Pesquisa estimula troca de cartas e promove encontro geracional

Da infância próxima à avó às aulas na escola do SESI (Serviço Social da Indústria) na área de Educação de Jovens e Adultos (EJA), a psicóloga e pedagoga Divina de Fátima dos Santos foi aos poucos traçando seu caminho em direção ao estudo do envelhecimento.

Maria Lígia Mathias Pagenotto

 

Pesquisa-estimula-troca-de-cartasSua pesquisa de mestrado – intitulada “Relações Intergeracionais: palavras que estimulam” – foi defendida em maio de 2010 e focou o conteúdo de cartas, utilizadas como forma de comunicação entre idosos e crianças. Divina queria saber a forma de interação vivenciada entre eles, para identificar os significados dessa troca.

A metodologia utilizada foi qualitativa, baseada em entrevistas com idosos e nos dados coletados das cartas escritas por estudantes do curso da EJA, com idades variando entre 18 e 72 anos, em fase de alfabetização, e por crianças do ensino regular com idades entre 8 e 10 anos que frequentavam uma das unidades da rede SESI-SP.

Os assuntos abordados nas cartas deram abertura para inúmeras discussões. Para facilitar a compreensão do leitor, Divina as nomeou como: religiosidade, sonhos, as palavras certas, o mundo do trabalho e a aposentadoria, a alteridade, a comunicação pictográfica e por símbolos e a troca de olhares. Segundo ela, todos igualmente envolventes, pois provocaram reflexões tanto por parte das crianças quanto por parte dos idosos.

Ela explicou que a troca de cartas promoveu a interação dos estudantes e favoreceu o processo de mudança de atitudes e de construção de valores éticos importantes na vida escolar, familiar e social tanto dos idosos quanto das crianças participantes.

Para ela, as alterações ocorridas por meio dessas vivências podem propiciar ou facilitar um convívio mais saudável entre diferentes gerações no âmbito da escola e nos mais diferentes espaços sociais da vida cotidiana. Estas constatações indicam a importância de estudos interdisciplinares com foco na questão da intergeracionalidade, comentou.

Pesquisadora muito focada em seus estudos, Divina revela ainda que a passagem pelo mestrado em Gerontologia na PUC-SP modificou completamente sua vida pessoal e trouxe diversos benefícios para o campo profissional. Agora, enfrenta com paixão os desafios de um doutorado em Psicologia Clínica, também na PUC-SP. Divina elogia ainda a orientação da professora doutora Nadia Dumara Ruiz Silveira, com quem pode contar em diversos momentos delicados, fundamental para o reconhecimento de seu trabalho no meio acadêmico e profissional.

Conheça mais sobre seu percurso no mestrado.

Pesquisa-estimula-troca-de-cartasPortal: Por que decidiu fazer mestrado em gerontologia?

Foram vários fatores. Na maior parte da minha infância e juventude me relacionei com pessoas idosas e me sentia muito bem. Os idosos me compreendiam mais que as pessoas da minha idade. O fato de trabalhar com EJA – Educação de Jovens e Adultos – no SESI foi outro fator, pois, em minha sala de aula, a maioria dos alunos tinha idade bastante avançada, e eu fiquei intrigada por ver tantos idosos em busca da aprendizagem da escrita. Outra coisa que influenciou foi o fato de meu pai ter tido Alzheimer: eu senti que necessitava saber mais sobre essa última fase da vida.

Portal: Como se decidiu pelo seu tema de pesquisa?

O tema foi sendo construído aos poucos e eu me decidi por ele ao longo do mestrado. Os inúmeros textos lidos ajudaram. Acho que a releitura do livro “O Sorriso Etrusco”, em aula (já tinha lido alguns anos antes), me tocou pelo tema sobre os avós. O principal motivo, no entanto, foi o trabalho de trocas de cartas entre meus alunos idosos da EJA e as crianças da minha escola. A ideia inicial era melhorar a leitura e escrita de todos os alunos, porém a experiência caminhou em outra direção. Os colegas de curso me ajudaram a descobrir que eu tinha o tema da pesquisa em mãos, mas só pude ver isso ao compartilhar reflexões com os colegas da Gerontologia na disciplina de Metodologia. Na época não percebia a importância do meu trabalho, mas só depois, ao ver o resultado alcançado e a ressonância do mesmo entre todos os envolvidos, compreendi e valorizei o estudo.

Portal: Que desdobramentos esta pesquisa teve na prática?

A escola, os professores, pais e alunos foram todos tocados pelos resultados do trabalho. De modo geral o trabalho foi reconhecido tanto na academia quanto em relação à sua importância social e educativa.

Portal: O que o mestrado e a pesquisa contribuíram para a sua vida pessoal e profissional?

Nossa! Não tenho como avaliar o crescimento pessoal, sou outra pessoa. Já quanto ao crescimento profissional, posso garantir que sou muito mais sensível e melhorei muito minha forma de trabalhar em todos os segmentos. Além disso, escrevi artigos com esta temática, fui convidada para debates e congressos. Acho que um mestrado sempre abre novas perspectivas no campo profissional.

Portal: Quais são seus próximos passos na vida acadêmica a partir deste mestrado? E na vida profissional?

Bem, já iniciei meu doutoramento em psicologia clínica e estou adorando. No doutorado farei a continuação do mestrado, porém com uma visão psicológica do encontro de gerações. Como queria continuar meus estudos na PUC, tive que mudar de área, lamento não existir doutorado em Gerontologia na PUC-SP. Sei que tenho ainda muito a aprender, mas na psicologia também estudo o envelhecimento. Eu pretendo dar consultoria na área e também quero voltar a dar aulas. Só está faltando oportunidade.

Portal: O que diria para quem está começando a estudar na área?

Aproveite ao máximo cada aula, leia tudo que puder, seja por indicação de professores ou de colegas, seja por curiosidade própria. Vale a pena! Ao final descobrimos que temos muito a aprender e a estudar.

Maiores informações sobre a pesquisa, contatar a autora pelo e-mail: divinafs@bol.com.br

* Maria Lígia Mathias Pagenotto é jornalista e mestre em Gerontologia pela PUC-SP. É membro associado do OLHE – Observatório da Longevidade Humana e Envelhecimento e integra a Equipe Portal. E-mail: mlpagenotto@gmail.com

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2103 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento