Reflexões sobre a pós-pandemia: torço por um mundo melhor

Tempo de Leitura: 6 minutos

Esta é uma experiência inesperada, que traz no seu bojo muitos aprendizados e trará ainda mais porque, afinal, vivemos o processo sem conseguirmos imaginar o que teremos pela frente na pós-pandemia.

Ione Almeida (*)


Mais de 100 dias de isolamento. Nunca passou pela minha cabeça viver o que estamos vivendo. Esta pandemia trouxe algo impensável e é sobre isto que reflito. Vi um vídeo do Bill Gates, de alguns anos atrás, em que ele alerta para a possibilidade de uma pandemia, mas acredito que nem ele imaginou que seria assim. Esta é uma experiência inesperada e, sobretudo, inusitada para os dias de hoje. Experiência que traz no seu bojo muitos aprendizados e trará ainda mais porque, afinal, vivemos o processo sem conseguirmos imaginar o que teremos pela frente na pós-pandemia.

Para a pós-pandemia, por enquanto, só chutes e palpites, porque certeza de alguma coisa ninguém tem. Aliás, a incerteza é uma palavra-chave nos dias de hoje. Permeia todas as nossas ações/relações, envolta em toda a sociedade. A Ciência, toda confiante, diante do vírus perdeu a pose e anda confusa como todo mundo. Acredito que uma das lições desse momento é saber lidar com dúvidas e incertezas, sobreviver mesmo sem referências firmes, porque todas foram fraturadas, assim como o mundo.

O isolamento trouxe muito sofrimento, é verdade, mas muitos benefícios também. Pela primeira vez ficamos com nós mesmos ou circundados pela família. Esse é um exercício e tanto, como disse uma amiga: está valendo por uma terapia sistêmica.

Se olhar e estar em contato consigo mesmo, vinte e quatro horas por dia, pode não ser fácil. Claro, depende muito de cada um, até porque existem os que adoram a solidão. E quando a solidão não é uma escolha e sim uma imposição? E desde quando o ser humano gosta de imposições, hein?

Lições de cidadania e solidariedade são muitas, mas o que a necessidade fez foi instituir o aprendizado digital – e não falo só dos mais velhos – cursos e lives borbulham na internet, novos programas e aplicativos que, diga-se de passagem, estão sendo muito úteis, muito bem-vindos em tempos de pandemia. Assim resolvemos não apenas bancos, mas também supermercado, farmácia, padaria, portais de tudo atendem no online, a nova onde pela qual o idoso aprendeu a surfar.

Quanto a higiene, outra lição importante, nunca nos preocupamos tanto em higienizar tudo. As mãos são lavadas muitas vezes ao dia. Não se entra de sapato em casa – muitos países, como por exemplo o Japão, é um hábito milenar –, e nada de roupa suja largada pela casa, usou, lava. Afinal, não se sabe se está ou não contaminada, pois estamos lidando com um inimigo invisível e todo o cuidado é pouco.

Inimigo que também gera oportunidades: o vendedor ambulante agora vende máscara com forro ou sem forro, uma camada ou duas e até três, e o álcool gel não pode mais faltar em casa, na bolsa, ao alcance das mãos nuas, pois muitas andam enluvadas, assim vamos criando estratégias para nos proteger do vírus.

Protegidos em casa, aprendemos a consumir cultura para sobreviver psicologicamente: passeios culturais, visitas guiadas a museus de todo o mundo, bibliotecas virtuais de portas abertas, shows, teatros, mostras de cinema porque o mundo não vive só de lives. Mas é bom ouvirmos entrevistas, palestras sobre os mais variados assuntos que a TV nunca daria conta. Poucos hoje se lembram da TV porque temos tanta coisa na internet que às vezes esquecemos até de comer… como o tempo passa!

Todos ficamos familiarizados com as ferramentas de reuniões online, não é mesmo? É Zoom, é Team, é Meet, e a gente vai navegando, se encontrando e encontrando um jeito de se encontrar. Estou amando. Mãe, fala baixo, estou em aula, sai. Desculpa, filha. Não passa aqui porque estou ao vivo e com a câmara ligada. Faço a volta e me afasto do marido que agora é home office.

O home office está surpreendendo muitos gestores e profissionais de todas as áreas. A produção não caiu e o aproveitamento do tempo é incomparável. Trabalhar remotamente é viável. Aí surge a pergunta que não quer calar: por que preciso de tantos metros quadrados para alocar tantos empregados? Não seria melhor mantê-los em casa, evitando assim que levantem horas mais cedo para enfrentar o trânsito caótico e estressante da metrópole e um ambiente de cobranças e competitividade tóxica se em casa produzem tanto quanto ou até mais? Um bom quebra-cabeça pós-pandemia se apresenta. Será que em breve teremos prédios de escritórios fantasmagoricamente habitados ou centros culturais em seu lugar? 

As lidas domésticas, por sua vez, entraram na rotina de milhares de pessoas que nunca haviam se deparado com esses afazeres, contavam sempre com as assistentes do lar, as populares domésticas. Lavar, passar, limpar e cozinhar não são tarefas fáceis, descobrem as patroas já de mãos ásperas e pirando: não dá, vou ligar para a Maria e dizer que venha de Uber, eu pago.

Os tais trabalhos domésticos exigem conhecimento e técnicas especializadas, que tal valorizar mais e tirar esses profissionais da invisibilidade? São trabalhos enfadonhos, rotineiros e, em certa medida, difíceis de serem executados por quem os fazem de má vontade. Mas tem quem abrace a tarefa como um desafio, um aprendizado, e cozinhar virou terapia para muita gente que só ia à cozinha para pegar um panela com o objetivo de batucar na varanda. Gente que entendia tanto de cozinha quanto de política e deu no que deu… mas essa é outra história.

O prazer de burilar alimentos, encontrar novos sabores, surpreender pelo estômago o amado ou toda a prole. As redes sociais bombam com fotos de pratos deliciosos, práticos e fáceis, do pão ao pudim, da paella à feijoada, e o resultado do produto home made é fotografado e postado para receber likes e surpreender a todos: feito por mim.

Para finalizar minhas reflexões pandêmicas, não podemos deixar de mencionar o exercício de gratidão que a maioria passou a cultivar por quem atua na linha de frente no combate ao vírus: médicos, enfermeiros, técnicos, auxiliares de cozinha, de limpeza, todos aqueles que trabalham na área da saúde, da segurança, enfim, profissionais incansáveis que merecem reconhecimento e apoio. Na ausência dos familiares, esses auxiliares são quem seguram a mão dos nossos entes queridos. Gratidão.

Gratidão que devemos estender a todos que atuam nos serviços essenciais: eletricidade, água, mídias, internet, bancos, supermercados, entre outros, sobretudo os trabalhadores na área dos transportes: caminhoneiros, taxistas, moto boys etc.

O que faríamos sem todos esses seres que, continuamente, trabalham independente dos perigos do dia a dia? Como poderíamos nos manter isolados se não tivéssemos esses servidores incansáveis? Entregadores, funcionários dos Correios, pilotos… são tantos anjos da guarda que no céu não cabem. Às vezes esquecemos desse pequeno detalhe: somos seres interdependentes, não? Pequeno, eu? Quando Suzete voltar, pós-pandemia, vai ganhar beijo e abraço todo dia, pagar seu salário sem ela trabalhar é uma maneira de dizer a ela, em nome de todos, vocês são seres especiais.

A alma humana foi tocada, a minha foi tocada, sem sombra de dúvidas: grupos de meditação, oração e preces estão espalhados pelo planeta em uníssimo, pedindo pela restauração de uma vida melhor. Acho que agora posso dizer que tenho uma certeza: o mundo pós-pandemia será melhor, pois nós seremos melhores.

Foto destaque: Manfred Legasto/Pexels

(*) Ione Lucia Florêncio de Almeida, 70 anos, mestre em Administração de Empresas, lecionou na FGV, FIA e ESPM, executiva por mais de 25 anos na área de marketing, consultora em Marketing de Relacionamento, Marketing de Serviço, Inteligência de Mercado e Comportamento do Consumidor.


futuros

Apresentar uma reflexão sobre as transformações que vivemos e a possibilidade de futuros próximos, baseados no livro “As 21 Lições do SEC XXI” de Yuval Harari, pensador contemporâneo. Muitas das informações do livro foram baseadas num mundo que não mais existe. Propomos reflexões, acrescentando uma análise do mundo pós-pandemia com enfoque no Brasil. Inscrições abertas em: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/workshop-online-possibilidades-de-futuros-proximos-baseado-nas-21-licoes-do-sec-xxi-de-yuval-harari/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3184 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento