“Em algum momento, vou me aposentar – e isso me apavora”

Tempo de Leitura: 5 minutos

O psicólogo Guy Winch tem uma coluna no TED em que responde às perguntas dos leitores sobre o amor, o trabalho, aposentadoria, e tudo que importa à vida e à existência humana.

Guy Winch (*)


Caro Guy: 

Trabalho desde os 17 anos (completei 60 este ano) e realmente gostei da minha carreira em TI. Uma semana depois de deixar a escola, comecei a trabalhar e não tive nenhuma folga além de férias regulares de duas semanas desde então. Pessoas na minha faixa etária começam conversas com “o que você faz?”, e eu sinto que meu trabalho me definiu de várias maneiras. Em algum momento, em breve, vou me aposentar – e estou apavorado! Não tenho ideia do que farei com todo esse tempo ou por que o farei. Tenho um casamento feliz e um filho de 21 anos. Sim, minha esposa e eu podemos viajar e posso ler livros que nunca li. Há óperas para curtir e restaurantes para experimentar, mas isso não vai me tirar da cama em um tempo razoável!
Assinado,
Help!

Caro Help!:
A aposentadoria é considerada aquela fase feliz da vida em que paramos de trabalhar e fazemos o que queremos. Mas a pesquisa de John W. Osborne, professor emérito de Psicologia Educacional da Universidade de Alberta (Canadá) nos diz que deixar nossos empregos e carreiras, perder essa parte de nossas identidades e ficar sem estrutura ou propósito pode tornar a transição muito mais desafiadora do que esperamos.

Para ser claro, algumas pessoas se adaptam bem à aposentadoria, mas outras não. E quando você diz: “Há óperas para desfrutar e restaurantes para experimentar – mas isso não vai me tirar da cama em um momento razoável!”, Eu me preocupo que você possa estar no último grupo, aquele que precisa considerar cuidadosamente quando e como se aposentar para construir uma vida significativa e satisfatória.

Mas antes de entrar nesse tipo de planejamento psicológico de aposentadoria, tenho que perguntar: por que a aposentadoria está no horizonte?

Você escreve: “Em algum momento, em breve, vou me aposentar – e estou apavorado!” É porque você quer trabalhar menos? Sua empresa ou país tem idade obrigatória para aposentadoria? Você acredita que será mais feliz aposentado do que trabalhando?

Há muitas pessoas que trabalham até os 70 anos (e além) porque se sentem melhor e mais felizes com o emprego. Você pode ser um deles?

Enquanto você pensa nisso, vamos discutir por que a aposentadoria é “aterrorizante” para você. Você escreve: “Sinto que meu trabalho me definiu de muitas maneiras ”. Na verdade, você precisará redefinir quem é você e o que faz. Esta não é uma tarefa fácil e leva tempo.

Na verdade, o processo de adaptação à aposentadoria é apenas isso – um processo que deve começar alguns anos antes de você apagar as velas do bolo de sua “aposentadoria feliz!”.

Aqui estão minhas sugestões sobre como você pode começar a planejar os aspectos emocionais da aposentadoria:

1. Identifique suas fontes atuais de significado e satisfação

Nossos trabalhos envolvem muitos aspectos – aqueles diretamente relacionados às nossas funções e responsabilidades oficiais (por exemplo, gerenciamento de projetos, vendas) e outros que não o são (por exemplo, almoçar com colegas, orientar funcionários juniores).

Faça uma lista dos aspectos de seu trabalho que são mais significativos para você e / ou aqueles de onde você obtém mais satisfação ou autorrealização.

Então, digamos que ser gerente seja significativo para você. Que oportunidades existem para você, na aposentadoria, assumir um papel de liderança? Ou, se você gosta de desenvolver novos aplicativos e ajudar as pessoas a usá-los, há alguma causa educacional para a qual você poderia se voluntariar?

2. Pense em como você deseja se definir na aposentadoria

Todos nós temos muitos papéis na vida – no seu caso, você trabalhou em TI, mas também é um cônjuge e pai dedicado. Faça uma lista das funções não profissionais que você desempenha atualmente, mesmo as pequenas (por exemplo, jardineiro ocasional).

Em seguida, pergunte-se: quais outras funções em sua vida você gostaria de expandir? Talvez seja o seu envolvimento com sua parceira ou filho, sua família ou sua comunidade.

3. Visualize um dia ideal na aposentadoria

Embora significado e satisfação sejam importantes, não se esqueça de pensar nas coisas divertidas. Quais são as coisas agradáveis ​​para as quais você atualmente não tem tempo e que talvez queira experimentar na aposentadoria? Que porcentagem de seus dias poderia ser composta por eles?

Ter uma ideia de como é para você um típico bom dia na aposentadoria o ajudará a prepará-lo psicologicamente e a facilitar sua transição. Também ajudará a remover algumas das incertezas que provavelmente estão alimentando sua ansiedade. Grandes mudanças na vida sempre trazem incerteza, por isso é importante preencher as lacunas potenciais com o máximo de detalhes que pudermos e planejar com antecedência o máximo possível.

4. Encontre maneiras de estar no fluxo

Existem algumas atividades que fazemos que nos absorvem tão completamente que perdemos contato com o que está acontecendo ao nosso redor. Poderíamos começar a pintar, escrever, jardinar, tocar um instrumento musical ou organizar nossa garagem… pois quando estamos nela o tempo passa sem percebermos.

Os psicólogos chamam esse estado mental engajado de “fluxo”. O fluxo é um ótimo estado psicológico, que contribui para nosso bem-estar e felicidade.

Quais são as atividades de fluxo que você pode fazer durante a aposentadoria? As atividades que promovem o fluxo não são passivas (desculpe, assistir excessivamente a um programa no Netflix não conta), são moderadamente desafiadoras (não são difíceis o suficiente para serem frustrantes, mas não são fáceis o suficiente para serem entediantes) e oferecem feedback para que você experimente uma sensação de progresso.

Ao planejar a próxima fase de sua vida, lembre-se: a aposentadoria é algo que você criará com o tempo. Meus pacientes frequentemente descobrem que seus planos de aposentadoria precisam de ajustes e ajustes conforme suas circunstâncias, sentimentos ou necessidades mudam. Se algo não estiver funcionando, você sempre pode dar um passo para trás e repensar.

É especialmente importante que você monitore sua saúde emocional durante uma grande mudança como essa. Se você sentir quedas prolongadas de humor ou mudanças de hábitos – como costumava fazer a cama todas as manhãs, mas depois de se aposentar, deixou de fazer – considere falar com um profissional de saúde mental.

Ao ficar de olho na sua felicidade e satisfação, você será capaz de resolver todos os problemas que surgirem e garantir que seus anos de aposentadoria sejam tão felizes e direcionados a um propósito quanto todos os anos anteriores.

 (*) Guy Winch é psicólogo e um dos principais defensores da integração da ciência da saúde emocional em nossas vidas diárias. Suas três palestras TED foram vistas mais de 20 milhões de vezes e seus livros de autoajuda com base científica foram traduzidos para 26 idiomas. Ele também escreve o blog Squeaky Wheel para PsychologyToday.com e tem um consultório particular na cidade de Nova York. E-mail:  dearguy@ted.com. Tradução Dhara Lucena.

Foto destaque de Andrea Piacquadio de Pexels


O aumento da expectativa de vida da população permite que patologias como a ansiedade, possam ser estendidas à população idosa nos dias atuais. Por vezes, pode-se confundir a depressão com a ansiedade. Neste curso, torna-se importante considerar que o idoso também pode sofrer de ansiedade e, saber identificar as principais características dessa patologia e ter elementos para prevenção ou tratamento dessa condição, para assim, auxiliar os próprios idosos no enfrentamento da ansiedade.

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3360 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento