A “inauguração” da velhice: reflexão de uma expectadora

Tempo de Leitura: 3 minutos

A maioria dos pacientes que passam pelas avaliações saem falando da satisfação e sentem-se agradecidos pela atenção especializada que lhe foi oferecida, mas também é perceptível a estranheza que algumas questões geram em alguns idosos. Afinal, idoso é sempre o outro e a resposta para estas perguntas, frequentemente são “Não, não estou tão velho assim”. Após o checkup preventivo, é perceptível, por vezes, ver o desnorteio por ter sido colocado frente a frente com questões trazidas pelo envelhecimento e apresentá-lo a possibilidades de uma velhice frágil.

Gabriela Goldstein *

 

a-inauguracao-da-velhice-reflexao-de-uma-expectadoraEnvelhecer é um processo comum a todos os seres vivos. Sabemos que ele começa logo após o nascimento e alguns autores defendem que ele se inicia antes disso. Conceitualmente a velhice é a última etapa da vida. Socialmente, no Brasil, a velhice se inicia aos 60 anos mas quando a “inauguramos” é algo muito individual. Ouvimos alguns relatos a respeito deste momento, por exemplo, quando se dá entrada na aposentadoria, ou que os filhos começam a sair de casa, quando nasce um neto, quando se completa 60 anos e muitas outras situações que podem inaugurar em nós a nossa “velhice”.

Quando foi a sua? Quando será a minha? Está relacionado à idade ou aos cabelos brancos? Ou a dor nos joelhos?

Apesar de ser um momento particular e estar relacionado com as nossas próprias vivências e experiências, tenho tido a oportunidade de participar, mesmo não sendo previamente convidada, para algumas “inaugurações”. Faço isso através da minha prática profissional diária.

O sistema de saúde no Brasil vem evoluindo muito no que diz respeito ao olhar diferenciado à população 60+. Talvez estejamos atrasados frente a velocidade em que nosso país envelhece, mas é fato que estamos caminhando no sentido de tentar oferecer a assistência mais qualificada possível a esta população que apresenta necessidades tão específicas.

Dentro deste contexto, nos serviços especializados, lançamos mão de diversas ferramentas de avaliação que visam rastrear fragilidades em estágios iniciais, com o objetivo de revertê-las, retardá-las ou amenizá-las. Não pretendemos agir apenas quando o paciente já está adoecido. Agimos também na prevenção.

Avaliamos aqueles que não apresentam queixas de saúde, com a percepção de autoeficácia elevada e é nestes pacientes que, algumas vezes, temos a sensação de inaugurar a velhice. À estes pacientes apresentamos possibilidades, situações que podem ser esperadas porque ele “passou dos 60, dos 70 anos”… Mas que ele desconhecia quase que completamente antes de realizar a sua avaliação em saúde.

É aquele famoso “idoso ativo”, engajado em questões políticas, que trabalha, paga suas contas, cuida de sua casa e de sua família. O idoso praticante de atividade física, com um bom círculo de amizade e uma vida social repleta de reuniões com amigos, festas de família e viagens.

a-inauguracao-da-velhice-reflexao-de-uma-expectadoraCom o objetivo de auxiliá-lo a manter-se assim pelo máximo de tempo possível, nós avaliamos sua funcionalidade com questionários validados, compostos por questões do tipo: “Você perde urina sem querer?”. “Quantas quedas você sofreu este ano?”. Ou “Você está engasgando quando se alimenta?”. “Consegue subir e descer degraus sem dificuldade?”. “Tem dificuldade para passar de sentado para em pé?”. Todos estes questionamentos são pertinentes e rastreiam condições antes que se tornem um problema de saúde importante e, isso é, sem dúvida, uma evolução na área da saúde.

A maioria dos pacientes que passam pelas avaliações saem falando da satisfação e sentem-se agradecidos pela atenção especializada que lhe foi oferecida, mas também é perceptível a estranheza que algumas questões geram em alguns idosos. Afinal, idoso é sempre o outro e a resposta para estas perguntas, frequentemente são “Não, não estou tão velho assim”.

Após este checkup preventivo, ao deixar o consultório, é perceptível a satisfação do cliente que se sente realmente atendido e ouvido, e por vezes, é perceptível também, seu desnorteio por ter sido colocado frente a frente com questões trazidas pelo envelhecimento e apresentá-lo a possibilidades de uma velhice frágil.

* Gabriela Goldstein – Fisioterapeuta da Unidade de Referência em Saúde do idoso (URSI) OSACSC – PMSP. Mestre em Ciências pela USP, especialista em Gerontologia Social pela PUC SP. Email: gabriela.correia@gmail.com.

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2717 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento