Isolamento, solidão e o desafio de pensar a longevidade

Aqueles que são mais velhos hoje não imaginam ou têm modelos para se inspirar na longevidade, uma vez que seus pais e avós provavelmente viveram menos do que eles. Como idealizar uma longevidade sem ter modelos?

Por Diego Bernardini (*)

 

Em seu livro “Diario del anciano averiado” (em tradução livre “Diário de um velho danificado”), o pensador catalão Salvador Paniker (Barcelona, 1927-2017) afirma: “Minha irmã vai fazer oitenta anos. Envia uma carta padrão convidando para uma pequena comemoração. O número, oitenta anos me impressiona um pouco. Nenhum de nossos pais alcançou essa idade… Minha irmã, aquela garota esperta que, na década de 1940, dirigia seu carro, quando quase não havia carros e quase nenhuma mulher dirigia, aquela garota ousada e estudiosa que tinha bastante sucesso com homens, oitenta anos de idade. Inédito, normal “.

Salvador, quem visitei em sua casa em Peñalbes, em Barcelona, em 2016, mostrou algo que, talvez por ser tão óbvio, é negligenciado.

Os mais velhos de hoje são a primeira geração que atinge massivamente uma longevidade impensável. Eles são a primeira geração a envelhecer sem estarem preparados para isso, pelo que isso significa. Isso nos confronta com uma realidade que tem nuances positivas, mas também algumas negativas. Isso é o que trata a nova longevidade.

Na Argentina, segundo pesquisa, de 2012, do Ministério do Desenvolvimento Social, 20% dos idosos vivem em domicílios unipessoais, isto é, sozinhos, enquanto outros 30% vivem em domicílios unigeracionais, o que é interpretado vivendo com seu parceiro. No México, 12% das mulheres e 9,2% dos homens mais velhos vivem sozinhos ou sós em lares unipessoais, o que pode significar que estão em situação de vulnerabilidade ante qualquer emergência ou necessidade. Na Espanha, cerca de quatro milhões e meio de pessoas estão morando sozinhas e o número não para de crescer, o que corresponde a uma em cada quatro casas. Destes mais de quatro milhões de pessoas, quase a metade tem 65 anos ou mais e 70% são mulheres.

No entanto, e embora pareça uma situação penosa, torna-se imperativo, em face de sua compreensão e ação, diferenciar alguns aspectos dessa situação que poderiam ser incluídos no fenômeno da solidão.

Por um lado, há a pessoa que em toda sua vida viveu só (ou quis estar só). Essas pessoas desfrutaram de sua solidão e espera-se que na velhice elas também decidam estar sós. Decisão que, claro, deve ser respeitada.

Por outro lado, há aquelas pessoas que, devido às circunstâncias da vida, tiveram que ficar sozinhas, mesmo sem desejar por isso. A solidão indesejada é o verdadeiro fenômeno que hoje nos traz como efeito negativo a nova longevidade; especialmente nas grandes cidades, onde o anonimato parece estar coberto pela intensidade e agitação da cidade grande.

Existem dois outros fenômenos intercorrentes em relação a essa “solidão”, desejada ou não. De um lado, o fenômeno de morar só. Tem pessoas que podem viver sozinhas, desejando ou não, mas que não têm por que sentir solidão. São duas coisas totalmente diferentes. Certamente, se eu lhe pedir para se lembrar, ela conhecerá alguém que, embora more só, está perfeitamente conectada ao seu ambiente social.

Este último ponto é o que quero enfatizar agora: o isolamento. Essa situação geralmente está relacionada ao ambiente social e é quase uma condição para que ocorra a “solidão indesejada”. E o problema é que isso está aumentando.

Por exemplo: desde os anos 80, o número de americanos que afirmam estar sozinhos dobrou de 20 para 40%. Além disso, aqueles que sofrem de problemas de saúde tendem a ser aqueles que dizem se sentir solitários.

Sabemos também que a aposentadoria em muitos casos acelera o isolamento, algo que geralmente é mais marcado em pessoas com baixo nível de qualificação ou escolaridade e em mulheres.

Em sua terceira edição, o Dicionário da Royal Academy define o isolamento como desamparo e incomunicação, algo que nestes tempos de hipercomunicação parece contraditório. Apesar disso, há cada vez mais pessoas como a irmã de Paniker, que decidiu comemorar seus oitenta anos cercada de afetos, algo que certamente seja mais frequente de ver e viver … ou como dizia Salvador, inédito, normal. Embora em outros casos não seja assim.

(*) Diego Bernardini é médico, especialista em atendimento a idosos e envelhecimento. Tradução livre do texto “Del aislamiento, la soledad y el desafío de pensar una nueva longevidad“, publicado em Buena Vibra, Espanha. É autor do espaço Nueva Longevidad em Buena Vibra, e autor do livro “De Vuelta”.

 

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2420 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento