Cuidadores

Muitas são as lutas que temos travado diariamente por oportunidades e instrumentos que nos garantam a melhoria da qualidade de vida e até mesmo a expectativa de vida.

Rosana Puga de Moraes Martinez *

 

As demandas, no entanto, não cessam.

Na verdade, quanto mais vitórias alcançamos, mais e melhor vivemos. Que bom! Mas tudo na vida tem um preço. E com nossa longevidade não é diferente.

Apesar das pequenas melhorias, muitos de nós – portadores de patologias progressivas e degenerativas – chegamos a um estágio em nossas doenças que necessitamos auxílio para as tarefas mais corriqueiras, como higiene pessoal, alimentação, locomoção e deslocamentos, etc.

Para isso, precisamos contar com a presença constante e ininterrupta de um cuidador que, no caso dos mais abastados, pode ser um ou mais profissionais contratados. Mas, na grande maioria dos casos, é mesmo um familiar que desempenha esta função.

Ocorre que, esse familiar, ao longo do tempo, vê-se obrigado à difícil escolha de abdicar dos estudos, da carreira profissional, emprego, enfim, de tudo, para dedicar-se ao portador da patologia.

Não é raro verificar casos em que, anos depois, quando o parente portador já não se encontra mais entre nós e sua minguada aposentadoria por invalidez (quando há) cessa, aquele cuidador, já em idade avançada, que abriu mão de sua capacitação e vida profissional, passa, ele próprio, à condição de dependente de outros, por não ter mais como recomeçar a vida num mercado de trabalho tão competitivo quanto o brasileiro.

Dessa forma, é urgente que o Brasil acorde para a necessidade de uma política pública para os cuidadores, como a que já existe, há muito tempo, em vários países da Europa.

Ou acrescenta-se um percentual à aposentadoria do portador (quando houver) destinado ao sustento do cuidador, ou cria-se um programa específico nos moldes do Bolsa Família, acrescido inclusive de plano de saúde ao qual o cuidador continuará fazendo jus em caso de falecimento do portador, ou determina-se um salário-cuidador, mesmo, pago pelo estado e com direitos previdenciários. Para aqueles que já estavam empregados antes de tornarem- se cuidadores, poderia haver uma lei que lhes garantisse afastamento do trabalho com vencimentos e direitos integrais, enquanto persistir a necessidade do portador.

Ao contrário do que possa parecer inicialmente, esse tipo de política não atende apenas aos interesses dos portadores de patologias progressivas e incapacitantes e seus familiares, mas a toda a sociedade, na medida em que um paciente cuidado em casa onera menos o já deficitário serviço público de saúde e, consequentemente, o bolso de todos.

É hora, portanto, de nos unirmos em torno de mais esta bandeira. O momento me parece bem oportuno já que, a cada novo governo, renovam-se as esperanças de novos olhares, posturas e ações.

* Por Rosana Puga de Moraes Martinez, é Presidente da ADONE MS, texto publicado no blog da entidade. Acesse Aqui em 7/2/2011.

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2644 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento