Estudo alerta para aumento de internações de idosos por SRAG

Tempo de Leitura: 3 minutos

A elevação do número de casos por SRAG ocorre após cerca de quatro meses mostrando queda. A preocupação maior é com a população de 80 anos ou mais. Nessa faixa etária, somam-se alguns fatores agravantes.

Regina Castro (CCS/Fiocruz)


Ainda em fase de conclusão, um estudo da Fiocruz, divulgado no dia 3 de agosto, apresenta um aumento do número de hospitalizações de idosos com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG por Covid-19) no Estado do Rio de Janeiro. A elevação do número de casos ocorre após cerca de quatro meses mostrando queda. A análise indica que, ainda assim, as faixas de 60-69 e 70-79 anos continuam em uma situação bem melhor do que a apresentada em picos anteriores. A preocupação maior é com a população de 80 anos ou mais.

O estudo alerta também que a população de crianças de 0 a 9 anos encontram-se no pior momento. Aponta ainda que a faixa de 30 a 39 anos, apesar de ter registrado uma melhora, está em uma situação mais grave do que no pico do final do ano passado. A investigação é do grupo de pesquisa para a Vigilância Epidemiológica da Fiocruz (Mave/Fiocruz) e do Observatório Covid-19. As projeções são realizadas com base no Sistema de Informações de Vigilância Epidemiológica da Fiocruz (Sivep-Gripe), do Ministério da Saúde.

No contexto geral, os dados sinalizam ainda que o cenário segue muito grave. A atenção encontra-se agora também na população com boa cobertura vacinal mas cuja efetividade é menor, que é a de idosos com 80 anos os mais. Nessa faixa etária, somam-se alguns fatores agravantes. Entre eles, estão a transmissão comunitária ainda elevada, menor efetividade, maior tempo desde a segunda dose e possível efeito de perda de imunidade (imunossenescência) por conta da idade. 

Aumento de casos entre crianças e jovens

E o que explica o aumento do número de casos entre crianças e jovens? Segundo o pesquisador Leonardo Bastos, do Programa de Computação Científica (Procc/Fiocruz), na população infantil, a causa pode ser efeito da chamada “infecção cruzada”. “Ou seja, o motivo da internação não é necessariamente a Covid-19. Pode ser uma complicação respiratória por outro fator, mas com infecção cruzada gerando teste positivo para Sars-CoV-2. Requer um acompanhamento mais de perto, com testagem também dos demais vírus respiratórios para identificação do que possa estar ocorrendo. Por conta da alta demanda nos laboratórios, tem-se testado primeiro para Covid-19 e, dando positivo, não testam para outros vírus”, explica o pesquisador.

Esse procedimento pode ter como consequência o fato de que às internações por outros vírus respiratórios ficam “na sombra da Covid”, ou seja, que as demais doenças que levam a complicações respiratórias não sejam diagnosticadas. 

Já é de conhecimento científico, por exemplo, que o Vírus Sincicial (VSR), que pode causar problemas graves (com necessidade de internação) em bebês, crianças pequenas, está com circulação relevante em todo o país. “Mas no Rio de Janeiro não sabemos como está a co-detecção por conta dessa logística que privilegia o teste de Covid-19. Esta ocorre por motivos compreensíveis, mas que acabam não testando os demais vírus quando o diagnostico é positivo para Covid-19”, observa Bastos.

(*) Regina Castro -CCS/Fiocruz, texto publicado no dia 03/08/2021 pela Agência Fiocruz.

Imagem destaque de Pexels/Pixabay


https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/escuta-psicogerontologica/

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3807 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento