Por dentro de um coworking para idosos

O Senior Planet é como qualquer outro espaço de coworking. A ideia de se mudar para uma comunidade de aposentados perto da praia e jogar golfe até o fim é passado. Em vez disso, as pessoas continuam a trabalhar e desenvolver novas habilidades à medida que envelhecem.

Anna Meyer (*)


Quando entrei no Senior Planet Exploration Center, no bairro de Chelsea, em Nova York, vi pessoas nos computadores mexendo em seus sites Wix e outras conversando sobre seus projetos mais recentes. É como qualquer outro espaço de coworking: ocupado, animado e sem uma mesa vazia. A diferença é que, aos 22 anos, sou basicamente a pessoa mais jovem aqui  – décadas de diferença. O centro é o principal espaço de coworking e centro de aprendizado dos Serviços de Tecnologia de Adultos Idosos (OATS), uma organização sem fins lucrativos sediada no Brooklyn. Dedicado a pessoas de 60 anos ou mais, oferece aulas para membros como “Start Up!” ou “Conectando-se na Era Digital” para aprimorar suas habilidades de negócios.

Também tem workshops sobre como usar iPads e navegar em bancos on-line – e tudo gratuito. À medida que avançamos em um mundo onde as pessoas estão vivendo mais do que nunca (globalmente, o número de pessoas com 50 anos ou mais aumentará para 3,2 bilhões até 2050), a ideia de se mudar para uma comunidade de aposentados perto da praia e jogar golfe até o fim é ultrapassada. Em vez disso, as pessoas continuam a trabalhar e desenvolver novas habilidades à medida que envelhecem. Instituições como este espaço de coworking – exclusivamente fotografado aqui para a Fast Company por Celine Grouard – são uma parte crucial do apoio às ricas vidas que as pessoas idosas têm e terão cada vez mais.

Carlos Lewis, 73 anos, fundador e designer do Carlos ‘Hats, começou a frequentar o Senior Planet em 2016 por sugestão de sua filha para tirá-lo de sua casa. Quando ele começou a vir, ele disse que não sabia digitar. Hoje, ele está trabalhando na construção de um site Wix e uma página Etsy para seu negócio de chapéus. “Estou feliz por estar aqui, porque há sempre algo para aprender e algo para fazer. E se eu acho que aprendi o suficiente, posso vir aqui e ajudar alguém a aprender alguma coisa”, diz ele. “Estou rejuvenescido. Não sinto que tenho 73 anos”.

Construindo a comunidade

Criado em Asbury Park, Nova Jersey, Tom Kamber mudou-se para Nova York em 1985 para estudar. Enquanto trabalhava como ativista comunitário na parte baixa de Manhattan após o 11 de setembro, ele se tornou amigo de uma mulher de 80 anos que, à medida que envelhecia, conseguia fazer todas as coisas da vida que ela não se sentia confiante o suficiente para fazer antes. Por causa dela, Kamber começou a olhar para o envelhecimento sob uma nova lente. “Ninguém nunca me disse isso antes, que quando eu tivesse 75 anos, eu poderia me sentir assim”, comentou. Por meio dela, ele encontrou uma paixão: preencher as lacunas entre os idosos, a tecnologia e a sociedade. [Foto: Celine Grouard para Fast Company]

Tom Kamber é o diretor executivo da OATS. Ele tem PhD em ciência política pela City University of New York e lecionou na Columbia University por 14 anos. Durante a minha visita, ele me mostrou uma foto em seu telefone de um time de basquete. “Essa é uma foto do time de basquete San Antonio Senior Planet”, diz ele com um sorriso orgulhoso.

Com os centros do Senior Planet em seis estados, foram dadas mais de 43.000 aulas (e sim, um time de basquete se formou) desde que a organização sem fins lucrativos começou a lecionar há 15 anos. Kamber também menciona que está no processo de buscar espaços para o Senior Planet na Espanha e no Japão.

A organização sem fins lucrativos é bem-sucedida: hoje, ela registra uma receita de US$6 milhões, acima dos US $ 3 milhões há três anos. A contagem de pessoal é de 70. Kamber observa que a maior parte de sua receita vem do governo e dos cheques de doação, e o restante vem da receita obtida com patrocínios de corporações. Por exemplo, um banco pode patrocinar a Senior Planet na realização de uma aula sobre serviços bancários digitais.

A OATS foi lançada em 2004 com a missão de solucionar a narrativa antiquada que existe no mundo profissional americano – um mundo em que termos como PIP (Previously Important Person – Pessoa Previamente Importante) – são associados a pessoas aposentadas ou mais velhas no mercado de trabalho. O slogan da organização é, apropriadamente, “envelhecer com atitude”.

“A OATS se vê como se estivesse invadindo as redes sociais que os idosos circulam – suas comunidades, suas cidades rurais, seus espaços online – e criando comunidades em torno do otimismo e baseado no ótimo design para idosos colaborando e aprendendo”, diz Kamber.

Um espaço seguro para idosos

Por que criar um espaço de coworking exclusivo para idosos? A maioria dos espaços de coworking atende os trabalhadores jovens. Kamber observa que o que expulsa os idosos para fora dos espaços típicos de coworking não são as comodidades como mesas de pingue-pongue, open chopp ou o marketing. Pelo contrário, é a falta de conversas sobre como tratar os idosos. “É uma coisa sutil, mas quando você tem 75 anos e entra em um espaço em que está liberando sua criatividade, você deve se sentir confortável lá. E em muitos lugares, não parece que você está sendo levado a sério”, diz ele. “É aí que as micro-agressões são bastante relevantes”.

E quando os idosos estão confortáveis, eles são mais produtivos, como todo cidadão em qualquer faixa etária. “Os idosos não têm problema em produzir. Eles querem produzir ”, diz Kamber.

Esse foi o caso de Bonnie Mackay, 67 anos, que publicou um livro sobre enfeites de Natal, Tree of Treasures, com a Penguin Random House em 2016. Ela se encontra com grupos de outros membros no centro que se formaram organicamente para apoio e colaboração. Ela observa que os membros do grupo discutem uns com os outros sobre assuntos mais familiares, como maneiras de ajudar a resolver problemas relacionados à demência de uma perspectiva de negócios. “As pessoas querem criar um novo negócio e uma nova vida para si mesmas”, diz ela.

O futuro do coworking de idosos

A OATS é uma organização sem fins lucrativos, mas Kamber acredita que também há um potencial significativo para o coworking sênior no espaço com fins lucrativos. Para um espaço com fins lucrativos ser bem-sucedido, porém, ele tem que “comercializar a sensação de continuidade das pessoas com elas mesmas” – a ideia de que ninguém “se sente” velho; apenas que um dia se olham no espelho e veem cabelos brancos (ou não).

Mas não precisamos esperar por um espaço com fins lucrativos antes de tornar os espaços de coworking mais inclusivos. Há oportunidades agora para os espaços existentes receberem bem os idosos produtivos e ansiosos por informações. Só é preciso alguma empatia e uma mudança de mentalidade. Para incentivar a mudança, Mackay diz que pediria a alguém para refletir sobre o que eles querem para si mesmos. “Onde você quer estar?”, ela perguntava. “Onde você acha que vai estar quando chegar aos 60? Ou 65? E onde você gostaria de trabalhar?

(*) Anna Meyer é natural de Minneapolis e aluna de J-School da Universidade do Kansas, com um grande interesse em saber como a tecnologia e a inovação serão moldadas amanhã. Durante seu tempo como editora digital da revista The Riveter, seu trabalho apareceu na mídia impressa e on-line, cobrindo uma variedade de tópicos no âmbito da vida e dos interesses das mulheres. Fotos de Celine Grouard for Fast Company. Tradução livre de Sofia Lucena.


Inscrições: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/curso-interdicao/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2629 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento