalmeida escreveu 12 postsVeja todos os posts de anabeatrizalmeida