HIV / Aids se espalha entre a população idosa da China

Cada vez mais a população idosa chinesa está sendo infectada porque os idosos não têm consciência dos métodos de proteção e não sabem muito sobre a Aids. 

 

As taxas de HIV e Aids estão aumentando entre os idosos chineses por dois motivos: a falta de compreensão sobre sexo seguro e a relutância em discutir esse tópico com os médicos. A informação é de uma agência de notícias online de Shanghai.

O jornal Thepaper.cn cita que segundo o Centro de Prevenção e Controle de Doenças de Hangzhou “Cada vez mais pessoas idosas estão sendo infectadas”, e que “O maior motivo é que os idosos não têm consciência dos métodos de proteção e não sabem muito sobre a Aids. Eles não estão acostumados a usar preservativos e ficam desconfortáveis ​​para abordar o assunto com os médicos ”.

A equipe médica do centro disse que, quanto mais cedo o vírus fosse detectado, melhores as perspectivas de tratamento, mas os idosos eram mais propensos a relatar a doença em um estágio posterior e por isso tinham um risco maior de morrer de HIV / Aids.

O Centro de Prevenção e Controle de Doenças de Hangzhou pediu às pessoas que realizassem um teste de Aids se alguma vez tiveram um caso extraconjugal, ou acham que seus parceiros o tiveram.

O relatório disse que o maior aumento na infecção foi entre homens chineses com 60 anos ou mais, com o número de novos casos de HIV / Aids subindo 136% em cinco anos, de 8.391 em 2012 para 19.815 em 2017.

Em setembro, as autoridades chinesas disseram que até o momento o número de casos de HIV aumentou 14% em todo o país comparado com 2017. Segundo dados do governo mais de 100.000 novas infecções são registradas na China todos os anos, a maioria tendo como causa o sexo desprotegido e não transfusões de sangue, que são outra importante fonte de infecção pelo HIV.

Em Hangzhou, na província de Zhejiang, leste da China, os casos de Aids entre os idosos aumentaram pela metade em três anos, segundo o relatório.

Enquanto os jovens respondiam pela maioria dos 4.413 casos de HIV / Aids da província, a população idosa se destacou pelo seu número crescente de infecções.

Mais homens idosos foram infectados por casos extraconjugais, embora o sexo entre homens também tenha sido um fator importante. De acordo com o relatório, as mulheres idosas tinham maior probabilidade de contrair a doença através de seus maridos e parceiros homens.

Uma mulher de Hangzhou com 60 anos e viúva por uma década disse que soube que era HIV positiva quando um tumor foi encontrado em seu útero durante um exame médico. Ela contraiu o vírus fazendo sexo com um homem que já tinha tido relações com prostitutas.

Segundo dados do governo, estima-se que mais de 820.000 pessoas na China tenham HIV / Aids, e embora não exista cura a doença pode ser tratada com medicação anti-retroviral.

Estigma

Embora o vírus tenha entrado no continente pela primeira vez em 1982, ele ainda carrega um enorme estigma na sociedade chinesa por causa de sua associação com a comunidade LGBT. Os alvos da discriminação podem incluir membros da família, empregadores e até profissionais da área médica, mesmo que a lei chinesa considere tais práticas ilegais.

O vírus também voltou ao noticiário nesta semana com o cientista chinês He Jiankui, alegando que ele e uma equipe de pesquisadores editaram os genes de meninas gêmeas que nasceram de um pai soropositivo.

Ele disse que seu objetivo era adicionar uma característica que poucas pessoas naturalmente tinham – uma capacidade de resistir à infecção pelo HIV. Mas os críticos dizem que as mudanças no DNA podem passar para as gerações futuras, colocando em risco outros genes.

Carolina Lucena

Carolina Lucena

Graduada em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Colabora com artigos sobre o envelhecimento populacional mundial e traduções.

carolinalucena escreveu 6 postsVeja todos os posts de carolinalucena