Idosos mais velhos lidaram melhor com o estresse pandêmico do que os jovens

Tempo de Leitura: 2 minutos

Estudo recente norte-americano descobriu que a idade é um fator para certas vantagens na experiência emocional ao lidar com o estresse induzido por uma pandemia, lançando luz sobre questões teóricas sobre as diferenças de idade na experiência emocional em tempos de estresse.

Por Ajla Basic (*)


A pandemia resultou em um nível sem precedentes de estresse, especialmente em idosos mais velhos que enfrentavam um risco elevado de contrair o vírus. Embora a maioria, senão toda, a população tenha sido afetada de alguma forma, o impacto do COVID pode não ter sido homogêneo. Um estudo recente descobriu que a idade é um fator para certas vantagens na experiência emocional ao lidar com o estresse induzido por uma pandemia. No estudo, os pesquisadores da Universidade de Stanford entrevistaram 945 americanos em todo o país com idades entre 18 e 76 anos para medir a frequência e intensidade da gama de emoções positivas e negativas, lançando luz sobre questões teóricas sobre as diferenças de idade na experiência emocional em tempos de estresse.

As primeiras evidências já sugeriram que a experiência emocional diária de idosos é mais positiva do que a de pessoas mais jovens, e que a satisfação com a vida tende a aumentar da meia-idade para o fim da vida. O estudo de Stanford buscou entender melhor essas descobertas dentro do contexto único da pandemia. Além do bem-estar emocional, as percepções subjetivas das pessoas sobre tempo foram medidas, bem como o risco percebido, o efeito sobre o emprego, a saúde subjetiva e a personalidade.

O estudo estendeu pesquisas anteriores sobre idade e emoção. Curiosamente, a idade permaneceu um preditor significativo de emoções, mesmo quando era adicionado saúde, raça, morar sozinho, traços de personalidade e status de emprego no modelo. As evidências mostraram que os idosos têm melhores níveis de bem-estar emocional em comparação com os mais jovens, mesmo diante da pandemia.

Uma teoria é de que talvez os idosos apenas evitassem os estressores do COVID-19 e, portanto, tinham níveis percebidos de risco mais baixos. No entanto, os resultados revelaram que a vantagem relativa da idade não pode ser explicada pela negação do risco; participantes mais velhos tiveram maior percepção de risco do que participantes mais jovens, e até monitoraram as notícias do COVID-19 mais de perto do que os adultos mais jovens, sugerindo assim mais exposição ao estresse.

Esta é uma evidência promissora de que os idosos podem aprimorar a resiliência emocional, mesmo em face de ameaças persistentes e terríveis ao bem-estar.

Leia mais
Carstensen LL, Shavit YZ, and Barnes JT. Age Advantages in Emotional Experience Persist Even Under Threat From the COVID-19 Pandemic. Psychological Science (2020); 31(11): 1374-1385.

(*) Ajla Basic escreve para o Mather Institute. Artigo publicado no dia 26 de abril de 2021. Tradução livre por Sofia Lucena.

Foto destaque de Kat Jayne/Pexels


https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/escuta-psicogerontologica/

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3793 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento