Fondue de chocolate e etiqueta à mesa com Paulo Freire

Tempo de Leitura: 7 minutos

Queijo, chocolate, pão e vinho compõem este delicioso prato, fondue, especial para este inverno, e além disso combatem os efeitos negativos do envelhecimento.


Nossa postagem para vocês que nos acompanham no Blog Sabor & Saber, será uma sugestão à mesa, de preferência com companhia, com uma deliciosa Fondue de Chocolate. Muitas pessoas acham que a Fondue deve ser preparada apenas no inverno, posso até concordar porque o clima é mais convidativo, mas quebro essa regra, preparando também no verão. A Fondue de chocolate poderá ser servida em chás da tarde, encontros com amigos e familiares a noite com uma taça de vinho ou a qualquer hora… Imagine só se chocolate cremoso e frutas não serão sempre muito bem-vindos?!

A Fondue (fundida) é um prato originalmente à base de queijo aquecido sobre uma lamparina, também conhecida como espiriteira ou réchaud, ou outra fonte de calor pouco intenso e do qual as pessoas se servem diretamente. É originária dos Alpes Suíços e foi inventada durante os frios invernos alpinos, quando as montanhas e os vales ficavam cobertos pela neve e as pequenas vilas isoladas e o abastecimento de alimento fresco não era possível. Daí os produtos mais comuns eram os queijos, o pão e o vinho. Assim eles derretiam pedaços de queijos e comiam com pão. A palavra fondue é de origem francesa “fondre” (sim, a palavra é feminina) que significa derreter.

A tradicional receita de fondue suíço tem o nome da região onde foi criada Neuchâtel e usa os queijos gruyère e emmental. Porém, outras regiões da Suíça usam seus próprios queijos e vinhos. Ingredientes como: presunto, ovos e tomates eram também adicionados, foi como a fondue se espalhou pelos países vizinhos, possibilitando outras variações.

Recentemente se descobriu que os queijos suíços têm propriedades anti-inflamatórias. Trata-se de uma bactéria que foi encontrada na fermentação de queijos suíços, como o Emmental, e pode diminuir os processos inflamatórios no organismo e aumentar a imunidade, retardando assim os efeitos negativos do envelhecimento.

Mas voltando à história, por volta do final do século XVIII, a fondue chegou à França, porém começou a ser diferenciada com mistura de ovos, manteiga, sal, pimenta e sempre acompanhada de vinho. Hoje, no Brasil, principalmente na região Sul, há diversas casas e restaurantes especializados em variedades de Fondue.

O mais importante é aproveitar a fondue para uma boa conversa, quem sabe recordar, mostrando fotos de boas ocasiões, viagens, momentos mais íntimos com o amor da sua vida e, na brincadeira, até trocar algumas experiências aprendendo a degustá-lo com uma boa taça de vinho.

Outro estudo, publicado no periódico científico BMC Cell Biology, mostra que o polifenol resveratrol, um componente do chocolate amargo e do vinho tinto, pode ajudar no processo de renovação celular, ajudando também a combater os efeitos estressantes do envelhecimento e trazendo benefícios à saúde à nós, seres inacabados.

Precisamos ser educados, até na mesa

Quando trato desse tema em aula ou escritas, gosto de citar Paulo Freire (2001) quando nos coloca o homem como um ser curioso, aprendiz e inacabado, não importa a idade que tenha. Ele chama a atenção para a importância do inacabamento humano, quando diz: “gosto de ser gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir mais além dele. (…) Não haveria educação se o homem fosse um ser acabado” (p. 27).

Homens e Mulheres tornam-se educáveis na medida em que se reconhecem que são inacabados” (Paulo Freire).

Segundo Paulo Freire, o homem é o único ser que tem consciência do seu inacabamento e é justamente por possuir consciência de tal inacabamento que o diferencia dos demais seres. Aproveito para convidar também o Prof. Ruy César do Espirito Santo (2017), que fez parte de minhas bancas de mestrado e doutorado na PUC-SP, que me escreveu o seguinte: diferente dos animais, o homem precisa ser educado; ele é um ser em busca da essência, formada pelo sentido de ser, de pertencer e de fazer. O “fazer humano” é distinto de outros seres vivos, eis que, somente o ser humano não nasce “pronto”, precisa ser educado. Um animal vai fazer seus ninhos e tocas sem precisar de educação.

Citar professores como Paulo Freire, Ruy Cesar do Espirito Santo, para uma educadora é ver-se como um ser humano que precisa se observar com relação ao seu autoconhecimento e ter consciência de si mesmo, tanto da sua inconclusão quanto dos condicionamentos de sua forma de existir em sociedade, hoje num olhar positivo de encontro com o outro em torno de uma mesa, muito além apenas do prazer de comer, mas desfrutando de alimentos saudáveis (orgânicos).

Lembro que quando escolhemos nossos alimentos e temos consciência de nossa escolha, nos perguntamos: De onde vem esse alimento? Como foram plantados e cuidados até chegar em nosso prato? Esses questionamentos e consciência farão toda diferença, principalmente para sua saúde e sua velhice saudável. Valorizo pequenos agricultores locais em minha cidade, procuro conhecê-los, aprender com eles e valorizá-los. Isso faz parte de um mundo mais humanizado e de um ser consciente.

É nessa curiosidade que os encontros de Fondue acompanhados de etiqueta à mesa são muito divertidos, marcantes e inesquecíveis! Todos presentes (independente da idade, repito) são protagonistas do início ao fim do encontro. Momentos de partilha e amor ao outro são revelados e tocantes!

Dicas de etiqueta à mesa para o Cerimonial de fondue

Esperamos que em breve possamos receber amigos e familiares, e para não passarmos mais tempo com os preparativos do que com os amigos, a melhor opção para não ficar preso na cozinha é presentear os seus convidados com uma aromática fondue, além de ser deliciosa é um prato flexível com várias possibilidades de preparo e ingredientes.

As fondues são fantásticas: não prendem o anfitrião muito tempo na cozinha, podem e devem ser preparadas com antecedência, proporcionando um convívio único. Os convidados sentam-se em torno da mesa, eles mesmos preparam sua refeição ou sobremesa e apreciam o aroma da fondue e dos acompanhamentos.

Dicas
A mesa deverá estar montada com toalha, pratos de sobremesa, uma tábua de madeira ou vidro para apoiar o réchaud, talheres de mesa e o garfo longo de fondue. Taças de água, vinho ou suco. Não esquecer guardanapos e velas.

Uma das regras chave é não levar o garfo longo à boca. Ele irá várias vezes dentro do caquelon (panela que acompanha o aparelho) onde todos os convidados estarão se servindo também, mergulhando suas frutas. Você levará à boca o outro garfo de serviço tradicional que estará à esquerda do prato, na mesa montada.

Prepare antes a fondue no micro-ondas ou fogão convencional, depois de pronta, leve-a para a mesa no réchaud. Você desfrutará melhor sua recepção.

A utilização do creme de leite na fondue doce e salgada garante uma autonomia de uso e cremosidade brilhante. Essa dica é válida para os molhos preparados com antecedência, evitando contratempos.

As frutas devem ser higienizadas, cortadas e cobertas com papel filme e mantidas na geladeira até o momento de servir. A fruta gelada adere melhor ao chocolate.

As frutas como maçã, pera e banana, ao serem cortadas, devem passar pelo suco de limão e depois serem cobertas com papel filme plástico para não escurecerem.

Utilize uma superfície resistente ao calor para colocar réchaud (a panela) e a lamparina (Madeira ou vidro temperado).

O segredo para qualquer receita de Fondue é o correto controle da chama para o réchaud, assim: chama alta para receitas líquidas (exemplo para vegetais) e chama baixa para receitas cremosas (queijos, chocolates)

Um réchaud é indicado para servir quatro pessoas. Os garfos normalmente têm duas pontas, são compridos e no cabo têm identificação de cores ou números, para individualizar na hora de servir.

Acompanhe sempre a fondue com champanhe ou vinhos!

Fondue de chocolate: combine sempre com vinhos doces

A escolha mais clássica para essa harmonização são os vinhos do porto, que sempre vão muito bem com o sabor do chocolate. Para harmonizar você também pode optar pelo branco doce ou tinto licoroso.

Fondue de chocolate

Ingredientes
200 g de chocolate meio amargo;
200 g de chocolate ao leite.
1 lata de creme de leite com soro
1 taça de vinho de sua preferência ou 50ml do licor do sabor desejado
Se não beber álcool a opção é substituir por suco natural de fruta

Importante: Utilizar chocolate nobre de qualidade!

Modo de Preparo
Derreta o chocolate, no micro-ondas na potência média (50%) por 2 min; mexa e coloque mais 1 minuto o chocolate; misture muito bem, repetir o processo mexendo a cada um minuto até ficar cremoso.

Junte o creme de leite e o vinho (ou licor), mexa continuamente até tornar-se um creme brilhante;

Se necessário coloque mais um minuto no micro-ondas.

Na hora de servir, despeje no réchaud; se quiser, acenda com chama fraca para mantê-lo aquecido. Sirva com frutas (orgânicas) bem higienizadas e geladinhas.

Dica: A receita da Fondue de Chocolate meio amargo com vinho pode ser preparada com chocolate branco, ao leite, ou misturando os dois e utilizando suco de frutas e creme de leite.

Fondue de chocolate alternativo
Algumas pessoas tem restrições alimentares, como intolerância à lactose ou quem não consome produtos de origem animal (veganos).

Essa opção atende pessoas de todo mundo que também gostam de rituais diferenciados à mesa.

Ingredientes
200g de chocolate sem leite – 70% cacau
2 xícaras de chá de leite vegetal (amêndoas, castanhas várias etc)
4 colheres de sopa de cacau em pó
4 colheres de sopa de melado de cana
Raspas de laranja ou tangerina
Opcional a gosto açúcar de coco

Modo de Preparo

  • Coloque o chocolate uma panela em banho-maria e mexa até derreter, ou no micro-ondas de 1 em 1 minuto, mexendo até derreter;
  • Misture o leite vegetal, raspas de laranja, o cacau em pó e o melado;
  • Quando a mistura estiver homogênea, transfira para o recipiente de fondue;
  • Sirva com frutas higienizadas e picadas.

Obs.: Quem tiver interesse e mais detalhes assim como Fondue com queijos, poderá obter vídeo com passo a passo completo no site www.tabula.com.br. Ou pelo site da escola www.saboresabergastronomia.com.br

Referências
TOMAZONI, A.M.R. Educar com Alimentos. São Paulo: Oficina do Livro, 2017.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2000.
FREIRE, P. Educação e mudança. 24. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.
ESPIRITO SANTO, R.C. Teses e Dissertações na Academia – em busca da essênci . ed. Curitiba- PR: Appris, 2017

Atualizado em: 05/07/2020 às 10h45


Reflexão sobre os conceitos do que está acontecendo no mundo de hoje, as transformações que estamos vivendo e a possibilidade de futuros próximos, baseados no livro “As 21 Lições do SEC XXI” de Yuval Harari, pensador da era contemporânea. Propomos que possamos refletir pós pandemia com enfoque no Brasil. Inscrições abertas em: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/workshop-online-possibilidades-de-futuros-proximos-baseado-nas-21-licoes-do-sec-xxi-de-yuval-harari/

Ana Maria Ruiz Tomazoni

Ana Maria Ruiz Tomazoni

Ana Maria Ruiz Tomazoni - Doutora em Educação (PUC-SP), Mestre em Gerontologia Social (PUC-SP) e Pós-Graduada em Hotelaria e Eventos pelo Senac SP. É fundadora e Diretora Pedagógica da Escola de Gastronomia Sabor & Saber. Atua como docente, educadora alimentar, pesquisadora, escritora e palestrante. É avó de 7 netos e uma eterna aprendiz. E-mail: amrtomazoni@gmail.com. Site: www.saboresabergastronomia.com.br. Facebook Sabor & Saber Gastronomia. Instagram: saboresabergastronomia

anatomazoni escreveu 4 postsVeja todos os posts de anatomazoni