Covid-19 e direitos humanos: A pandemia da desigualdade

Tempo de Leitura: 4 minutos

Livro tenta responder como a pandemia pelo Covid-19 e a recessão afetam cada um dos direitos humanos de forma inter-relacionada, bem como os grupos expostos a maior vulnerabilidade, entre eles os idosos.


Como a Covid-19 e as medidas estatais para combatê-la afetam os direitos humanos? Quais são os grupos mais afetados pela pandemia, pelo distanciamento físico preventivo e obrigatório e pela recessão econômica? Como as desigualdades persistentes agravam os efeitos da crise econômica e de saúde? Por que as mulheres sofrem os efeitos da crise mais severamente? Quais são as prescrições que os direitos humanos impõem ao Estado na formulação de políticas de saúde, econômicas e sociais para enfrentar a pandemia? Que critérios devem ser usados ​​para equilibrar direitos humanos concorrentes? A que “novo normal” devemos aspirar?

43 autores buscam responder a essas questões tomando a Argentina como um estudo de caso no livro Covid-19 y derechos humanos. Em 32 capítulos eles analisam como a pandemia, o distanciamento físico preventivo e obrigatório e a recessão afetam cada um dos direitos humanos de forma inter-relacionada, bem como os grupos expostos a maior vulnerabilidade. Desigualdades persistentes explicam por que o vírus e a recessão estão afetando grupos desfavorecidos. O livro também propõe uma agenda transformadora para construir um modelo econômico voltado para os direitos humanos ao invés da expansão do capital.

Segundo Philip Alston, diretor do Centro de Direitos Humanos e Justiça Global, New York University, “Este livro captura de maneira brilhante a ameaça que paira sobre a Argentina por meio da confluência de três pandemias: Covid-19, desigualdade e pobreza. Mais importante ainda, os autores altamente avaliados e qualificados oferecem não apenas um diagnóstico, mas também um conjunto de prescrições para mudanças transformadoras e sustentáveis”.

Michelle Bachelet, médica e política chilena, e ex-presidente da República do Chile, atualmente atua como Alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, escreve no prefácio o seguinte: Eu adiciono minha voz a esta chamada. É claro para mim que, como membros de uma mesma humanidade, temos dois deveres essenciais: superar a pandemia e nos reconstruir melhor. Não é aceitável voltar a ser como éramos antes desta crise. Não podemos reconstruir os sistemas instáveis ​​e frágeis que tornaram nossas sociedades tão vulneráveis. Se continuarmos nesse caminho, vamos falhar em nossa promessa de não deixar ninguém para trás”.

E, Rita Segato, antropóloga e feminista argentina residente entre Brasília e Tilcara, conhecida por suas investigações sobre questões de gênero nos povos indígenas e comunidades latino-americanas, sobre violência de gênero e as relações entre gênero, racismo e colonialidade, escreve no posfácio o seguinte: “Diante dessa circunstância inédita, porque se dá em um momento em que o Oeste do Capital, da Ciência, da Virtualidade e da Inteligência Artificial já nos convencia de que a história havia chegado ao fim e começávamos a acreditar na Onipotência humana, os autores que fazem parte desta obra revelam o papel que as ciências sociais, o direito, a economia e a política são chamadas a assumir, e mostram o valor da sua contribuição quando a sociedade necessita de palavras para pensar e debater, e modelos que permitem compreender e agir”.

Autores

O organizador do livro Covid-19 y derechos humanos Juan Pablo Bohoslavsky, é escritor, Doutor em Direito com especialização em Economia e Direitos Humanos. Entre 2014 e 2020 foi especialista independente em dívida e direitos humanos na ONU, antes de trabalhar para a UNCTAD e defender o Estado argentino em arbitragens internacionais. Foi consultor da CEPAL e do OHCHR.

O Livro é composto pelos seguintes autores: Patricia Aguirre, Magdalena Álvarez, Pilar Arcidiácono, Gonzalo Assusa, María Barraco, Juan Pablo Bohoslavsky, Soledad Buhlman, Jacinta Burijovich, Alfredo Calcagno, Nancy Cardinaux, Laura Clérico, Claudia Danani, Elvira Domínguez Redondo, Horacio Javier Etchichury, Gabriela Fernández, Gustavo Gamallo, Roberto Gargarella, Carla Gerber, Natalia Gherardi, Verónica González Bonet, Juan Cruz Goñi, Ana Verónica Heredia, Henry Jiménez Guanipa, Gabriel Kessler, Damián Loreti, Liber Martin, Mariela Morales Antoniazzi, Agustina Palacios, María Florencia Pasquale, Martín Passini, Laura Pautassi, Mario Pecheny, Flávia Piovesan, Silvina del Valle Ramírez, Corina Rodríguez Enríquez, Mónica Roqué, Andrés Rossetti, Julieta Rossi, Roberto Saba, Silvia Serrano Guzmán, Sebastián Waisgrais, Alicia Ely Yamin, Solana María Yoma.


Serviço
Livro “Covid-19 y derechos humanos
Organizador: Juan Pablo Bohoslavsky
Idfioma: Espanhol
Número páginas: 626
Ano: 2020
País: Argentina
Editora: Editorial Biblos

Foto destaque de cottonbro/Pexels


O objetivo principal do presente curso é o de qualificar profissionais que trabalham na área de Gerontologia na realização e aplicação da Estimulação Cognitiva. Ao final desse curso o profissional será capaz de planejar, organizar, estruturar e analisar as atividades pensando sempre nas individualidades e particularidades de cada pessoa idosa. Além disso, o curso possibilitará reflexões significativas e relevantes para a atuação dos profissionais em relação ao trabalho multidisciplinar e interdisciplinar e seus desafios no que se diz respeito a Estimulação Cognitiva.

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3438 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento