Espanha vive uma transformação de serviços e cuidados oferecidos às pessoas com demência

Na Espanha há três pontos fundamentais em discussão quando o assunto é demência: tornar os serviços mais amigáveis, racionalizar os psicotrópicos e usar terapias não farmacológicas.


A expectativa de vida está aumentando em todo o mundo, o que se traduz também, como consequência, em um número maior de doenças crônicas, como a demência. Estima-se que, até 2030, o número de pessoas com demência tenha dobrado e, até 2050, triplicará. Isso requer uma transformação dos serviços e cuidados oferecidos a essas pessoas, conforme destacado por diversos especialistas reunidos na Espanha, na conferência “Transformando serviços para pessoas com demência”, organizada pela Sanitas.

José Francisco Tomás, diretor médico da Sanitas, em seu discurso abordou a realidade atual das pessoas que vivem com demência e seus cuidadores, observando que “quando falamos sobre a transformação no cuidado de pessoas que vivem com demência, há três pontos fundamentais: como tornar os centros mais amigáveis, como racionalizamos os psicotrópicos e, finalmente, o uso de terapias não farmacológicas, algo mais importante todos os dias”. Segundo ele,

Estamos comprometidos em cuidar sem restrições e em que o uso de psicotrópicos é feito racionalmente. Além disso, a pessoa com demência tem uma abordagem muito diferente, hoje as terapias não farmacológicas são quase 80% das ferramentas que temos para cuidar dessas pessoas.”

Pedro Cano, diretor de Inovação Médica da Sanitas Mayores, deu ênfase especial ao surgimento de centros amigos dos idosos, ambientes em que as pessoas com demência recebem atendimento. De acordo com ele, adequar o entorno é muito importante:

Adaptar os espaços às necessidades das pessoas que vivem com demência é mais um passo na inovação no tratamento dessa doença. Existem evidências científicas de que a adaptação do ambiente melhora diretamente os sintomas das pessoas que vivem com demência”.

Em relação a outras tendências, o Dr. Cano disse que o cuidado sem restrições também melhora os sintomas dessas pessoas, uma vez que “maior massa muscular, menos dor e melhor humor são os principais benefícios de um cuidado livre de sujeições”.

Por sua vez, o Dr. Antonio Burgueño, diretor técnico do Programa Desatar da Confederação Espanhola de Organizações do Idoso (CEOMA), destacou que “infelizmente em nosso país a demência ainda é estigmatizada, é necessária uma mudança cultural para o país. Profissionais e cidadania. Você pode viver bem com demência em uma residência, embora seja verdade que, por um lado, seja necessário uma adaptação do ambiente residencial e, por outro, que as equipes de assistência se aprofundem na ciência do atendimento a esse tipo de pessoa, que hoje já são mais de 60% dos residentes dos centros residenciais”.

Outro aspecto discutido na mesa redonda foi o uso de restrições químicas, através dos resultados do estudo ‘Comparação de três métodos de redução de psicotrópicos em idosos com demência’ desenvolvido pelo Instituto Dartmouth de Políticas de Saúde e Clínica Practice, da Universidade de Dartmouth (EUA), e da equipe de atendimento da Sanitas Mayor.

O controle do uso de benzodiazepínicos e antipsicóticos é o fator que mais trouxe benefícios aos residentes. Esses dados são especialmente importantes, uma vez que esses medicamentos são precisamente os mais usados ​​na Espanha para fins restritivos em pacientes com demência, geralmente para evitar distúrbios comportamentais ”, disse David Curto, chefe de gestão de saúde da Sanitas Mayores.

Os resultados deste estudo demonstram que a redução de medicamentos em pacientes com demência tem inúmeros benefícios à saúde. Um dos pesquisadores, Dr. Manish K. Mishra, destaca que “graças ao modelo criado, somos capazes de reduzir a medicação usando três intervenções. Essas intervenções envolveram uma redução no uso inadequado de medicamentos. O uso excessivo de medicamentos é um problema em todo o mundo”.

Durante o dia, outros especialistas se referiram às medidas em expansão para o tratamento da demência, como terapias não farmacológicas, indicando que é essencial conhecer profundamente o paciente para adaptar e personalizar as terapias. A Dra. Concepción García Alonso, coordenadora de Gestão em Saúde da Sanitas Mayores, explicou que “em nossos centros realizamos um estudo preliminar para determinar a individualidade ou o grupo de intervenções não farmacológicas: em pessoas com pouca deterioração, os grupos de intervenção podem ser maiores, neste caso a socialização pode ser um fator terapêutico importante e necessário; por outro lado, em casos de demência avançada, as intervenções só podem ser individuais, na maioria dos casos”.

Felipe L. Navarro, pesquisador da Banda Sonora Vital, parte do Grupo de Tecnologia da Música da Universidade Pompeu Fabra, disse que “o desenvolvimento de tecnologias musicais adaptadas a pacientes ou usuários permite complementar o trabalho dos cuidadores, ajudando a elaborar e personalizar suas coleções de músicas. Dessa forma, facilita o acesso à história musical da pessoa e o uso dessas músicas em diferentes contextos terapêuticos, de interação social e de autoafirmação pessoal”.

Já o Dr. Manuel Murie, chefe do Serviço de Neurologia da Clínica San Miguel de Pamplona e diretor da Unidade de Neuroreabilitação do Hospital de Telde de Las Palmas de Gran Canaria, falou sobre a terapia dupla com a Dualebike, observando que “nosso cérebro está acostumado a fazer duas coisas ao mesmo tempo, mas essa capacidade diminui com a idade. O bom é que podemos treinar o cérebro para que essa perda de capacidade associada à idade não ocorra. A Dualebike treina o cérebro de maneira simples e divertida para fazer duas coisas ao mesmo tempo”. Ele conclui que “nem tudo são drogas. Temos que mudar a mentalidade e estar cientes de tudo o que podemos fazer para manter e melhorar a saúde”.

Por outro lado, Javier Mínguez, cofundador e diretor científico da Bitbrain, abordou o projeto Elevvo de neuroestimulação cognitiva para idosos. “Neste projeto, foi desenvolvida uma neurotecnologia que consiste em uma tiara para a cabeça com sensores com os quais os usuários realizam uma série de exercícios que produzem uma melhoria na memória de trabalho, na velocidade de processamento e na atenção sustentada”, disse Mínguez, que, além disso, compartilhou a experiência do projeto piloto recentemente realizado no Centro Dia Sanitas Mayores, em Zaragoza (Espanha), e que obteve resultados muito promissores.

Domènec Crosas, diretor geral da Sanitas Mayores, encerrou o evento afirmando que “a máxima inovação para criar um mundo melhor é continuar trabalhando no caminho que estamos trilhando. Contribuímos com soluções de vida para uma fase da velhice cada vez mais normalizada quando se sofre de demência”.

Fonte: https://www.geriatricarea.com. Tradução livre de Sofia Lucena.


https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/portas-abertas-evento-artistico-gratuito-do-portal-do-envelhecimento/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2645 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento