Envelhecer bem em Nova York

O impacto transformador, de atividades comunitárias e do apoio social, emergiu como uma parte essencial para envelhecer com boa saúde em Nova York. Há ampla evidência de que “indo para o mundo de fora” é bom para sua saúde. Estudos recentes indicam que o isolamento social pode ser muito perigoso. Enquanto a participação nas artes e em programação cultural está associada a uma melhor saúde física e mental, menos visitas ao médico e menos uso de medicação.

Lindsay Goldman *

 

envelhecer-bem-em-nova-yorkMinha semana começou com uma excelente oportunidade no Museu de Nova York de Arte Moderna (MoMA). Junto com um grupo de especialistas em medicina geriátrica, serviços de envelhecimento e – mais importante – artistas mais velhos, eu ajudei um público de profissionais de museus a explorar a intersecção de envelhecimento saudável e as artes.

O evento fez parte da Iniciativa Primetime do MoMA, um programa que é apenas uma das maneiras que o museu tem de atrair visitantes mais velhos e artistas, uma prioridade estratégica, junto com Meet Me no MoMA, um programa que atende pessoas com demência e seus cuidadores.

Tendo passado os anos de formação da minha carreira como diretora de um programa sênior para pessoas com demência e fragilidade física, eu participei frequentemente neste programa e testemunhei o poder da arte e da música para reduzir alguns dos sintomas mais devastadores de demência e melhorar a saúde mental através da conexão social.

O impacto transformador, de cura, de atividades comunitárias e do apoio social, emergiu como uma parte essencial para envelhecer com boa saúde no novo relatório da Academia, “Envelhecimento: Desafios da Saúde e o papel das Conexões Sociais”, lançado, em parte, para comemorar a Older Americans month 2016. Um dos participantes das pesquisas e dos grupos de foco conduzidos para o relatório disse:

“Existem tantos programas que fazem a depressão desaparecer. Eu vi um homem de idade, ele tem artrite e ele tem depressão e ele estava muito deprimido, mas quando fomos jogar boliche e ele fez um strike ele estava tão feliz. Desde então, ele começou a jogar boliche mais ativamente e foi para coisas sociais e karaoke; logo, ele se sentiu mais útil do que antes e reduziu todos os problemas. É por isso que eu digo que há tantos programas aqui que vai curar sua depressão gradualmente. É um incrível centro de idosos. … Temos festas. Você sempre aproveita. Venha para o mundo de fora ….” (participante de grupo de foco, Queens, NY).

Há ampla evidência de que “indo para o mundo de fora” é bom para sua saúde. Estudos recentes indicam que o isolamento social pode ser tão perigoso quanto fumar 15 cigarros por dia e que está associado com aumento do risco de doença arterial coronariana e acidente vascular cerebral. Enquanto a participação nas artes e em programação cultural está associada a uma melhor saúde física e mental, menos visitas ao médico e menos uso de medicação.

Criando uma cidade mais solidária

No entanto, assegurar que os moradores mais velhos da cidade tenham oportunidades para apreciar a cultura e a comunidade exige mais do que centros de idosos. Enquanto centros são uma fonte incrível de apoio e enriquecimento; mais de 90% dos 1,4 milhões de nova-iorquinos com mais de 60 anos não os frequentam. Então, para melhorar a saúde das pessoas mais velhas, precisamos olhar além de centros e até mesmo além dos cuidados de saúde, para lugares como MoMA – um esforço no centro da nossa iniciativa amiga do idoso em Nova York (Af-NYC), em parceria com o gabinete do prefeito, o Conselho da Cidade de Nova York e da Academia.

Tendo falado com milhares de pessoas de idade através da Af-NYC, nós aprendemos que a maioria não prefere atividades segregadas por idade; em vez disso, eles querem continuar a usufruir de todos os estabelecimentos que visitaram ao longo das suas vidas, teatros, restaurantes, parques, lojas e museus.

envelhecer-bem-em-nova-yorkAqui na Academia, estamos trabalhando para tornar isso mais fácil de fazer, promovendo melhores práticas, tais como a do MoMA, que maximizam o potencial das instituições artísticas e culturais de melhorar a saúde e bem-estar dos idosos através de uma maior socialização, aprendizagem ao longo da vida, expressão criativa e diversão que prioriza a conexão entre as gerações.

Nossa Comissão Af-NYC inclui um grupo de especialistas dedicados dos setores público, privado e sem fins lucrativos que visam identificar e reduzir as barreiras que idosos encontram ao acesso de artes e programação cultural. Eles também irão incentivar instituições de mídia e de arte a enfatizar os pontos fortes que vêm com o envelhecimento, combater a discriminação baseada na idade – outro contribuinte ao isolamento social.

Estamos trabalhando com a nossa agência da cidade e parceiros do conselho para melhorar as experiências das pessoas mais velhas com serviços e instalações financiados pelas cidades, tais como bibliotecas, parques públicos, piscinas, edifícios e transporte. Finalmente, com base em nossa leitura e séries de discussões no ano passado sobre crescimento popular e envelhecimento, continuamos a comemorar as realizações de artistas mais velhos e ativistas através de nossa própria programação cultural com atividades emocionantes ao longo de 2016.

* Lindsay Goldman é diretora do projeto amigo do idoso NYC, compartilha os resultados de um novo relatório e outras notícias sobre o envelhecimento na cidade. Artigo postado em 24 de maio de 2016 no Urban Health Matters Blog: Disponível Aqui 

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2599 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento