Intercâmbio na terceira idade, uma realidade que está aí e veio para ficar

Quem, um dia, imaginou que a procura por intercâmbio na terceira idade pudesse se tornar uma realidade dos novos tempos? É isso, um efeito que vem crescendo nos últimos cinco anos. Segundo informações da grande imprensa, só no primeiro semestre de 2011, o STB, empresa especializada em turismo jovem e educação internacional, notou um crescimento de 45% na busca deste público por programas internacionais.

 

 

Intercambio-na-terceira-idade-uma-realidade-que-esta-ai-e-veio-para-ficarO diretor de marketing da empresa, Samuel Lloyd, afirma que o crescimento é maior que o do mercado geral de câmbio, que avançou 25% no mesmo período. Mas, quais as diferenças do intercâmbio tradicional, sonho de diversos jovens, para um intercâmbio de senhores e senhoras que, aparentemente, estão descansando em suas casas ou cuidando e preparando as refeições de netinhos e netinhas saídos esfomeados da escola?

Segundo Lloyd, o que diferencia o intercâmbio convencional para estudantes e o intercâmbio para terceira idade é a intenção do público. Diferentemente dos estudantes que fazem intercâmbio para aperfeiçoar o currículo, o público da terceira idade, em sua maioria, já tem uma vida profissional resolvida e o intercâmbio é feito pelo puro prazer em aprender, seja uma língua nova ou uma culinária típica do país visitado.

Marcelo Albuquerque, diretor da IE Intercâmbio, diz que o intercâmbio tem valor cultural maior que uma viagem tradicional e por este motivo o público da terceira idade está cada vez mais procurando este tipo de programa. “Nos programas de intercâmbio as pessoas se conhecem e têm atividades agregadas, geralmente típicas do local, como o tango na Argentina, uma degustação de vinhos na Itália ou até mesmo curso de culinária”.

De fato, o mundo se abriu para um público que anteriormente não via perspectivas além do espaço em que morava e dos locais (sempre os mesmos) que visitava. É claro que a internet com suas redes sociais beneficiaram este cenário. Um mundo com vida entrando pela telinha, com pessoas reais que falam, trocam experiências e até compartilham angústias e desejos. É muita tentação; culturas diferentes, ali, sentidas como muito próximas, quase se podendo tocá-las. Por que não transformar tudo isto em realidade?

Segundo Samuel Lloyd, por não ter uma obrigação de enriquecer o currículo profissional, este público procura aprender outras línguas menos comuns, como italiano, francês ou alemão, por exemplo. “Eles querem curtir a vida de maneira diferente depois dos 50 anos, aprender por gosto e pelo simples prazer de aprender”.

Passamos a vida invadidos por obrigações e deveres a cumprir. Fazer ou aprender coisas por puro prazer é direito que, com a correria e as cobranças do dia a dia, nos fizeram esquecer que jogar conversa fora, ter papo cabeça, visitar lugares inusitados e rever velhos amigos e nos permitir simplesmente olhar para o nada e ver tudo, é uma delícia, um desfrute sem palavras. E quem precisaria delas?

Para quem deseja, pelo menos, um pouquinho, ter seus dias de “Shiley Valentine” (Comédia de 1989, direção de Lewis Gilbert), atenção para os preços que podem variar de acordo com o que o cliente procura. Um pacote de 15 dias para destinos da América do Sul, por exemplo, pode custar em média R$ 5 mil com acomodação e passagem.

Segundo Marcelo Albuquerque, a IE vende em média mil intercâmbios por ano para pessoas com idade acima dos 50 anos e geralmente aposentados. Ele afirma que esse público já representa 5% da carteira de clientes e em 2008 não chegava a 2%.

Já no STB, esclarece a reportagem, um intercâmbio para Itália, com duração de 2 semanas, com atividades como aulas de culinária, degustação de vinho e aulas de italiano, sai por 1.218 euros mais R$ 288 de taxa de matrícula. Para participar do intercâmbio a idade mínima é de 50 anos.

Resta economizar, planejar o roteiro, fazer sua escolha, arrumar uma boa companhia ou não, e se encher da decidida personagem do filme “Shirley Valentine”. Para os homens, também vale esta figura feminina extraordinária, corajosa, destemida, sonho de todos nós. Bem…quem sabe na próxima vida, hein!

Referências

GILBERT, L. (1989). Shirley Valentine. [Filme-DVD]. Inglaterra/EUA. Paramount Pictures.

IMAGEM (2011). Intercâmbio para terceira idade Disponível Aqui. Acesso em 18/11/2011.

INFOMONEY (2011). Procura por intercâmbio na terceira idade cresce 45% no primeiro semestre de 2011. Disponível Aqui. Acesso em 09/11/2011.

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2532 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento