Cremilda e Sinval Medina comemoram bodas literárias

Aos 77 anos, o casal completa 55 de casados e lança dois livros em um por meio da editora do Portal do Envelhecimento para comemorar a data.


A professora Cremilda continua na USP orientando alunos de doutorado. O professor Sinval, desde 1997, trocou a ECAUSP pela literatura. Seus livros são um mergulho na história, como é A Faca e o Madarim, obra que resgata um episódio histórico, o assassinato do senador gaúcho Pinheiro Machado. Mas Sinval rejeita o selo romance histórico, adota o termo fundacional como demonstra no próprio livro.

O casal vive cercado por artes. Literárias, principalmente. Neste ninho de letras era de se supor que uma hora brotasse um livro a quatro mãos. Brotaram dois, como nos conta Sinval:

Há muito tempo Cremilda e eu projetávamos escrever um livro a quatro mãos que não seguisse o modelo dos inúmeros trabalhos assinados por ambos sem fronteiras de autoria. Surgiu assim a ideia de reunir em um só volume duas obras ao mesmo tempo autônomas e inseparáveis. Que não se tocam, mas se comunicam como círculos concêntricos em um espelho d´água. Ou como os fios da meada se entrelaçam na colcha de retalhos.

Vê-se por este minúsculo texto que a prosa de Sinval flerta com a poesia, como é esta pérola publicada este ano no livro Reproposta: Se o ontem vira hoje/Ou vice-versa/Tanto faz/Nas frestas do tempo/A areia dos eventos/Tanto corre pra frente/Como para trás.

A poesia está nos títulos dos livros. O de Sinval, Colcha de Retalhos; o da Cremilda, Fios da Meada. Artigos, crônicas e ensaios compõem a Colcha de 170 páginas, enquanto os Fios são textos saborosos, férteis reflexões feitas a partir de obras com as quais Cremilda dialoga ao longo de 200 páginas.

Sinval inicia seu livro com a pergunta: qual é o lugar da literatura? E recorre a Balzac em busca de respostas:

Reza a lenda que a mãe de Balzac, ao ver o filho desistir da advocacia para se tornar escritor teria dito que a literatura não lhe garantiria o futuro, ao que ele respondeu: Minha senhora, a literatura não é profissão, literatura é destino.

Continua: os textos aqui reunidos prestam homenagem às palavras de Balzac. Neles expresso minha visão sobre a arte de contar histórias, que pratico desde que me entendo por gente. Não é minha intenção especular sobre o lugar da literatura como manifestação do espírito humano, mas entender o lugar que a literatura ocupa em minha vida.

Cremilda Medina, além de orientar alunos na ECAUSP, dirige oficinas de escrita para uma turma de frequentadores da UATI – Universidade Aberta à Terceira Idade – oferecidas no CEUMA – Centro Universitário Maria Antônia. Com açúcar e com afeto rege uma orquestra de velhos aprendizes que se propõem a escrever uma coletânea de textos extraídos do fundo da memória a cada novo ano. Seu incentivo nos motiva, pois faço parte da turma. Incansável, já nos brindou com quase 60 coletâneas, sem contar sua produção autoral que passa de duas dezenas. Recentemente apresentou um curso de narrativas no Espaço Longeviver, na sede do Portal do Envelhecimento e prepara outro para 2020 sob o signo Narrar é Viver. Saiba mais sobre Cremilda Medina acessando a Revista Longeviver.

Agora, como explicar esses dois livros em um? É um livro de duas cabeças, uma para lá, outra para cá, que se encontram no meio do caminho de páginas, mas, como os rios Negro e Solimões, não se misturam. Um livro para cada lado. Ideia genial. Certamente, enquanto ideia, não é inédita, mas não temos conhecimento de nenhum casal de escritores/professores/intelectuais que a tenha executado.

Pré-venda

O Portal do Envelhecimento se orgulha de fazer parte deste projeto e gostaríamos que você também participasse. Como?

Adquira o livro na pré-venda, melhor, os livros emendados, juntos, porém independentes e ao mesmo tempo inseparáveis, e os receba autografados. O livro duplo, 2 X 1, será enviado a partir do dia 01/12. Aproveite e solicite um exemplar a mais para presentear uma pessoa amiga e receba de brinde um livro do nosso catálogo. Clique no link da loja e solicite seu exemplar.


O curso “Centro dia para idosos: como se faz?” terá aula discursiva, expositiva e dialogada a partir de referências atuais e experiências práticas, com dinâmicas e reflexões, discussões de casos em que os inscritos poderão esclarecer suas principais dúvidas a respeito dos centros dia e esboçar seus projetos.

Inscrições: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/curso-centro-dia-para-idosos-como-se-faz/

Mário Lucena

Mário Lucena

Jornalista, bacharel em Psicologia e editor da Portal Edições, editora do Portal do Envelhecimento. Conheça os livros editados por Mário Lucena.

mariolucena escreveu 50 postsVeja todos os posts de mariolucena