O poder da mente sobre o corpo é ilimitado

Durante vinte anos, pacientes com sintomas físicos neurológicos chegaram às minhas mãos, mas cuja origem era psicológica. Tentei ajudá-los, trabalhando em conjunto com psiquiatras e psicólogos, em vez de afastá-los de mim, diz a neurologista Suzanne O’Sullivan.

Ima Sanchís (*)


Uma em cada três pessoas que vai ao médico apresenta sintomas sem qualquer explicação médica. Quando esses pacientes chegam ao neurologista, a coisa geralmente é grave. Suzanne O’Sullivan, neurologista, decidiu abordar seu sofrimento e não enviá-los para casa. “Não necessariamente os maiores sofrimentos recebem a maior consideração e compaixão. Existe uma classificação não oficial para as doenças e nela os distúrbios psicossomáticos são os charlatões das aflições, nós zombamos deles. Isso deve mudra”. No seu livro “It’s All in Your Head” (Tudo está em sua cabeça), O’Sullivan passa por seus mais de 20 anos de experiência no tratamento desses sintomas que deixam as pessoas prostradas em cadeiras de rodas ou sofrendo ataques violentos do tipo epiléptico. Seu livro recebeu o prêmio Wellcome Book.

Minha idade me surpreende. Nasci na Irlanda e moro em Londres, onde trabalho no Hospital Nacional de Neurologia e Neurocirurgia. Solteira e sem filhos. Eu acredito na igualdade, um valor que se reflete no acesso à saúde. A espiritualidade é benéfica, mas não acredito na Igreja e não conheço o sentido da vida.

Quando você começou a levar a sério as doenças psicossomáticas?
Na primeira vez que você trata um paciente com uma doença física cujos sintomas não tem explicação médica, você o despacha sem mais, isso não combina comigo, nem sequer o estudamos durante a faculdade.

E o paciente vai para casa sem saber o que acontece?
Sim, o que é muito angustiante. O dia em que conheci Brenda tudo mudou. Ela foi internada na sala de emergência por ataques epilépticos recorrentes, nada detinha os ataques, então eles induziram um coma.

Isso parece muito sério.
Intubada, com respiração assistida … toda vez que se tentava remover a sedação, ela tinha convulsões epilépticas novamente. No quinto dia, a chefe da neurologia retirou sua sedação e nos segurou, sem intervir, em um ataque horrível. “Isso não é epilepsia”, disse ela e a mandou para casa.

Uau.
Durante vinte anos, pacientes com sintomas físicos neurológicos chegaram às minhas mãos, mas cuja origem era psicológica. Desde que eu era chefe de departamento, tentei ajudá-los a trabalhar em conjunto com psiquiatras e psicólogos, em vez de tirá-los de mim.

Por quê?
Desde que conheci Brenda, tratei as pessoas com uma tristeza tão esmagadora e intolerável que, contra toda a lógica, seu subconsciente decidiu deixá-las confinadas em uma cadeira de rodas ou paralisadas com convulsões, em vez de sofrer a angústia que sentiam.

Esmagador.
Sim, o grau de incapacidade que uma doença psicossomática pode gerar é tão grave que é difícil acreditar que a causa seja o subconsciente, e 30% dos meus pacientes o são.

Ainda em cadeira de rodas, mas sem lesão na coluna?
De fato, e pacientes com várias convulsões epilépticas por dia, não um ou dois, mas dez, precisam ser hospitalizados, mas não têm realmente doença cerebral.

O que normalmente é feito com esses pacientes?
Nada, normalmente ficam abandonados. Por isso decidi incorporar psiquiatras e psicólogos à minha equipe e tratá-los de forma interdisciplinar.

Eles não levam a sério?
Não, nem médicos nem sociedade. No caso da epilepsia, 70% dos pacientes que sofrem dela não têm convulsões quando tomam a medicação, mas para esses 30% dos pacientes psicossomáticos a medicação não tem efeito; e enquanto no caso da epilepsia neurológica os ataques duram minutos, no caso deles podem durar horas.

Estamos falando de doenças imaginárias?
Não. Os efeitos são reais, mas é a mente que produz essa ideia de doença.

O que você descobriu?
Isso é muito pior do que uma deficiência física porque você não pode aplicar nenhum tratamento para aliviá-lo. Você tem que fazer um estudo muito completo dessa pessoa.

Quais são geralmente as causas?
Existem centenas de causas, mas em muitos dos casos mais extremos – ataques epilépticos e paralisia – a origem é abuso sexual ou físico, perdas traumáticas ou muita doença na família. Os casos mais leves se devem ao estresse geral da vida: problemas financeiros, com o casal, com as crianças …

E quais são os sintomas?
Os mais comuns são dor de cabeça, dor de estômago, dor nas costas e fadiga. A mente é capaz de reproduzir qualquer tipo de sintoma. Eles podem aparecer em qualquer idade, mas a tendência é em tenra idade ou entre 20 e 30 anos. Em crianças, a dor de estômago está ligada a problemas familiares e de bullying.

Como nos proteger de nossa mente?
Ser resiliente e aceitar a ambiguidade.

O que você descobriu?
Que o poder da mente no corpo é ilimitado: podemos imaginar qualquer tipo de sintoma médico e produzi-lo, e é muito sério subestimá-lo.

Se nossa mente pode nos deixar doentes, também pode nos curar?
Não, mas isso influencia a doença. Existe uma interação muito clara entre mente e corpo. 

Como os casos mais graves reagem ao tratamento psicológico?
Depende da rapidez com que o diagnóstico é feito, mas as pessoas com paralisia são capazes de andar normalmente de novo e, em muitos casos, não é graças ao tratamento psicológico, mas a um fisioterapeuta.

A mente humana é incrível.
Sim, e eu entendi algo essencial: devemos julgar os outros e a nós mesmos menos. Pacientes que sofrem de doenças psicossomáticas sentem-se culpados, mas a realidade é que eles não podem controlar os sintomas, isso nunca é feito expressamente.

Qual caso a tocou mais ou foi mais revelador?
Pacientes que aos 15 anos começaram a ter problemas sem diagnóstico e cujos sintomas estavam em mutação para diferentes partes do corpo: o intestino, o coração …, e quinze anos depois chegam a mim com problemas neurológicos. A medicina deixou uma pessoa abandonada por quinze anos sem parar o processo, isso diz muito pouco sobre medicina.

(*)Ima Sanchís é articulista do Jornal LaVanguardia. Tradução livre por Beltrina Côrte.


Inscrições abertas: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/workshop-a-meditacao-e-o-envelhecimento/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2627 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento