Inglaterra: sociedade fraturada e com desigualdades na saúde aumentando

Tempo de Leitura: 4 minutos

O governo precisa investir na área social, aquela que nos une presencialmente, se quisermos viver melhor e por mais tempo novamente, diz David Brindle, da Inglaterra. O que dizer do Brasil, com desigualdades tamanhas, desmonte dos serviços sociais e sociedade totalmente fraturada!

David Brindle (*)


“A Inglaterra perdeu uma década”, afirmou Michael Marmot recentemente, ao apresentar sua revisão de 10 anos de sua análise de 2010 sobre as desigualdades na saúde. “Eu tenho evidências para apoiar essa afirmação”, acrescentou. E ele certamente tinha. De uma expectativa de vida estagnada – piorando para as mulheres mais pobres – a um número crescente de crianças vivendo na pobreza, o professor da University College London e especialista incomparável em pesquisas sobre desigualdades disparou uma bateria de dados que mostram como a Inglaterra se polarizou mais na saúde em uma década. É “altamente provável” que as políticas de austeridade sejam a principal causa, concluiu ele, enquanto no resto do Reino Unido “os danos à saúde e ao bem-estar são igualmente sem precedentes”.

Menos notório, mas igualmente preocupante, foi a divulgação de um relatório na semana passada pelo Office for National Statistics, sugerindo que estamos nos tornando uma sociedade mais fraturada: temos menos “envolvimento positivo” com os vizinhos, trocando favores ou parando para conversar, e admitimos que estamos perdendo nosso senso de pertencer a um bairro; estamos fazendo menos para ajudar pessoas idosas ou deficientes na comunidade e até para ajudar nossos próprios pais ou filhos adultos; estamos nos inscrevendo em menos clubes e sociedades, em vez disso, fazemos networking online a partir do isolamento de nossas salas de estar. Entre 25 medidores de “capital social”, muitos indicadores-chave estão assustadoramente reduzidos.

O que pode ser feito para reverter essas crescentes desigualdades em saúde e a aparente perda de nossa dimensão social (Não digital)? Que tal, para começar, estabelecer um centro nacional onde ativistas de algumas das comunidades mais pobres pudessem adquirir confiança e habilidades para ajudar seus vizinhos a combater a exclusão social, financeira e ambiental?

Por acaso, esse centro foi inaugurado em 1995. Mais de 4.000 pessoas já frequentaram Trafford Hall, perto de Chester, e se beneficiaram de seus cursos residenciais, levando de volta aos seus conjuntos habitacionais os meios para desafiar a autoridade e – no jargão – empoderar seus amigos e vizinhos. Mas há 12 meses o centro fechou subitamente, vítima de problemas de fluxo de caixa provocados por cortes de austeridade nos orçamentos de agências habitacionais e instituições de caridade que financiavam os treinamentos. Os 25 funcionários, que também realizaram outros eventos geradores de receita na antiga casa de campo do século XVIII, foram despedidos.

Trafford Hall é um emblema da história dos serviços públicos nos últimos 30 anos: concebido no final dos anos 80 na sede de política social da London School of Economics, e tornado real em grande parte pela força e determinação de Anne Power, chefe da Grupo de pesquisa LSE Housing and Communities, prosperou sob os governos Blair e Brown Labour, mas também se beneficiou do apoio corporativo e de caridade. O arquiteto Richard Rogers era um apoiador comprometido desde o início, o príncipe Charles abriu portas importantes e realizou a cerimônia de abertura, enquanto o Grand Metropolitan (hoje Diageo) comprou a casa e os construtores da John Laing a converteram a preço de custo.

Pungentemente, um dos últimos eventos do setor imobiliário realizado em Trafford Hall antes de seu fechamento foi organizado para refletir sobre as lições do incêndio de Grenfell em 2017 e para alimentar o inquérito público sobre a tragédia. Uma de suas conclusões foi: “Os inquilinos têm direito a voz na segurança, manutenção e condições gerais de seus blocos. Eles geralmente sabem mais do que os funcionários sobre quem mora lá e sobre trabalhos anteriores, pois costumam ter mais tempo que os funcionários da casa.”

Ouvir a voz dos 9 milhões de inquilinos sociais do Reino Unido será uma mensagem central e duradoura do inquérito. E em Trafford Hall, os ministros têm uma oportunidade singular e simbólica de demonstrar que pretendem não apenas ouvir, mas ajudar a articular e ampliar essa voz enquanto, ao mesmo tempo, constrói capital social e combate às desigualdades. O National Communities Resource Center, a instituição de caridade por trás do Trafford Hall, espera reabri-lo nesta primavera. Ainda está arrecadando fundos e estima-se que esteja faltando cerca de £70.000 do que é necessário em primeira instância, mas o governo poderia facilitar o processo imensamente, prometendo apoio. No início dos anos 90, um governo conservador entrou em contato para ajudar a cobrir os custos de instalação em Trafford Hall. Hoje, não esperamos menos de seus sucessores.

(*) David Brindle é editor de serviços públicos do The Guardian. Tradução livre de Sofia Lucena.


Esta oficina focará na adaptação aos dispositivos e recursos para gestão de um negócio (redes sociais, planilhas de excel, CRM (Gestão de relacionamento com Cliente), vídeo conferências, etc). Inscrições abertas: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/oficina-tecnologias-para-o-empreendedor/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3430 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento