Nomadland, envelhecendo na estrada

Tempo de Leitura: 4 minutos

EUA é um país que não tem o menor cuidado com seus velhos. O lado social é quase nulo. Nomadland retrata o não acesso ao sistema de saúde e uma aposentadoria digna.


Nomadland é um filme de verdade estrelado por idosos, que fatura em 2020 o Leão de Ouro em Veneza e certamente estará entre os indicados para o Oscar com Frances McDormand (Oscar de melhor atriz por Fargo). Ela, 63 anos, é entre os 60+ a atriz profissional a conduzir o drama, os demais são verdadeiros nômades, uma legião de baby boomers que aparentemente se recusa a viver preso a uma casa, a um lugar, a uma cidade.

Homeless, para essa gente, não significa a ausência de um teto sobre suas cabeças, significa apenas a ausência de um Zip Code (CEP), pois têm o teto da van e seu endereço é a estrada.

A gente se vê na estrada, é o bordão dessa turma que roda por cinco estados americanos numa imersão profunda no ventre da mãe natureza. Abro um parêntese para chamar a atenção para a imagem do deserto de Nevada, todo salpicado de neve, um gelo de doer a alma, mas de uma beleza sem igual.

Muitas empresas sabem que essa horda vai e volta e mantém estacionamentos próprios ou conveniados para recebê-los com suas vans. Pagam a hospedagem com trabalho, mas acabam fazendo um pé de meia para reformar o carro e seguirem em frente. A gigante Amazon, por exemplo, conta com essa mão de obra sazonal.

Nomadland é o terceiro filme de Chloé Zhao e conta a história de Fern (Frances McDormand), que começa a ser contada a partir da crise de 2008 que quebra grandes fábricas como a AGC (American Gypsum Company) em Empel, Nevada, onde ela e o marido trabalhavam. Uma fábrica com quase 90 anos de história. Sem o trabalho de décadas, o marido cai em depressão e falece e o que ela recebe de ajuda do governo é insuficiente para manter a casa pré-fabricada, a saída é cair na estrada com sua van também velhinha.

Nomades

Não falta quem ofereça um quarto, parentes e amigos, mas Fern não é uma sem-teto como imaginam, sua casa é o carro, e logo ela se junta aos milhares de idosos que vivem da mesma forma e carregam seus dramas estrada afora e deserto a dentro.

Este é um Estados Unidos desconhecido do grande público, pois não é os Estados Unidos das compras, dos parques, dos táxis amarelinhos e das luzes de neon, é os Estados Unidos do deserto, das pedras, dos cenotes, das sequoias-gigantes, das corredeiras, dos bisões.

Um país impressionante que não tem o menor cuidado com seus velhos. O lado social é quase nulo. Nega-se o acesso ao sistema de saúde e uma aposentadoria digna. O que tem de beleza natural, tem de feiura nos escaninhos do poder. Mas o filme não tem esse tom ideológico, apenas retrata a dureza e a beleza como arte. A dificuldade de quem trabalha a vida inteira e no fim se encontra desassistido e vaga a mercê da sorte.

Fern (samambaia em inglês) carrega uma história verdadeira, cruza com outras tantas histórias reais e tem a humildade de revelá-las porque compreende que são todas maiores que a sua.

O filme Nomadland é realmente desse povo que vive na estrada, sem um CEP, mas não sem-teto, pois tem um céu de estrelas sobre suas cabeças que em noite de lua cheia, em torno de uma fogueira, reverencia os deuses atirando pedras para ver as fagulhas subirem para o espaço como sobem as almas dos que ficam pela estrada.  

O filme Nomadland ganhou o Leão de Ouro no Festival de Veneza, foi o mais votado pelo público no Festival de Toronto, além de ganhar como Melhor Filme, Melhor Direção e Melhor Fotografia no Boston Society of Film Critics Awards.

Sinopse

Após o colapso econômico de uma colônia industrial na zona rural de Nevada (EUA), Fern (Frances McDormand) reúne suas coisas em uma van e parte rumo a uma viagem exploratória, fora da sociedade dominante, como uma nômade dos tempos modernos. Nomadland, o terceiro filme de Chloé Zhao, apresenta nômades reais como Linda May, Swankie e Bob Wells como mentores e companheiros de Fern em sua jornada de exploração pela vasta paisagem do oeste americano.
Direção: Chloé Zhao
Elenco: Frances McDormand, David Strathairn, Linda May
Nacionalidade: EUA

Atualizado às 11h10


arte
https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/arte-velhices-fragilizadas/

Mário Lucena

Jornalista, bacharel em Psicologia e editor da Portal Edições, editora do Portal do Envelhecimento. Conheça os livros editados por Mário Lucena.

mariolucena escreveu 66 postsVeja todos os posts de mariolucena