Como as pessoas mais velhas do mundo vivem por tanto tempo

como-as-pessoas-mais-velhas-do-mundo-vivem-por-tanto-tempoHá algo existencialmente fascinante sobre nossa expectativa de vida, e gostamos de saber sobre as histórias dos mais velhos, tentando encontrar “porções escondidas de sabedoria”. Com a ciência tão incerta, é tentador pensar que as pessoas mais velhas sabem algo que nós não sabemos, e talvez seja verdade. No mínimo, elas representam algo poderoso.

Vlad Chituc *

Com 118 anos, a mulher mais velha do mundo diz que seu segredo é comer, dormir e relaxar. Parece bom!

Como viver até os 109 anos de idade? Exercício, uma tigela de mingau quente e agradável e ficando longe de homens, pelo menos, essa é a explicação dada pela mulher mais velha da Escócia, Jessie Gallan, em uma história que se tornou viral no início de 2015.

Há algo existencialmente fascinante sobre nossa expectativa de vida, e gostamos de saber sobre as histórias dos mais velhos, tentando encontrar “porções escondidas de sabedoria”. Mas, pensando bem, Gallan não é realmente tão velha, ela sequer entra nos top 50 das pessoas mais velhas vivas verificadas até o momento. Não posso pensar em muitos outros centenários ou supercentenários (pessoas que viveram até seus 100 e 110 anos, respectivamente) que tiveram tanta atenção da mídia como ela.

Com base nos tempos de vida de modernos caçadores – especificamente, grupos que dependem quase inteiramente de alimentos selvagens com pouca ou nenhuma exposição tecnológica ou acesso a medicina moderna – antropólogos evolutivos estimam que os primeiros humanos viveram até meados dos seus 50 anos, desde que tenham sobrevivido a infância. Uma vez levado em conta taxas de mortalidade infantil, a média de vida dos nossos primeiros ancestrais cai entre duas e três dezenas de anos.

Percorremos um longo caminho.

Na Grã-Bretanha medieval, qualquer homem na aristocracia que sobrevivia à idade adulta poderia esperar viver até os seus 60 anos em 1200 e até 70 em 1500 (uma vez que dois terços de todas as crianças morriam antes dos 4 anos de idade. Na Grã-Bretanha Medieval, a expectativa de vida global ficou nos 30 anos). No século 20, as coisas começaram a mudar mais rapidamente. Com vacinas e novos tratamentos para doenças outrora fatais, a medicina moderna nos permitiu envelhecer até a idade mais avançada, mas nós vimos os ganhos mais afiados na mortalidade infantil abruptamente controlada.

Embora a expectativa de vida média na virada do século 20 era de 40 anos, agora a média de vida parece ser entre 70 ou 80 anos, dependendo de onde se esteja no mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a mulher típica no Japão, o país com a maior expectativa de vida no mundo, vive agora até quase 90 anos. Os EUA, ocupando o 36 lugar do mundo, tem uma expectativa média de vida de 79,8 anos.

A pessoa mais velha do mundo era do Japão, Misao Okawa, que completou 117 semanas antes de morrer. Em sua própria entrevista com o Daily Mail, ela deu um conselho simples: “Coma, durma e você vai viver muito tempo. Você tem que aprender a relaxar.” Ela tinha três filhos, seu filho sobrevivente tem 94 anos e sua filha sobrevivente 92. Seu marido morreu em 1931.

como-as-pessoas-mais-velhas-do-mundo-vivem-por-tanto-tempoCom 116 anos, Gertrude Weaver é a pessoa mais velha nos Estados Unidos e a mais velha do mundo. Weaver nasceu em Arkansas em 1898, e disse à Associated Press seus três segredos para a longevidade: “Confiando no Senhor, trabalho duro, e amando todo mundo”. Ela disse à Time que o seu segredo era a bondade. “Trate as pessoas direito e seja bom para outras pessoas do jeito que você quer que elas sejam boas para você”, disse ela.

Alguns outros supercentenários têm sugestões menos convencionais. Susannah Mushatt Jones nasceu no Alabama em 1899. Ela não fuma ou bebe, mas ama o bacon e churrasco de frango, disse sua sobrinha para a WABC-TV. Jerelean Talley, a segunda mulher mais velha dos Estados Unidos, com 115, cita “faça aos outros” como o segredo de sua longa vida, e seu filho diz que ela come orelhas e pés de porco, o que “meio que faz ela continuar”. Também nascida em 1899 é a mulher mais velha da Itália, Emma Morano. Ela disse a um jornal italiano que tinha vivido tanto tempo porque ela nunca usou drogas, bebe um copo de brandy caseiro todas as manhãs, e come três ovos, um cru, por dia. Mais importante, ela diz, é pensar positivo sobre o futuro. Morano deixou seu marido nos anos 30, mesmo que eles tenham continuado casados tecnicamente até ele morrer.

Levando todas essas histórias em consideração, é difícil descobrir como realmente viver mais tempo. Nunca se casar? Divorciar jovem? Comer mais ovos? Nunca beber? Ou tomar uma dose de conhaque todas as manhãs? Parece difícil obter qualquer conselho de confiança.

Os dados científicos são um pouco mais úteis, mas ainda limitados. Um dos estudos mais antigos e mais abrangentes de centenários vem do estudo do The New England Centenarian Study, liderado pelo Dr. Thomas Perls na Universidade de Boston. Eles descobriram alguns preditores para viver até a idade avançada: alguns centenários fumam, eles são quase todos magros, eles lidam com o estresse melhor, e eles estão relacionados a outros centenários.

O uso da palavra “preditores” dizem (um aumento nas vendas de sorvete pode prever temperaturas mais quentes, mas eles não as estão causando) que na maioria dos casos, os melhores dados que temos vem de estudos de coorte, ou o que chamamos quando você segue pessoas em dois grupos diferentes e vê o que acontece. Os estudos de coorte têm seus próprios problemas. É por isso que as recomendações de saúde parecem mudar tantas vezes, e está provado ser um problema para os epidemiologistas e outros cientistas interessados em estudar doença, longevidade, e como podemos ser mais saudáveis. Na melhor das hipóteses, estudos de coorte podem fornecer observações cuidadosamente controladas, mas esses estudos deixam a porta aberta para explicações alternativas.

Um efeito comum, por exemplo, é que os homens que se casam com mulheres muito mais jovens do que eles vivem mais tempo (e mulheres que se casam com alguém mais jovem ou mais velho do que elas realmente vivem vidas mais curtas). Alguém pode olhar para esses dados e sugerir que os homens que querem viver mais tempo deveriam se casar com mulheres mais jovens em sua velhice. Isso não é necessariamente verdadeiro porque pode haver muitas outras explicações para essa diferença.

Talvez os homens que se casam com mulheres mais jovens tendem a ser mais ricos e capazes de financiar melhores cuidados de saúde. Um estudo de coorte controlaria a renda comparando os homens ricos que se casam com mulheres jovens e homens ricos que não se casam – mas isso ainda deixa outras possibilidades. Pode ser que os homens que envelhecem melhor são mais atraentes para as mulheres mais jovens. Se é isso que está acontecendo, se casar com mulheres mais jovens não faria alguém envelhecer mais lentamente; isso só iria acontecer se esse alguém já está envelhecendo lentamente.

Enquanto estudos de coorte são frequentemente muito sofisticados e fornecem uma abundância de dados úteis, eles são ainda muitas vezes de uso limitado ao tentar tomar decisões baseadas em evidências. Para realmente entender o que está acontecendo, os cientistas precisam conduzir estudos controlados. Isso é difícil de fazer em casos do mundo real porque não podemos aleatoriamente fazer um grupo de mulheres se casarem e a outra metade ficar solteira para que possamos ver qual grupo vive mais tempo.

como-as-pessoas-mais-velhas-do-mundo-vivem-por-tanto-tempoIsso deixa uma incerteza desconfortável. Nossos melhores dados só parecem dar um pouco de ideia na melhor das hipóteses, e podem nos enganar, na pior. O estado atual da literatura, no entanto, parece sugerir que há um grande componente genético para viver mais de um século, e pequenas coisas podem aumentar nosso tempo de vida, como cortar o consumo de carne e álcool e se exercitar mais. De acordo com New England Centenarian Study, o americano médio parece ter os genes para que ele chegue confortavelmente aos seus 80 anos, desde que cuide de si e tenha a sorte de evitar doenças graves. É improvável que você vai viver até seus 100 anos, a menos que você tenha um parente que chegou até essa idade.

Sabendo de tudo isso, ainda é difícil não sentir atração de encantadoras mulheres velhas contando sabedorias de uma vida longa. Com a ciência tão incerta, é tentador pensar que eles sabem algo que nós não sabemos, e talvez seja verdade. No mínimo, eles representam algo poderoso – tudo que as mulheres precisam para viver uma vida longa é um pouco de exercício, comida quente, e os genes certos. Nenhum homem é necessário.

* Vlad Chituc escreve para o The Daily Beast sobre religião e ciências sociais. Graduou-se em Psicologia pela Universidade de Yale e atualmente trabalha como pesquisador na Universidade de Duke. Ele explora a intersecção da psicologia, filosofia, e às vezes economia. Tradução livre de Sofia Lucena. Artigo publicado originalmente Aqui

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2313 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento