Comentários sobre a violência contra a pessoa idosa

Nos últimos sete anos, após um crescimento significativo do número de denúncias sobre a violência contra a pessoa idosa, é possível atribuir à divulgação uma tendência de estabilização em ascensão. Assim, nos últimos três anos, o número absoluto de denúncias à ouvidoria variou entre 32.238 em 2015 para 33.133 em 2017. 

 

O Brasil insere-se em uma das regiões consideradas dentre as mais violentas do mundo: a América Latina e Caribe. Trata-se de região formada por um conjunto de países que se assemelham pelas condições sociohistóricas, culturais e linguísticas, caracterizados por marcantes desigualdades socioeconômicas.

Os países que compõem a região são divididos, segundo a comparação com as taxas de homicídios mundiais em três conjuntos: taxas homicídio abaixo da média, acima e idênticas a estas médias. No primeiro conjunto, encontra-se o Brasil.

Há uma violência considerada normal, cotidiana, que não é sentida ou percebida, e outra extraordinária, gratuita, patológica ou excessiva. Esta última é a noticiada, destacada, declarada como insólita. Mas é importante salientarmos que não se tratam de violências distintas e sim de diversas faces da mesma moeda e que estas últimas, extraordinárias, não teriam acontecido se não ocorresse tolerância social para com as demais. Observa-se que os atos mais violentos, em muitos casos, são condutas socialmente permitidas e inclusive estimuladas.

Neste cenário, surge a violência contra os idosos, fenômeno complexo e que pode ocorrer em múltiplos cenários (familiar, institucional, social) e de múltiplas formas (física, psicológica, econômica, dentre outros). Em todos os países da América Latina e Caribe houve avanços em leis de proteção de direitos à criança, adolescente, mulher e idosos, principalmente com legislações que, cumpridas, devem determinar (e já determinam) diminuição da violência.

Nos últimos sete anos, após um crescimento significativo do número de denúncias, é possível atribuir à divulgação uma tendência de estabilização em ascensão. Assim, nos últimos três anos, o número absoluto de denúncias à ouvidoria variou entre 32.238 em 2015 para 33.133 em 2017. A negligência permanece sendo o tipo de violação mais frequente, seguido pela violência psicológica e abuso financeiro, em números crescentes. Já a violação física apresenta diminuição de queixas.

Notamos um padrão nestes relatórios quanto às pessoas idosas vitimadas: predominantemente mulheres (o número de homens vem aumentando), acima dos 71 anos. O relatório de 2017 frisa, no entanto, que parcela considerável de idosos já denuncia a partir dos 61 anos, e que a maioria das idosas vitimadas era branca, mas, quando analisamos os relatórios anteriores, vemos que há variabilidade quanto ao quesito cor, não permitindo verificar um padrão neste item.

Quanto ao perfil do suposto violador, filhos e netos são os principais denunciados e o maior número de abusos ocorre no ambiente doméstico do idoso, padrão que se repete ano a ano, confirmando dados que demonstram que a violência contra a pessoa idosa é, predominantemente, intrafamiliar.

Os dados brasileiros corroboram e são corroborados pelos obtidos para a América Latina e Caribe e para a Europa. Há concordância de que este é apenas uma parte do fenômeno, a ponta do iceberg, pois a violência contra a pessoa idosa é naturalizada por construções socioculturais importantes.

Violência conjugal

As mulheres idosas vítimas de violência conjugal apresentam piora da saúde, tanto objetiva quanto subjetiva, visualizados por quadro de somatizações, depressão, ansiedade e utilização de maior número de medicamentos, tais como antidepressivos e ansiolíticos. Há incremento da prevalência entre estas mulheres de problemas ósseos, digestivos, dor crônica, hipertensão, doenças cardíacas e alguns estudos demostram maior índice de mortalidade entre mulheres vítimas de abusos há anos, não decorrentes diretamente de lesões físicas, mas pelas consequências advindas da própria relação abusiva, demonstrando o impacto da violência no sistema psiconeuroimunológico.

Anos de abusos também afetam o autoconceito e a autoestima dessas mulheres que sentem, apesar de ter sofrido durante tantos anos, principalmente na esperança de proteger a seus filhos, que estes não reconhecem esse esforço, o que as deprime mais ainda, tornando-as mais desesperançadas. Há muito medo entre elas de ter que cuidar do par violentador.

Mulheres idosas vitimadas por violência se queixam da falta de serviços de apoio, os quais não se atentam às especificidades das idosas, principalmente quando estas apresentam incapacidades. Ouvir essas mulheres, entendendo como vivenciam seu sofrimento e dor, ajudando-as a construir um futuro no qual possam se sentir mais autônomas é a melhor forma de reconhecer e auxiliar nesses casos.

Vivemos uma sociedade que envelhece e se torna cada vez mais longeva, e mesmo considerando que os abusos, maus tratos e violência podem ocorrer em qualquer etapa do ciclo da vida, é no ciclo final da vida que os maus tratos se destacam, pois os idosos vão se tornando mais lábeis e fragilizados emocionalmente, o que predispõe a mais abusos, em um círculo vicioso.

Bibliografia

Celdrán, M. La violencia hacia la mujer mayor: revisión bibliográfica. Papeles del Psicólogo, 34(1): 2013, pp. 57-64. Disponível em https://www.redalyc.org/pdf/778/77825706006.pdf

Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL). Políticas y prácticas de prevención de la violencia que afecta a la juventud en Centroamérica Análisis comparativo. CEPAL: Santiago, Chile, 2015. Disponível em https://repositorio.cepal.org/handle/11362/39820

Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL). Ni una más! El derecho a vivir una vida libre de violencia en América Latina y el Caribe, 2015. Acesso em 15 out 2016. Disponível em:  https://www.cepal.org/es/publicaciones/2870-ni-mas-derecho-vivir-vida-libre-violencia-america-latina-caribe.

Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL). Envejecimiento e institucionalidad pública en América Latina y el Caribe: conceptos, metodologías y casos prácticos, 2016. Acesso em 15 out 2016. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/40197/1/S1600435_es.pdf.

Comisión Económica Para América Latina y El Caribe (CEPAL). Declaracion de Brasilia. 2007. Acesso em 15 out. 2016. Disponível em: https://www.cepal.org/publicaciones/xml/0/32460/lcg2359_e.pdf. Acesso em 15 out. 2016

Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL). Derechos de las personas mayores: retos para la interdependencia y autonomía. Comisión Económica para América Latina y el Caribe. CEPAL: Santiago, Chile, 2017. Disponível em https://www.cepal.org/es/publicaciones/41471-derechos-personas-mayores-retos-la-interdependencia-autonomia

Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL). Panorama Social de América Latina. CEPAL, 2017. Acesso em 15 jan. 2017. Disponível em: https://www.cepal.org/pt-br/publicacoes/tipo/panorama-social-america-latina-caribe

Declaração do Rio. Além da Prevenção e Tratamento: Desenvolvendo uma Cultura do Cuidado em resposta à Revolução da Longevidade, 2016. Disponível em https://www.ilcbrazil.org/wpontent/uploads/2014/03/declaracao_do_rio_Portugues.pdf. Acesso em: 23 jul. 2016.

Docampo Santaló L, Barreto Lacaba R, Santana Serrano C. Comportamiento de la violencia intrafamiliar en el adulto mayor. Arch Med Camagüey, 2009, 13(6). Disponível em: https://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1025-02552009000600010

Garmendia Lorena F. La violencia en América Latina. Anal Facul Med, 72 (4): 269-276, 2011.

Martina M, Nolberto V, Miljanovich M, Bardales O, Gálvez D. Violencia hacia el adulto mayor: Centros Emergencia Mujer del Ministerio de la Mujer y Desarrollo Social. Lima-Perú, 2009. Rev Peru Epidemiol, 14 (3): 2010 186-192. Disponível em https://sisbib.unmsm.edu.pe/BVRevistas/epidemiologia/v14_n3/pdf/a04v14n3.pdf

Ministério dos Direitos Humanos. Balanço anual Ouvidoria 2017. Disque Direitos Humanos, 2018. Disponível em https://www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao/ouvidoria/balanco-disque-100

Organização dos Estados Americanos. Convenção Interamericana sobre a Proteção dos Direitos Humanos dos Idosos. 2015. Disponível em: https://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/CAO_Idoso/Textos/Conven%C3%A7%C3%A3o%20Interamericana.pdf. Acesso em: 23 jul. 2016

Organización de las Naciones Unidas (ONU). Global Status Report on Violence Prevention. Genebra: Organização das Nações Unidas, 2014. Acesso em 03 set 2015. Disponível em: https://www.undp.org/content/dam/undp/library/corporate/Reports/UNDP-GVAviolence-2014.pdf

Secretaria Especial de Direitos Humanos. Balanço das denúncias de violações de Direitos Humanos, 2016. Recuperado em 23 julho, 2016, de https://www.sdh.gov.br/noticias/2016/janeiro/ApresentaoDisque100.pdf.

 

Foto de destaque: Agência Brasil

 

Maria Elisa Gonzalez Manso

Maria Elisa Gonzalez Manso

Médica e bacharel em Direito, pós-graduada em Gestão de Negócios e Serviços de Saúde e em Docência em Saúde, Mestre em Gerontologia Social e Doutora em Ciências Sociais pela PUC SP. Orientadora docente da LEPE- Liga de Estudos do Processo de Envelhecimento e professora titular do Centro Universitários São Camilo. Pesquisadora do grupo CNPq-PUC SP Saúde, Cultura e Envelhecimento. Gestora de serviços de saúde, atua como consultora nas áreas de envelhecimento, promoção da saúde e prevenção de doenças, com várias publicações nestas áreas.

maria-elisa-gonzalez-manso escreveu 15 postsVeja todos os posts de maria-elisa-gonzalez-manso