Matriarca das mulheres motoqueiras, Gloria Tramontin Struck, 89 anos

Ela tem andado de motocicleta desde que ela era uma menina em Clifton (EUA). Hoje, avó de três netos e bisavó de dois, continua na estrada, e é considerada a “matriarca das mulheres motoqueiras”, pois está entre os membros mais velhos da Motor Maids, a primeira organização de motociclismo para mulheres. Ela vê o motociclismo como o que a mantêm alerta enquanto envelhece.

Julie Jacobs *

 

matriarca-das-mulheres-motoqueiras-gloria-tramontin-struck-89-anosAos 89 anos, Gloria Tramontin Struck, avó de três netos e bisavó de dois, não diminuiu a velocidade. Na verdade, ela ainda está ganhando velocidade, principalmente em sua motocicleta Harley-Davidson.

“Todo mundo em todo o país, a primeira coisa que dizem é: ‘Você é uma inspiração. Você está me influindo”, diz Struck, que tem dirigido em duas rodas desde que tinha 16 anos.

“As pessoas pensam …, ‘Oh, quando você chega a uma certa idade, você assiste TV e se senta lá e costura, e sua vida se foi'”, diz ela. “Santo Deus! Se você soubesse quantas metas eu tenho!”

Struck tem longo cabelo cinza-prata e, na ocasião da entrevista em sua casa em Clifton (EUA), ela o tinha amarrado em um rabo de cavalo. Estava com olhos brilhantes e enérgicos, vestida confortavelmente em jeans e uma Blusa azul claro da Motor Maids.

Em setembro de 2015, Gloria Struck montou sua motocicleta Harley-Davidson em direção à Flórida, onde os amigos estavam participando de um evento de motos pelo país. Aliás, chamada de “matriarca das mulheres motoqueiras,” Struck está entre os membros mais velhos da Motor Maids, a primeira organização de motociclismo para as mulheres, e ela é destaque no documentário de 2013 “Why We Ride”.

Atualmente Struck não dirige sozinha. Ela é acompanhada por sua filha, Lori DeSilva, e ainda participará em reuniões de motocicleta em todo os Estados Unidos e Canadá. As duas têm andado por todo o país, desde a Flórida até Dakota do Sul para a Califórnia, encontrando-se com velhos amigos, como os Irmãos Doobie ‘Pat Simmons e sua esposa, Cris, que entrevistou Struck para seu livro de 2009, “As mulheres americanas motoqueiras – 1900 -1950. “Artista David Uhl, um outro amigo, pintou um retrato de Struck encostada em uma Harley-Davidson; colocado com destaque em sua sala de estar.

Struck estima que já percorreu cerca de 650 mil milhas em todo o mundo e foi sempre proprietária de duas ou três motos de cada vez. Hoje, ela dirige principalmente uma turquesa cerceta Harley Heritage Softail Classic. Ao longo dos anos, ela já teve 14 motos (três Indians e 11 Harleys). Sua primeira foi uma Indian Scout Pony. Admite orgulhosamente ter comprado motocicletas de ações, inclinando-se para motos com um front-end pesado, que ela diz ser melhor para longa distância, que é o seu modo preferido de motociclismo.

matriarca-das-mulheres-motoqueiras-gloria-tramontin-struck-89-anosMesmo seu falecido marido, Len, não conseguia acompanhá-la, em termos de motocicletas, montando apenas duas vezes com ela durante seu casamento de 56 anos: pela primeira vez para Michigan em 1972 e na segunda para o Canadá em 1995, para visitar um colega da Motor Maids. Ela o ridicularizava, porque ele ia de van, e ela de moto, lembra. “Então ele montou na minha outra moto, e quando voltamos, ele disse, “Não me peça para ir de moto de novo!”

Struck ri muito e tem uma memória afiada, falando dos anos de seus muitos tours e também sobre o número de milhas percorridos. Ela recupera de seu armário uma jaqueta jeans decorada com remendos dos países europeus em que ela visitou de moto com seu filho, Glenn, quando ela tinha 74 anos e, novamente, quando ela tinha 76. Eles percorreram mais de 6.500 milhas no total e conseguiram ir para o Passo dello Stelvio no norte da Itália, uma estrada íngreme e traiçoeira, cheia de curvas nos Alpes. Sua mais longa jornada, 7.450 milhas pelo país e volta, foi em 2003.

Álbuns de fotografias cheios de imagens e recortes também contam a história de Struck, que começou com seu nascimento em 1925 em um apartamento atrás da loja de motos de sua família, na Lexington Avenue em Clifton. Depois que seu pai, Ernest, morreu, quando ela tinha 3 anos (ele foi atropelado por um carro enquanto andava de moto), sua mãe, Pierina, administrou o negócio nos anos 30 e 40. Seu irmão, Arthur, apelidado de “Bub”, em seguida, assumiu o controle. Depois de sua morte em setembro, seus filhos assumiram a loja, que Struck diz que empregou cada membro da família em um momento ou outro. O negócio, agora localizado em Hope, vai celebrar o seu 100º aniversário este ano.

Embora rodeada de motocicletas quando criança, Struck inicialmente não tinha inclinação para motociclismo e protestou quando Bub disse que ela deveria começar a fazer esse esporte. “Quando eu tinha 10 anos, meu irmão me levou em sua moto para dar uma volta em torno do quarteirão, um quarteirão muito pequeno, e essa foi a única vez que eu montei em uma motocicleta”, diz Struck, acrescentando que ela era muito quieta e tímida quando criança. “Então, você sabe, quando ele me disse que ia me ensinar a dirigir uma, não aceitei. Quer dizer, eu estava chorando!”

matriarca-das-mulheres-motoqueiras-gloria-tramontin-struck-89-anosMas acabou consentindo e, embora ainda não totalmente encantada com motocicletas, ocasionalmente pegava emprestado na loja da família e aventurava-se localmente sozinha. Logo, ela começou a amar motociclismo, andar com mais frequência e mais longe. Infelizmente, ela teve que lidar por um bom período com o preconceito da sociedade em relação a motoqueiras do sexo feminino. Ela se lembra que foi negada de ser atendida em postos de gasolina e motéis, relutantes em servi-la.

“Claro, eu fiquei com raiva”, diz ela sobre essas recusas. Em seguida, acrescenta com uma risada, “Eu não era o tipo de pessoa que xinga, mas eu acho que xinguei!”

Em 1946, Struck juntou-se ao Motor Maids e, desde então, tem aproveitado a camaradagem de outras mulheres que compartilham de seu amor por motos. Ela diz que há mais mulheres motoqueiras do que nunca hoje e que os fabricantes de motocicletas estão projetando motos mais adequados para as mulheres, com guidão mais próximos, por exemplo.

Struck teve algumas situações apertadas na estrada, tendo como uma consequência uma cicatriz acima do olho esquerdo, mas diz que nunca fez muito mal e sempre voltou rápido para a moto. Ela vê o motociclismo como o que a mantêm alerta enquanto envelhece.

“Você tem que se concentrar no que você está fazendo. Você tem que se concentrar no que todo mundo está fazendo. Você tem que ter olhos atrás de você, do seu lado, na sua frente.”

Quanto a como esses passeios a fazem se sentir, ela diz simplesmente: “Eles limpam sua mente … É ser livre.”

Quando Struck comemorar seu 90º aniversário, em julho de 2016, ela estará em uma convenção de motocicletas no Canadá, rodeada de amigos e fãs que, segundo ela, querem que ela “siga em frente e eu estou tentando”.

Tendo tido o que ela descreve como “uma vida emocionante e aventureira”, até agora, ela planeja continuar andando sobre duas rodas – nunca três – até que ela chegue aos 100.

* Julie Jacobs para Inside Jersey em 16 de março de 2015. Tradução livre por Sofia Lucena. Fonte: Acesse Aqui. Fotos de Amanda Brown, Michael Lichter e Acervo pessoal.

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2312 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento