O envelhecer em diferentes partes do mundo

o-envelhecer-em-diferentes-partes-do-mundoA população mundial está envelhecendo. Em todo o mundo, as pessoas estão vivendo mais tempo graças aos avanços na saúde, nutrição e tecnologia. Esta mudança da população traz consigo incríveis possibilidades – mas também um novo conjunto de desafios. O escritor e estudioso Jared Diamond examina as enormes diferenças de como as comunidades em todo o planeta veem e tratam seus cidadãos idosos.

Liz Jacobs *

O escritor e estudioso Jared Diamond (TED Talk: Como as sociedades podem envelhecer melhor) examina as enormes diferenças de como as comunidades em todo o planeta veem e tratam seus cidadãos idosos. Alguns grupos reverenciam e respeitam os seus membros mais velhos, enquanto outros os olham como senis e incompetentes, tornando-os alvo de piadas. Em algumas sociedades, os filhos cuidam de seus pais em casa; em outras, os filhos colocam seus pais em casas onde outras pessoas cuidam deles. Algumas culturas veem seus idosos como um fardo e gasto e optam por abordagens mais violentas para atendimento ao idoso. Aqui está uma amostra de como as pessoas em todo o mundo tratam o pessoal mais velho.

Quem é considerado velho?

A ONU considera que a pessoas começa a ser idosa aos 60, e celebra o Dia Internacional do Idoso em outubro de cada ano para reconhecer as contribuições de idosos para a sociedade. De acordo com Diamond, o valor reconhecido dos idosos é um fator importante para determinar se eles são respeitados ou não. Isto pode ser em função de quem é considerado velho e quando. Nos Estados Unidos, um idoso é definido como alguém que tem 65+. Na Nova Guiné, qualquer pessoa com 50 anos ou mais é considerada “lapun”, ou um “homem velho”. Como Diamond aponta em seu livro, “O Mundo até Ontem”, a lacuna de 15 anos tem amplas implicações, pois os dois grupos tendem a ter diferentes capacidades físicas e mentais em diferentes idades.

Onde é que os idosos vivem?

O ensino confucionista da piedade filial molda as condições de vida dos idosos na Ásia. Cerca de três quartos dos pais japoneses idosos vivem com seus filhos adultos, um padrão replicado na Coreia e China. Lei dos Direitos dos Idosos da China ordena que os filhos visitem seus pais com frequência, não importa o quão longe eles vivem. Se os filhos não obedecerem, eles podem enfrentar multas ou penas de prisão. “Nós educamos nossos filhos a cuidarem de nós quando envelhecemos”, disse um idoso chinês à BBC.

Mas, claro, não é preciso ideais de Confúcio para valorizar o tempo com os idosos. O artigo 207 do Código Civil francês de 2004 exige que os filhos adultos “mantenham contato” com seus pais idosos. A lei foi aprovada, de acordo com um artigo na The Week, em resposta a um estudo que mostrou uma alta taxa de suicídios de idosos na França (e uma onda de calor em que 15.000 pessoas morreram na sua maioria idosos).

Na Índia e no Nepal, a tradição tem sido do casal recém-casado morar com a família do noivo, no que é chamado de arranjo “patrilocal”. Mas de acordo com Pesquisa de Desenvolvimento Humano India da Universidade de Maryland, deslocamento de forças econômicas estão redefinindo os padrões de residência. Como partes do país estão se urbanizando, os filhos estão se mudando para bem distante de seus pais. Os governos indiano e nepalês estão abordando isso, desenvolvendo programas estatais de cuidados a idosos.

Como é que as pessoas descrevem os idosos?

A atitude de uma cultura em relação a idosos muitas vezes se reflete na sua língua. Sufixos honoríficos como “-ji” em hindi adiciona um nível extra de respeito às pessoas importantes – como Mahatma Gandhi, que é muitas vezes referido como Gandhiji. A palavra “mzee” em Kiswahili – falado em muitas partes da África – é um termo usado por falantes mais jovens para comunicar um alto nível de respeito pelos mais velhos. A palavra havaiana “kupuna” significa “anciãos”, com a conotação adicional de conhecimento, experiência e especiais.

No Japão, o sufixo “-san” é usado frequentemente para anciãos e revela profunda veneração da nação para o mais velho. O país detém um Dia Anual do Respeito aos Mais Velhos, em que a mídia divulga várias matérias sobre os cidadãos japoneses idosos. Os japoneses também veem o 60º aniversário de uma pessoa como um grande evento. “Kanreki”, como a celebração é chamada, marca um rito de passagem para a velhice.

Quais alimentos os idosos comem?

Em todo o mundo, Diamond percebe que uma série de sociedades tradicionais reservam determinados alimentos para os idosos. Em Nebraska, apenas os membros idosos dos índios Omaha comem medula óssea – eles acreditam que se os homens jovens comerem eles vão torcer o tornozelo. Da mesma forma, os Iban de Bornéu aconselham que apenas homens velhos comam carne de veado, porque se o jovem sentir o gosto, poderia ficar tímido. Na Sibéria, os Chukchi acreditam que o leite de rena faz homens jovens impotentes e mulheres jovens terem pouco peito, por isso é reservado apenas para as pessoas mais velhas.

Os aborígines Arunta, que vivem perto de Uluru na Austrália, têm fortes tabus alimentares, acreditando que comer determinados alimentos pode levar a uma “série de consequências terríveis para os jovens.” Eles acreditam que comer papagaios criará um buraco na cabeça e queixo de um homem jovem. Se jovens Arunta comerem gato selvagem, desenvolverão feridas dolorosas e mau cheiro em sua cabeça e pescoço. Enquanto isso, as mulheres jovens que comerem as caudas de canguru envelhecerão prematuramente … e ficarão carecas. O consumo de codorna levará ao desenvolvimento atrofiado da mama e, inversamente, ingerir falcões marrons levará os seios a incharem e explodirem, sem produzir leite.

Os idosos têm poderes especiais?

Muitos idosos são respeitados por causa de habilidades altamente especializadas. Por exemplo, avós havaianas são reverenciadas por seu conhecimento único e habilidade em criar colares ornamentados e acessórios de penas. Da mesma forma, uma mulher idosa na Nova Guiné era a única pessoa viva que testemunhou um tufão devastador, então seu povo olhou para ela em busca de orientação sobre que plantas seriam seguras para comer, se outro desastre acontecesse. Sociedades ocidentais também associam a experiência com a idade – a idade média para um presidente dos Estados Unidos é de 54; a idade média para um juiz da Suprema Corte é de 53.

Certas sociedades levam isso ainda mais adiante e atribuem poderes mágicos para os idosos. O povo Huaorani do Equador acredita que os xamãs idosos, chamados de “mengatoi”, são dotados de poderes mágicos. Esses curandeiros idosos sentam com os enfermos para canalizar seus espíritos animais e encontrar uma cura para a doença.

Como é o fim da vida?

Decisões de fim de vida variam drasticamente entre as culturas. Algumas sociedades fazem todo o possível para manter seus idosos vivos; outros grupos veem os membros antigos e frágeis como um fardo e tomam medidas para acabar com suas vidas. Diamond observa que o chamado “eldercide” desses grupos normalmente acontece em comunidades que são nômades ou que vivem em climas ásperos com recursos limitados.

De acordo com um estudo realizado pela American Ethnologist, os Chukchi da Sibéria praticam a morte voluntária, em que um velho solicita morrer na mão de um parente próximo quando ele já não está em boas condições de saúde. E Diamond escreve que os índios Crow nos EUA e tribos nórdicas na Escandinávia seguem práticas similares – os idosos se colocam em uma situação impossível, como fazer uma viagem sozinho para o mar. Os Ache do Paraguai deixam seus homens vagarem e morrerem na “estrada do homem branco”, e – talvez surpreendentemente para alguns – eles matam mulheres idosas, quebrando seus pescoços.

Por outro lado, a ilha grega de Ikaria parece ter magia de prolongar a vida em seu solo, observou o The New York Times. Os moradores desta pequena ilha do Mediterrâneo são quatro vezes mais propensos do que os seus homólogos americanos de viverem até os 90, e vivem, em média, oito a dez anos a mais depois de ser diagnosticado com câncer ou doença cardiovascular. Seus moradores não se apressam com a vida: eles ficam acordados até tarde, comem azeitonas Kalamata, bebem chá de montanha e nadam na água cristalina. A resposta para a longevidade desta ilha, provavelmente, encontra-se em seus hábitos alimentares e estilo de vida descontraído, mas ninguém pode definitivamente explicar a mágica por trás desta ilha de centenários.

* Liz Jacobs – Uma versão desta história foi publicada no Blog do TED em novembro de 2013. Tradução livre de Sofia Lucena. Imagem em destaque por Nithi Anand / CC BY. Acesse Aqui

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2454 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento