Médicos Sem Fronteiras relatam o horror dos lares de idosos da Espanha na pandemia

Tempo de Leitura: 7 minutos

Os Médicos Sem Fronteiras apontam “graves problemas” no modelo de gestão e coordenação entre as organizações gestoras e as autoridades, que levaram ao “abandono” dos idosos e à “falta de proteção” dos funcionários. O relatório também reúne testemunhos que refletem a angústia vivida nos lares de idosos mais atingidos pela pandemia.

María Sosa Troya (*)


A ONG Médicos Sem Fronteiras interveio nesses lares durante o pior da crise. Apoiou na concepção de protocolos de setorização (para separar os infectados e seus contatos dos demais) ou no uso de equipamentos de proteção individual; constatou que “encaminhamentos hospitalares não eram priorizados” e que os lares de idosos “eram forçados a cuidar de quem, apesar de sua boa vontade, não estava preparado. Ximena Di Lollo, responsável pela resposta nas residências de MSF, destaca que a falta de treinamento para o uso dos equipamentos de proteção individual, bem como a demora e a escassez com que chegaram, foi “uma das grandes falhas”. A ONG aponta “graves problemas” no modelo de gestão e coordenação entre as organizações gestoras e as autoridades, que levaram ao “abandono” dos idosos e à “falta de proteção” dos funcionários que os cuidavam e aponta que as “baixas da mão-de-obra não foram substituídas no ritmo adequado”. O documento também reúne testemunhos que refletem a angústia vivida nos lares de idosos mais atingidos pela pandemia

A ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF), uma organização humanitária internacional que leva cuidados de saúde a pessoas afetadas por graves crises humanitárias mas que também tem como missão chamar a atenção para as dificuldades enfrentadas pelas pessoas atendidas em seus projetos, expõe as situações “desumanas” que foram vividas em 486 residenciais de idosos durante os primeiros meses da pandemia e coleta depoimentos assustadores dos trabalhadores.

Os Médicos Sem Fronteiras alertam que o risco de os idosos que vivem em residências serem infectados não diminuiu. Num relatório publicado recentemente, eles recolhem a sua experiência durante os primeiros meses da pandemia em 486 residenciais da Espanha, principalmente de seis comunidades autônomas, embora com intervenções específicas até em 10 deles. Conclui que os lares de idosos, que são centros sociais, e não centros de saúde, não foram preparados para a epidemia. Criticam que a “falta de coordenação institucional e falta de liderança” das Administrações esqueceram os idosos: “Falhou o atendimento efetivo do sistema de saúde”. Afirmam que “manter os doentes em espaços fechados e sem atenção médica adequada multiplicou as infecções, acelerou a mortalidade e produziu situações indignas e desumanas” e criticam o “isolamento de ferro” a que foram submetidos os residentes. Os Médicos Sem Fronteiras também indicam que “a alta taxa de mortalidade” nas residências revela que “boa parte das dificuldades estava ligada a deficiências estruturais, assim como a precarização do emprego e cortes no setor”.

Os dados oficiais ainda não foram publicados, mas o Ministério da Saúde da Espanha estimou cerca de 19.000 idosos que morreram de Covid-19 durante os primeiros meses da pandemia em lares de idosos. A ONG Médicos Sem Fronteiras interveio nesses lares durante o pior da crise. Apoiou na concepção de protocolos de setorização (para separar os infectados e seus contatos dos demais) ou no uso de equipamentos de proteção individual; constatou que “encaminhamentos hospitalares não eram priorizados” e que os lares de idosos “eram forçados a cuidar de quem, apesar de sua boa vontade, não estava preparado. Ximena Di Lollo, responsável pela resposta nas residências de MSF, destaca que a falta de treinamento para o uso dos equipamentos de proteção individual, bem como a demora e a escassez com que chegaram, foi “uma das grandes falhas”. A ONG aponta “graves problemas” no modelo de gestão e coordenação entre as organizações gestoras e as autoridades, que levaram ao “abandono” dos idosos e à “falta de proteção” dos funcionários que os cuidavam e aponta que as “baixas da mão-de-obra não foram substituídas no ritmo adequado”. O documento também reúne testemunhos que refletem a angústia vivida nos lares de idosos mais atingidos pela pandemia. Segue alguns trechos:

“Não injetei sedação nela e ela acabou se recuperando”

Natalia dirige uma pequena residência para idosos, particular. Segundo o relato, ela desatou a chorar ao relatar sua experiência: “Um dia a equipe de cuidados paliativos que foi enviada do serviço de saúde chegou e deu a primeira injeção de sedação em um dos residentes que estava gravemente grave e não tínhamos podido encaminhar para o hospital. Antes de partir, deixaram mais duas injeções carregadas para eu dar de acordo com os prazos que indicaram. Eu olhei para as injeções e sabia que não poderia fazer isso, não importa o quão simples eles dissessem que era. Não foi por causa da injeção em si, mas pelo que significava. Ninguém me preparou para uma situação dessas, muito menos para eu fazer. Nunca dei as injeções em ninguém e o fato é que Ana acabou se recuperando e ainda a temos aqui conosco. Ela está muito velha e muito fraca, mas ainda está lá. Tivemos outros casos que foram sedados pela equipe de cuidados paliativos para evitar sofrimento; talvez fossem muitos, não sabemos. Mas deixar para nós a responsabilidade de fazer isso é algo que eu jamais teria superado se tivesse feito.”

“Eles bateram nas portas e imploraram para sair”

Andrés, um chefe dos bombeiros que liderava o trabalho de desinfecção com os Médicos Sem Fronteiras, contou sobre o alívio nos lares e idosos quando explicou que o trabalho de limpeza nas paredes, pisos ou camas era feito por eles: “Mas o medo de mover as pessoas persistia, com todos os seus pertences, de um lugar para o outro, para deixar áreas limpas [sem positivos] e sujas [com pessoas com coronavírus]. Muitas vezes preferiram que os idosos, enquanto não houvesse resultados confiáveis ​​dos testes, fossem trancados em seus quartos, em vez de reagrupá-los em zonas, por medo de perder o controle e que todo o prédio ficasse contaminado. O resultado foi terrível: uma sucessão de portas fechadas, às vezes trancadas, e pessoas batendo e implorando para sair. Um horror”.

Uma residente isolada no quarto “deixou de comer e morreu”

Carmen, diretora de uma pequena residência familiar, explica sobre o confinamento dos quartos: “Imediatamente vimos que havia moradores que não iam aguentar. Eugenia, por exemplo, deixou de comer e se mover; ela passava horas olhando pela janela. Outros moradores reclamaram e tentaram sair dos quartos, e a verdade é que tem sido muito doloroso mantê-los trancados. No caso de Eugenia, eu temia que ela se deixasse morrer e comecei a sair com ela todos os dias por um tempo, para ver se ela recuperava sua vontade. E ela começou a comer, começou a melhorar, até que um dia veio o pessoal da saúde bem na hora em que íamos sair e eles me falaram que eu era inconsequente, pois estava colocando todo mundo em perigo. Não tive escolha a não ser devolvê-la ao quarto; eles me fizeram sentir muito mal. Ela parou de comer novamente e em poucos dias morreu. Não estou dizendo que ela não morreria de qualquer maneira, mas tenho certeza de que ela não queria passar por isso. Quando a equipe da saúde voltou e eu disse a eles que ela havia morrido por tê-la trancado novamente, eles me disseram: “Não nos diga isso”. Eles ficaram bastante emocionados. A mesma coisa aconteceu com todos nós. Ficamos com tanto medo do vírus que não pensamos em outra coisa senão isolar o máximo possível, sem pensar no que isso significava para cada um deles eles”.

“A ambulância não veio e eles morreram”

Luisa, uma assistente social de uma residência que os Médicos Sem Fronteiras visitou em quatro ocasiões: “A gente ligava para o hospital de referência e eles diziam: ‘Sinto muito, hoje só podemos admitir uma pessoa de um asilo, você escolhe’. Mesmo assim, a ambulância não vinha buscar e eles morreram em poucas horas ou dias”.

“Estou emendando há dois dias, não aguento mais”

Magdalena é enfermeira e é responsável por uma pequena residência rural: “Estou trabalhando há dois dias direto, porque não tem mais ninguém que possa cuidar dos moradores que não me deixam mandar para o hospital, e eu não aguento mais. Ontem um morreu e esta noite vai morrer outro se eu não ficar, mas tenho que descansar para poder continuar administrando tudo isso: metade da equipe está fora, os familiares ligam sem parar e há muitos protocolos a implementar. Aqui é muito difícil contratar pessoal de saúde, ninguém quer vir trabalhar em um lugar tão remoto. Consegui outra amiga enfermeira para me ajudar, mas o hospital reivindicou todos os que estavam nas listas de empregos e fiquei sozinha novamente. O prefeito está procurando, mas eu já disse que ele só vai encontrar gente e voluntários para a limpeza, nada para a saúde. Liguei para toda a província. No hospital eles montaram uma equipe para a covid-19 para as residências, mas são três pessoas e eles não passaram por aqui. Eu também não acho que eles farão muito. Imagino que, como nesta residência, muitos casos serão encontrados e eles não prescreverão encaminhamentos, mas pelo menos poderiam me orientar com os tratamentos e procedimentos. Vou ficar esta noite, é claro, e tudo o mais que for necessário. Afinal, eu sou enfermeira, isso é vocacional, ainda mais quando você trabalha com pessoas mais velhas. Mas aqui sozinha não posso fazer muito. Mesmo se eu ficar, eles vão continuar morrendo”.

Soluções contra os surtos

Os Médicos Sem Fronteiras apontam em seu relatório a necessidade de planos de contingência facilmente adaptáveis ​​aos lares de idosos (os lares da Espanha já devem ter um). Nas suas conclusões, preconiza a melhoria do sistema de coleta de dados, para dar “maior atenção orçamental e formativa” e que os lares tenham reservas estratégicas de equipamento de proteção individual. Coloca especial ênfase na necessidade de alcançar um “equilíbrio entre isolamento, quarentena e convivência” dos idosos nos lares, que na primeira onda do vírus sofreram “medidas severas de isolamento, por vezes indiscriminadas”, que tiveram consequências graves para os idosos. E pedem que haja uma “certa flexibilidade na ocupação dos lares”, para poder zoneá-los quando necessário. Dado que uma das principais deficiências que a organização encontrou nos lares de idosos foi a falta de capacidade de prevenção e controle de infecções, considera aconselhável criar em cada residencial a figura de um responsável nesta matéria.

(*)María Sosa Troya – redatora do jornal El País, Madrid. Reportagem publicada em 18 de agosto de 2020. Tradução livre de Beltrina Côrte. Foto de destaque: divulgação MSF.


centro dia

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3360 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento