Falar de síndromes geriátricas é falar da história da geriatria como especialidade médica

As síndromes geriátricas são a manifestação de muitas doenças em pessoas idosas, mas elas também podem ser a origem de muitos outros problemas. Falar delas é falar da história da geriatria em si.

Dra. Liliana Vargas Rodríguez (*)


A Geriatria nasceu como consequência da identificação de particularidades do idoso doente, e essas particularidades refletem-se, de maneira prática, nas síndromes geriátricas.

As síndromes geriátricas são, por definição, um conjunto de sintomas geralmente originados pela conjunção de doenças com alta prevalência em idosos e que frequentemente supõem a origem da incapacidade funcional ou social na população. Trata-se da manifestação (sintomas) de muitas doenças, mas elas também podem ser a origem de muitos outros problemas que devemos levar em conta desde sua detecção, a fim de estabelecer uma boa prevenção dos mesmos.

Eles são considerados os “gigantes” da geriatria e seu conhecimento é essencial para realizar uma avaliação geriátrica correta.

As síndromes geriátricas são:

Instabilidade e quedas

Úlceras por pressão

Depressão, ansiedade e insônia

Hipotermia e desidratação

Constipação

Desnutrição

Privação sensorial: diminuição auditiva e visual

Comprometimento cognitivo: demência e síndrome confusional aguda

Fragilidade social

Embora sejam heterogêneas, essas síndromes compartilham muitas características comuns. Elas são frequentes em adultos mais velhos, especialmente em idosos frágeis. Seu impacto na qualidade de vida e incapacidade é substancial. Os múltiplos fatores subjacentes, que envolvem vários sistemas de órgãos, tendem a contribuir e a definir as síndromes geriátricas.

Frequentemente, a queixa primária não representa a condição patológica específica subjacente à mudança no estado de saúde. Em alguns casos, os dois processos podem envolver órgãos diferentes e distantes, com uma desconexão entre o local da lesão fisiológica subjacente e o sintoma clínico resultante. Por exemplo, quando uma infecção envolvendo o trato urinário precipita o delirium, é a função neural alterada na forma de mudanças cognitivas e comportamentais que permitem o diagnóstico de delirium e determina muitos desfechos funcionais.

O fato dessas síndromes envolverem sistemas de órgãos e ultrapassarem os limites da disciplina médica, juntamente com sua natureza multifatorial, questiona as formas tradicionais de compreender o cuidado clínico e as tarefas de pesquisa.

Algumas das principais síndromes são as seguintes:

Síndrome confusional aguda

A síndrome confusional aguda (SCA), também conhecida como delirium, é uma síndrome clínica transitória e reversível, caracterizada por alteração da atenção, nível de consciência e disfunção cognitiva, início agudo e curso flutuante. Ocorre, frequentemente, dentro da estrutura de um processo de doença agudo e não pode ser explicado apenas pela existência ou desenvolvimento de uma demência.

Demência

A demência é uma síndrome adquirida, caracterizada pela deterioração persistente das funções cognitivas, estado mental e comportamento social, não causada por um delirium, e que interfere nas atividades da vida diária e no trabalho ou atividade social.

Depressão

É uma das síndromes geriátricas mais frequentes e incapacitantes. Isso altera muito a qualidade de vida do doente e, além disso, está associado a altos custos sociais e de saúde.

Polifarmácia

Cerca de 80% dos idosos têm uma doença crônica, como hipertensão, diabetes, osteoartrite, insuficiência cardíaca, etc. Além disso, muitos desses pacientes apresentam várias doenças simultaneamente, o que leva a um alto consumo de drogas.

Desnutrição

Faz parte das grandes síndromes geriátricas e é um fator de fragilidade. Não só é uma patologia em si, mas sua presença está associada ao aumento da mortalidade e incapacidade, uma maior frequência de quedas e fraturas ou o agravamento da deterioração cognitiva. Além disso, está associado a um retardo na cicatrização e recuperação após a cirurgia, prolonga a permanência hospitalar e aumenta a frequência de readmissões e o índice de institucionalização após a alta hospitalar.

Insônia

O sono repousante é essencial para uma vida saudável. Diversos fatores podem contribuir para os distúrbios do sono no idoso: mudanças associadas ao envelhecimento, fatores psicossociais como aposentadoria, doença, morte de um familiar ou alterações no ritmo circadiano, entre outros. Os distúrbios do sono aumentam a morbimortalidade e diminuem a qualidade de vida dos pacientes, geralmente, subdiagnosticados.

Disfagia

É definida como a dificuldade para a passagem do bolo alimentar da boca para o esôfago inferior. É relativamente comum entre a população geral, e sua prevalência aumenta com a idade, comprometendo o estado nutricional e aumentando o risco de pneumonia por aspiração com deterioração da qualidade de vida. As repercussões da disfagia não são apenas físicas, mas também emocionais, afetando o humor do paciente e podem levar ao isolamento social.

Fragilidade

Ela cobre uma gama de sintomas e sinais, agindo como uma síndrome clínica e também considerada como um continuum que começa com uma perda de reservas fisiológicas do corpo, o suficiente para causar um princípio de comprometimento funcional (fragilidade pré-clínica). Se isso progredir, pode levar o indivíduo a uma situação de vulnerabilidade, levando subsequentemente à incapacidade e dependência.

Incontinência

Está incluída nas síndromes geriátricas devido a sua alta prevalência e seu potencial para originar diferentes formas de incapacidade em idosos, sendo fundamental a intervenção. Não faz parte do envelhecimento normal, embora mudanças relacionadas à idade possam contribuir para sua aparência. Isso prejudica a qualidade de vida do paciente e também causa uma alta comorbidade com altos custos econômicos.

Finalmente, vale destacar que a compreensão destas síndromes não deve ser apenas feita por especialistas em geriatria, mas deve estender-se de forma multidisciplinar para outras especialidades médicas que tratam de pessoas idosas, como enfermagem, psicologia ou trabalho social.

Bibliografía
Inouye et al. Geriatric Syndromes: Clinical, Research and Policy Implications of a Core Geriatric Concept. J Am Geriatr Soc. 2007 May; 55(5): 780–791
Sociedad Española de Geriatría y Gerontología. Manual del residente en Geriatría, 2011, Ene Life Publicidad S.A.

(*)Liliana Vargas Rodríguez é geriatra da Unidad de Diagnóstico da Fundación ACE Barcelona Alzheimer Treatment & Research Center


Workshop: Síndromes Geriátricas
Data: Quinta-feira dia 11/07 das 9h30 às 12h
Saiba mais:
https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/workshop-sindromes-geriatricas/


https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/workshop-sindromes-geriatricas/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2545 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento