O que temos a ver com a violência cometida contra a pessoa idosa?

Tempo de Leitura: 5 minutos

Janet deixou de ir à igreja e ao clube e vizinhos relatam frequentes gritos vindo da casa dela. Os amigos não interferem porque acham que não é da conta deles e o que eles poderiam fazer? O silêncio dos vizinhos de Janet está na raiz de uma crise para ela e milhões de idosos mundo afora.

Deirdre Lok e Daniel A. Reingold *

o-que-temos-a-ver-com-a-violencia-cometida-contra-a-pessoa-idosaAos 92, Janet, uma professora aposentada, ainda vive no apartamento do Brooklyn que ela e seu marido recém-casados compraram na década de 1950. Mesmo após o falecimento de seu marido há dez anos, Janet ainda era uma presença familiar na comunidade – cantando no coro da igreja e liderando reuniões de um clube de acolchoamento local.

Mas em um verão, Janet descobriu que tinha câncer de mama. Sua única possível cuidadora era sua filha de 55 anos, uma maníaco-depressiva não diagnosticada que muitas vezes se auto medicava com álcool. Pouco depois da filha voltar a morar com Janet, ela começou a se aproveitar do cartão de crédito de sua mãe e da medicação para a dor que o médico havia prescrito para os efeitos colaterais da quimioterapia.

Logo, contas estranhas começaram a chegar na casa de Janet, mas ela, indevidamente medicada, fraca da químio e com a carga psíquica da ira de sua filha, não conseguia abri-las nem saber o que estava ocorrendo.

Janet deixou de ir à igreja e ao clube de acolchoamento e vizinhos relatam frequentes gritos vindo da casa dela. Os amigos não interferem porque acham que não é da conta deles e o que eles poderiam fazer?

O silêncio dos vizinhos de Janet está na raiz de uma crise para ela e milhões de idosos pelo mundo afora.

Pergunte a Nova Iorquinos se apoiam o movimento global de justiça ao idoso e provavelmente dirão que “sim”. Peça-lhes para definir o que significa justiça ao idoso ou como eles podem ajudar, e na maioria das vezes o silêncio será a resposta.

De acordo com a Administração Federal de Vivência em Comunidade, cerca de cinco milhões de idosos são abusados, negligenciados ou explorados todo ano nos Estados Unidos. Este abuso pode ser físico, emocional, financeiro ou até mesmo sexual, e é mais frequentemente uma combinação de tipos e táticas, geralmente cometidos por um membro da família ou amigo de confiança.

O abuso financeiro é particularmente desenfreado, com mais de 2,9 mil milhões de dólares retirados de adultos mais velhos todo ano. Surpreendentemente, um estudo de idosos no Estado de Nova Iorque, de 2011, constatou que apenas um em cada 24 casos de abuso de idosos são relatados para aplicação da lei ou agências de serviços sociais. A maioria das vítimas de abuso sofrem em silêncio, fora da vista da rede de apoio social e de apoio do governo que poderia ser capaz de ajudá-los.

É aí que a justiça ao idoso entra. O movimento de justiça ao idoso começa por reconhecer os vieses sistêmicos que existem e que ajudam o abuso a ser iniciado e florescer sem ser detectado. Quer se trate de pressupostos discriminatórios contra idosos de que idosos não podem indicar abuso de forma confiável ou nosso sistema de saúde que incentiva os procedimentos intervencionistas sobre cuidados preventivos, a falta de apoio para o número crescente de cuidadores informais ou a crença predominante de que a juventude é sinônimo de valor, paradigmas culturais poderosos permitem que o abuso de idosos prospere. Justiça ao idoso significa mudar a conversa em todas essas arenas e defender a mudança.

Cessando a devastação

Justiça ao idoso também significa reconhecer os amplos e graves custos sociais do abuso de idosos. O impacto sobre as próprias vítimas não tem como ser exagerado. As vítimas são quatro vezes mais prováveis de ser admitidas em um lar de idosos, três vezes mais prováveis de ser internadas em um hospital e mais propensas a morrer do que homólogos que não sofreram abuso. Esta devastação continua a ondular para fora. Abuso faz com que as vítimas se tornem mais dependentes de cuidadores, que, consequentemente, experienciam declínios na sua própria saúde física, mental e financeira. A exploração financeira provoca grandes perdas econômicas que vão além da vítima individual para as famílias, as empresas e programas de governo e aumentam a dependência de programas federais como o Medicaid. O Roteiro federal de justiça ao idoso, lançado em 2014, indica que a prevenção do abuso de idosos poderia salvar vidas, manter as pessoas saudáveis e também providenciar grande economia de custos.

Garantir que as vítimas de abuso tenham um lugar seguro para chamar de lar é uma parte crítica do trabalho de justiça ao idoso. No Centro de Prevenção de Abuso ao Idoso Harry e Jeanette Weinberg, na Casa Hebraica em Riverdale, fornecemos abrigo seguro para vítimas de abuso que não estão seguras em suas casas. Uma vez que eles atravessam nossas portas, nos comprometemos a fornecer serviços holísticos centrados na vítima. Isto significa que nossos advogados trabalham com nossos clientes para criar planos jurídicos individualizados com base em suas circunstâncias. Se um cliente é muito frágil para chegar ao tribunal ou sentar-se em bancos duros, nós o ajudamos a comparecer remotamente usando o Acesso da Cidade para o Projeto de Justiça ou lutamos pela aplicação da lei, por advogados e até por juízes que cheguem a eles. Nossos assistentes sociais ajudam os clientes a processar o trauma que viveram e se reconectar com aspectos positivos de suas identidades, bem como garantir que eles estejam ligados aos serviços e ao apoio da comunidade que é tão crucial para viver com segurança e de forma independente. Nossa equipe médica fornece o cuidado coordenado tão crítico para o envelhecimento saudável.

Em 2006, a Organização Mundial de Saúde e da Rede Internacional para a Prevenção do Abuso ao Idoso proclamou 15 de junho como Dia Mundial da Consciência do Abuso de Idosos. Seu objetivo era retirar o abuso de idosos das sombras e para aumentar a sua visibilidade como uma crise de saúde pública. Nos dez anos desde então, temos feito muitos progressos na divulgação do problema do abuso de idosos, mas ainda há muito a ser feito em termos de compreensão e enfrentar as suas causas profundas e multifacetadas e os efeitos de grande alcance.

Justiça ao idoso significa uma mudança de paradigma na forma como nossa cultura vê o envelhecimento, suas recompensas e possibilidades. Justiça ao idoso é verificar a condição de idosos vizinhos, recusando-se a permitir-lhes desaparecer. Justiça ao idoso é a criação de sistemas de apoio para o grande número de cuidadores informais, garantindo que eles tenham os recursos para lidar com o estresse que seus papéis inevitavelmente incluem.

Estes são os enormes objetivos. Apoiar o movimento de justiça ao idoso significa acreditar que eles são atingíveis. Significa reconhecer que eles estão inextricavelmente ligados à luta para acabar com o abuso de idosos. Juntos, podemos acabar com o abuso de idosos.

(*)Deirdre Lok é Diretor Adjunto e Conselheiro Geral para o Centro de Prevenção de Abuso ao Idoso Weinberg, intervenção e pesquisa e membro da Comissão de Amigos da Idade de Nova York e do Grupo de Comissão do Trabalho de Segurança Pública. Daniel A. Reingold

é presidente e CEO da RiverSpring Saúde. Publicado no Blog Urban Health Matters. Tradução livre de Dhara Lucena, colaboradora do Portal do Envelhecimento.

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3746 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento