Não podemos deixar os gigantes da tecnologia governarem as cidades

Tempo de Leitura: 5 minutos

Especificamente, uma cidade inteligente acontece quando três redes específicas interagem: a rede de comunicações, o sistema de energia e a chamada “logística de internet” – que pode rastrear as pessoas e as coisas através de sistemas de transporte e de abastecimento. Mas o maior desafio é a democracia. Por esta razão, desde o início, as empresas de tecnologia perceberam que cidade inteligente só pode ser construída com um novo tipo de governo.

Paul Mason *

 

nao-podemos-deixar-os-gigantes-da-tecnologia-governarem-as-cidadesA tecnologia está transformando as cidades globais. Mas precisamos pensar muito sobre quem controla um sistema onde todas as pessoas e coisas são controladas, o tempo todo.

Tem a fábrica de tanques em Pequim que eles transformaram em um complexo de artes. Tem as lanchonetes de café em torno da Praça Tahrir, no Cairo, onde as mulheres vestindo hijab se debruçam sobre seus laptops. Tem pubs em Pittsburgh, esculpidos onde antes havia fábricas e oficinas que fizeram a cidade ser grande.

Em todo o mundo, as cidades estão renascendo. Segundo uma estimativa, cerca de 80% do PIB mundial é gerado nas cidades – impulsionado por uma mistura de urbanização, expansão geográfica e zonas concentradas de inovação. Como resultado, todo um novo mercado se abriu para as chamadas “cidades inteligentes”.

A consultoria de engenharia Arup define a cidade inteligente como aquela em que “as costuras e as estruturas dos vários sistemas urbanos são feitos claros, simples, ágeis e ainda maleáveis”, utilizando da tecnologia e design. Especificamente, uma cidade inteligente acontece quando três redes específicas interagem: a rede de comunicações, o sistema de energia e a chamada “logística de internet” – que pode rastrear as pessoas e as coisas através de sistemas de transporte e de abastecimento.

Mas há um problema: quem controla o projeto e quem possui os dados que ele gera?

Vivemos numa época em que o software do seu supermercado sabe quem você é baseado em suas escolhas de compra; em que o seu provedor de e-mail pode enviar-lhe anúncios correspondentes às palavras-chave em suas mensagens supostamente privadas. Mas essas questões causadas por cidades inteligentes vão além da privacidade – elas questionam problemas de democracia e controle.

Mais de 2,5 bilhões de pessoas, em sua maioria moradores urbanos, voluntariamente usam um dispositivo de rastreamento – o seu smartphone. Pode dizer-lhe o café mais próximo, pedir um táxi e até mesmo encontrar um parceiro sexual em potencial nas proximidades, pois ele sabe onde você está. Alugue uma bicicleta e o sistema de transportes da cidade sabe onde começou e onde vai terminar seu trajeto. Os problemas de privacidade aqui são tratados limitando o fluxo de dados entre os setores público e privado, e fazendo do indivíduo o centro do fluxo de informações.

Mas em uma cidade inteligente, você precisa que os dados fluam livremente pelos setores que, no mundo comercial, normalmente seriam separados. O sistema de energia precisa saber o que o sistema de transporte está fazendo. E a coisa toda precisa ser executada como um “jogo de Deus”: o governo da cidade, não o indivíduo, deve exercer o controle.

Por esta razão, desde o início, as empresas de tecnologia perceberam que cidade inteligente só pode ser construída com um novo tipo de governo. Você teria que executar toda a cidade como um sistema integrado, em que cada alteração registrada reconfigura a atividade em outros lugares – por isso, um incidente de trânsito no ponto A pode redirecionar temporariamente ônibus, redesenhar ciclovias e enviar o transporte público adicional para os subúrbios afetados. Agora, em todas as conferências, prefeitos e líderes municipais estão sendo bombardeados com jogadas de marketing para as tecnologias de cidade inteligente.

Os riscos são óbvios para qualquer pessoa familiarizada com a história da grande computação. A primeira é a obsolescência – em que o software de uma empresa gigante, no jargão do setor, “molda como massa de vidraceiro, define como concreto” em torno de sistemas existentes, impedindo uma maior inovação e extraindo um monte de receitas no processo.

Uma vez que você evitou isso, há o perigo de “lock in”: 20 a 40 anos de contratos assinados com um provedor de TI cujo código você não tem permissão para ver, e que começa a utilizar todos os dados gerados livremente pelos cidadãos. No pior dos casos, este bloqueia menores, empresas de informação mais inovadoras e congela todas as tentativas de tornar os dados da cidade de código aberto, gratuito e compartilhável.

Mas o maior desafio é a democracia. Arup aponta que a execução de uma cidade inteligente com estruturas cidade-governamentais de hoje seria como uma livraria local tentando governar Amazon. Como resultado, a campanha de marketing para cidades inteligentes vem com um sinal obrigatório para instruir soluções e envolvimento da comunidade.

Mas há uma maneira mais radical para fazer isso, e está em um documento de consulta ordenado pelo novo governo de esquerda de Madrid. Em vez de ver a cidade como um “sistema”, a ser automatizado e controlado, a visão que está sendo moldada na capital espanhola é da cidade como um “ecossistema” de diversificadas, competidoras e descontroladas redes humanas. Em vez de perguntar: qual dos sistemas e redes da cidade queremos automatizar e conectar, a prefeita apoiada por “Podemos”, Manuela Carmena, perguntou para conselheiros: quais são os problemas sociais que queremos que a tecnologia resolva?

nao-podemos-deixar-os-gigantes-da-tecnologia-governarem-as-cidadesO resultado foi a visão de uma “cidade inteligente não-neoliberal”, que incorpora três princípios não muito bem-vindos no mundo da tecnologia de empresas de alta rentabilidade: abertura, participação democrática e uma política clara de que os dados gerados a partir de serviços públicos devem ser de propriedade pública. Carmena foi aconselhada: “Ao invés de financiar os sistemas proprietários com dinheiro público, apoiar sim tecnologias colaborativas de código aberto”. Em vez de começar com o sistema de transportes, a primeira implantação de uma nova tecnologia deve permitir que os cidadãos “questionem corrupção, equidade na distribuição de recursos e a questão do acesso ao poder”.

Como resultado do envolvimento precoce de Madrid com o conceito de cidades inteligentes, existe na Espanha – quase exclusivamente no mundo desenvolvido – um verdadeiro debate sobre o que queremos que a tecnologia faça para as cidades, e quem deve controlar a tecnologia.

Cidades inteligentes representam um verdadeiro e potencialmente novo enorme mercado para o setor privado, dando vida econômica às estruturas e padrões de cidades antigas. Mas se confrontados com os governos locais sonolentos e desinformados, os resultados vão ser sistemas caóticos e rígidos, e uma erosão da democracia. Se o movimento é gerar um novo vigor e visão, os governos municipais devem deixar de ser bodes expiatórios para os gigantes de TI e começar a pensar, a partir dos primeiros princípios, como a tecnologia seria se ela servisse o povo.

(*)Paul Mason é editor de economia da Channel 4 News. Acesse Aqui

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3807 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento