Por onde passa o bispo

Tempo de Leitura: 3 minutos

Penso na minha tia e dou risada. Sigo faxinando com empenho, apenas por onde passa o Bispo. E sigo limpando com a velhice que logo baterá à porta a espera de encontrar a casa varrida dos supérfluos.


Em que momento a farra da faxina se perdeu? Eu era criança e junto com minhas primas passávamos horas arrumando nossa casinha de bonecas, cozinhávamos em um fogãozinho elétrico onde preparávamos com alegria comidinhas e cuidávamos dos vasinhos que enfeitavam nossa casa instalada no quartinho do tal fogão a lenha usado nas festas juninas na chácara onde passei lindos momentos da minha vida.

Tudo era lúdico e até mesmo lavar a louça era prazeroso.

Já no quintal, com piso de caquinhos amarelos e preto da casa em que morava, o dia de limpeza era uma farra aguada com esguicho e sabão em pó que ao ser esfregado com a vassoura formava espuma que me fazia patinar até cair nas poças.

Na minha cabeça estava certa de que ajudava na lavagem enquanto a doce Miena me dizia:

– Não quer que eu faça isso sozinha? Não prefere ir brincar de outra coisa?

– Não estou brincando, estou te ajudando na faxina. Não é justo você lavar sozinha um quintal deste tamanho.

Miena entendia o recado e me deixava continuar a brincadeira tornando ainda mais divertida a confusão quando, sem querer, me esguichava enquanto eu gargalhava de alegria.

Tem sido assim. Lembranças como essas se tornam rotineiras, principalmente neste momento em que a vassoura e o rodo parecem querer se tornar uma extensão de meu próprio corpo. Vira e mexe, nas minhas mãos varrem dançando em ritmo frenético pela casa que passou a ser o local de trabalho dos moradores e eu, justo eu que criticava minha mãe por ser metódica percebo que sem método não é possível organizar a rotina de um lar.

Tento buscar diversão nessas tarefas, mais intensas do que nunca, que precisei aprender a dividir com minha vida profissional, com o apoio aos filhos, marido e cachorras. Até um tal rodo que gira e espirra água com desinfetante comprei numa tentativa de transformar a limpeza num bailar no deslize do spray com rodopios e agachamentos.

Outro dia conversando com minha Tia ao telefone falávamos sobre o ato de faxinar:

– O apartamento é grande então eu limpo apenas por onde passa o Bispo.

Caí na gargalhada.

Havia encontrado uma frase que me representa e com minha imaginação fértil pude me ver com o rodo com seus jatos de limpeza abrilhantando o caminho do tal Bispo que andava pela minha casa com um incenso em mãos abençoando meu lar.

Pintura de Andrea Vaccaro

– Nada de levantar móveis, arrastar a cadeira. Limpe apenas por onde passa o Bispo.

Esta minha Tia modificou meu jeito de limpar a casa pois faço o serviço às gargalhadas imaginando o bispo logo ali atrás de mim.

Vivendo e aprendendo.

Enquanto houver humor e uma Tia cheia de sabedoria os fardos podem se tornar mais leves.

E sigo limpando com a velhice que logo, logo baterá à porta a espera de encontrar a casa varrida dos supérfluos, do que não nos pertence, das amarguras e dos problemas que insistimos em torná-los maiores do que realmente são.

Para a vida sempre haverá solução, mas sem deixar de lado a fé que varre os entulhos do que já foi e do que não serve mais.

Olho para a casa e percebo o tanto de pó. A limpeza é efêmera e a vida é tão breve.

Na lavanderia a vassoura e o rodo me esperam para começar a faxina como purificação do momento. Lembro da diversão dos tempos passados e numa tentativa de encontrar aquela menina, rodopio com o rodo que espirra um cheiro gostoso de limpeza.

Penso na minha tia e dou risada. Sigo faxinando com empenho, apenas por onde passa o Bispo.

Imagem destaque de Sasin Tipchai/Pixabay

arte
https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/arte-velhices-fragilizadas/

Cristiane T. Pomeranz

Arteterapeuta, entusiasta da vida e da arte, e mestre em Gerontologia Social pela PUC-SP. Idealizadora do Faça Memórias em Casa que propõe o contato com a História da Arte para tornar digna as velhices com problemas de esquecimento. www.facamemoriasemcasa.com.br E-mail: [email protected]

cristianetpomeranz escreveu 86 postsVeja todos os posts de cristianetpomeranz