Pequenas tarefas diárias podem prolongar a vida

Nova pesquisa mostra que qualquer nível de movimento diminui o risco de morte prematura, por isso pesquisadores recomendam: sente-se menos, mova-se com mais frequência, ou seja, mexa-se mais, pois toda atividade física é benéfica para prolongar a vida.


Pesquisa recente realizada na Noruega por Ulf Ekelund e Thomas Yates revela que grandes quantidades de tempo sedentário, como ficar muito tempo sentado, acima de 9,5 horas por dia, estavam associadas a um risco aumentado de morte, enquanto que os níveis sentados abaixo desse limiar não pareciam estar fortemente ligados a uma diferença de risco. Para Ulf Ekelund, principal autor do estudo realizado, a pesquisa aponta que os níveis de atividade física abaixo dos recomendados ainda são benéficos para a saúde e que a atividade física de intensidade leve ainda conta.

Ulf Ekelund é professor do Departamento de Medicina do Esporte, Escola Norueguesa de Ciências do Esporte, Oslo e do Departamento de Doenças Crônicas e Envelhecimento, do Instituto Norueguês de Saúde Pública, Oslo. E Thomas Yates é professor do Centro de Pesquisa em Diabetes, da Faculdade de Ciências da Vida, da Universidade de Leicester e do NIHR Leicester Biomedical Research Center, da Universidade de Leicester.

Segundo os pesquisadores, uma vez que os comportamentos sedentários e a atividade física parecem estar inter-relacionados, uma campanha simples de saúde pública poderia ser: “sentar-se menos, andar mais e mais frequentemente”.

Ekelund ressalta que, independentemente do grau de intensidade, qualquer tipo de atividade física pode ajudar a melhorar a qualidade de vida das pessoas idosas. De acordo com o pesquisador, “é importante que pessoas mais velhas que não podem fazer atividades moderadas ou intensas se movam e façam atividades de baixa intensidade, uma vez que tem efeitos importantes e é muito benéfica”.

As recomendações atuais de atividade física, incluindo aquelas recentemente atualizadas para os EUA, sugerem que pelo menos 150 minutos por semana de atividade física de intensidade moderada são necessários para manter a saúde e que a sessão prolongada deve ser evitada.

Quanto sentado é demais?

Sabe-se que sentar demais não é bom, mas quanto sentado é demais? Não há um debate amplo a respeito. Ulf Ekelund e Thomas Yates focaram nessas questões, por acreditarem que as respostas às mesmas têm enorme relevância para a promoção da saúde. Combinaram dados de oito estudos dos EUA, Reino Unido e Escandinávia, nos quais mais de 36.000 participantes usaram um sensor de movimento (acelerômetro) em um cinto ao redor da cintura entre quatro e sete dias no total.

Os participantes foram acompanhados por cerca de seis anos, durante os quais mais de 2500 participantes morreram. Dados os desafios em torno do Regulamento Geral de Proteção de Dados com o compartilhamento de dados individuais dos participantes, nem todos os estudos incluídos poderiam ser agrupados. No entanto, os autores de cada estudo incluído re-analisaram seus dados, exatamente com os mesmos critérios, para garantir as medidas de atividade física e comportamento sedentário, os quais foram harmonizados.

Parte dessa análise foi feita a partir do uso de monitores de atividade física, que registravam todos os movimentos dos participantes, como jardinagem, por exemplo. A maioria das evidências anteriores que fundamentam as recomendações atuais de atividade física são derivadas de dados de grandes estudos observacionais, em que as pessoas relatam como são fisicamente ativos (entre outros comportamentos relacionados ao estilo de vida). Infelizmente, a atividade física autodeclarada é propensa a declarações errôneas, porque as pessoas podem considerar seus níveis de atividade física mais altos do que realmente são.

Além disso, lembrar os níveis exatos de atividade física realizados em todos os domínios da vida diária (por exemplo, trabalho, lazer, família) é um desafio para todos. Isso significa que a quantidade exata e a intensidade da atividade física necessária para reduzir o risco de morrer prematuramente ainda é desconhecida.

Os resultados da pesquisa realizada por Ulf Ekelund e Thomas Yates sugerem fortes associações entre a atividade física total e o risco de morrer. Segundo eles, este achado foi independente da intensidade da atividade, significando que aumentar a quantidade total diária de atividade física através de atividade física de intensidade leve ou atividade física moderada a vigorosa contribuiu substancialmente para um menor risco de morte. Os pesquisadores verificaram que pessoas mais velhas e aquelas que não são capazes de serem fisicamente ativas em intensidades mais altas ainda se beneficiarão da movimentação.

Para os pesquisadores, para atividades de intensidade moderada a vigorosa, cerca de 24 minutos por dia (168 minutos por semana) foi associada à maior redução de risco. “Fazer mais do que isso não parece diminuir ainda mais o risco. Isso é notavelmente semelhante ao nível mais baixo de atividade física recomendado pelas diretrizes de atividade física mais recentes dos EUA”, finalizaram os pesquisadores.


Inscrições: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/workshop-mediacao-familiar/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2596 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento