Cidade espanhola vira residência para idosos ao ar livre

Nesta pequena cidade de Cáceres, eles lançaram há uma década um programa inovador que transformou a cidade em um tipo de residência para idosos ao ar livre, embora os promotores prefiram simplesmente chamá-la de “uma comunidade amigável com os idosos”.

Daniel Sousa (*)


As principais artérias de comunicação das cidades conectam seus pontos mais movimentados. Pescueza, um pequeno município de Cáceres, com apenas 200 habitantes, não ia ser diferente. Sua população está muito envelhecida e, como os locais que a vizinhança mais frequenta são o centro dia, a igreja e o ambulatório, a prefeitura decidiu construir uma passarela azul com piso antiderrapante, na qual os idosos têm preferência. Além disso, eles também têm corrimãos nas ruas inclinadas e até um carro elétrico para pegar as pessoas que não podem mais se mover por conta própria.

Vista geral de Pescueza (Cáceres) / Daniel Sousa / Cadena SER

Há alguns anos, esta pequena cidade de Extremadura decidiu implantar um programa pioneiro sob o nome de ‘Fique conosco’, com o qual eles buscam gerar um ambiente amigável e totalmente adaptado para sua população mais velha. O projeto tenta romper com a ideia tradicional de cuidar de idosos em um asilo e procura impedi-los de deixar as casas onde viveram por toda a vida. “A ideia era que as pessoas não precisassem sair da cidade. Não só cuida dos idosos, mas gera emprego aqui”, explica Constancio Rodríguez, presidente da Associação Amigos de Pescueza, um dos grupos que promove a iniciativa.

O envelhecimento da população, devido às baixas taxas de natalidade e ao êxodo de jovens para as cidades em busca de oportunidades de emprego, é um dos principais desafios enfrentados pela Espanha vazia. Em Pescueza, eles conseguiram fazer disso uma virtude e transformaram a cidade em um tipo de residência para idosos ao ar livre, embora os promotores prefiram simplesmente chamá-la de “uma comunidade amigável com os idosos”. “O governo precisa entender que os serviços devem prevalecer nas áreas rurais porque, de outra forma, estão favorecendo a concentração nas grandes cidades”, afirmou Constâncio.

Nesta cidade, os idosos têm todas as suas necessidades atendidas: serviço de lavanderia, cabeleireiro, almoço e jantar em casa e até mesmo um telefone com teleassistência para o qual podem ligar se estiverem mal ou se sentirem sozinhos. Graças a um programa de voluntariado gerenciado pela União Democrática de Pensionistas, eles têm um sistema de apoio à solidão, pelo qual um grupo de estudantes universitários telefona e compartilha experiências semanais com os idosos de Pescueza. “Esse sistema os ajuda muito a aumentar a autoestima”, diz Constancio. Durante o dia, eles podem realizar atividades como oficinas ou ginástica, embora muitos prefiram ir à Praça principal, onde fica o único bar da cidade.

Até agora, eles conseguiram não apenas melhorar a qualidade de vida da população, mas criar onze empregos que atraem e proporcionam meios de subsistência para os jovens. A moradora mais nova é Camila, uma menina que nasceu há alguns meses. “Houve 17 anos em que nenhuma criança nasceu na cidade”, diz o prefeito Andrés Rodríguez. Montaña tem 34 anos e está no controle das lareiras da creche. Ela estudou culinária em Badajoz, uma cidade onde trabalhou por nove anos em um restaurante. Graças aos serviços que foram lançados em sua cidade natal, ela pôde retornar e estabelecer sua residência lá.

Ángel tem 96 anos e é o morador mais velho de Pescueza / Bru Rovira / Cadena SER

O vizinho mais velho tem 94 anos “completado recentemente” e há dois anos é  viúvo. O nome dele é Angel e ele diz que seu principal problema é a solidão. “Saúde, eu estou muito bem. Só tomo duas pílulas e aqui tem gente que toma até dez ”. Sempre que chega em casa, ele beija a foto de sua esposa, que ele conheceu quando criança na cidade e com quem passou a vida inteira. Ele é um dos usuários do centro dia, onde vai diariamente para realizar atividades organizadas. Tanto é assim que ele é o campeão de ginástica. Apesar de sua idade, ele ainda mantém uma memória invejável. Sempre carrega em sua carteira um pequeno papel com os títulos dos poemas do poeta de Extremadura Gabriel Galan, e é capaz de recitar de memória. Ouvi-lo é mágico.

Chegar a Pescueza não é tarefa fácil. Quando você digita o endereço no navegador, ele retorna as instruções para ir para um ponto indeterminado no meio do prado de Extremadura, onde há muitas azinheiras, sobreiros e oliveiras. Este ano é um pouco diferente, porque a vegetação é afetada por uma praga que eles chamam de “seca”. Embora, pelo nome, se esperasse que o problema fosse a falta de chuvas, a verdade é que as causas exatas pelas quais as árvores que fornecem os frutos com os quais os melhores porcos da Espanha são alimentados ainda são desconhecidas. Agora que a cidade está segura, é hora de se preocupar com o ecossistema.

“Realmente não gosto que chamem de Espanha Vazia. Será uma Espanha com poucas pessoas, mas grandes ideias ”, conclui o prefeito.

(*)Daniel Sousa é articulista do jornal cadenaser, Espanha. Tradução livre de Sofia Lucena. Foto destaque: Andy Solé


O curso “Centro dia para idosos: como se faz?” terá aula discursiva, expositiva e dialogada a partir de referências atuais e experiências práticas, com dinâmicas e reflexões, discussões de casos em que os inscritos poderão esclarecer suas principais dúvidas a respeito dos centros dia e esboçar seus projetos.

Inscrições: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/curso-centro-dia-para-idosos-como-se-faz/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2640 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento