A velhice será feminina

Tempo de Leitura: 4 minutos

O cuidado deve ter um foco de gênero, porque cuidar de uma mulher mais velha não é o mesmo que cuidar de um homem mais velho. A velhice será feminina e você deve se preparar.

Consuelo Lomas y Collage: Sofía Valenzuela (*)


O Chile é o país com maior expectativa de vida no continente sul-americano, estimando uma expectativa de vida média de 78 anos para homens e 85 para mulheres, segundo dados do INE (Instituto Nacional de Estadísticas). E, embora exista uma diferença relativamente baixa na expectativa de vida de chilenos e chilenas, atualmente as mulheres representam 63,6% de pessoas idosas com mais de 80 anos, segundo dados publicados pelo Observatório de Envelhecimento da Universidade Católica do Chile e Confuturo, cerca de 364.000. Até 2050, espera-se que haja mais de 1.200.000 mulheres nessa faixa etária.

Segundo os especialistas, as complicações associadas à feminização da velhice estão relacionadas ao fato de que o modo de envelhecer nas atuais gerações de mulheres é fortemente marcado pelos estereótipos de gênero que prevaleciam em suas vidas. Nesse sentido, a pesquisadora e especialista em psicogerontologia, Olivia Larraín, explica que as mulheres mais velhas são uma geração que cresceu com papéis de gênero muito estereotipados e que tiveram uma forte implicação no local de trabalho que afeta a velhice. “Isso significa que são mulheres com pensões piores porque tiveram trajetórias de trabalho mais precárias, o que se reflete em contribuições intermitentes para a aposentadoria”, diz a especialista. “Antes, não havia tantas políticas públicas associadas à proteção do trabalho durante a gravidez, e isso também contribuiu para o modo como aquelas gerações de mulheres habitavam o mundo do trabalho de maneira mais irregular, mais tarde ou com salários mais baixos que agora lhes geram piores aposentadorias”.

Mas, por outro lado, o estudo propõe que, para essas mesmas mulheres, que os estereótipos de gênero jogam contra elas economicamente, o polo social lhes oferece um fator protetor. “Assim como estereotipicamente, os homens estavam mais associados à esfera pública, as mulheres estavam ligadas ao privado, e é por isso que reforçaram ainda mais seus papéis sociais dentro e fora da família. Isso as tornou mais resilientes, porque elas têm mais redes de suporte mais fortalecidas”. Redes de suporte que, durante a velhice, são um espaço de contenção que muitos não possuem.

De acordo com o relatório Mulher e envelhecimento, apesar de haver mais mulheres do que homens mais velhos no Chile, nos estabelecimentos de longo prazo de SENAMA (Servicio Nacional del Adulto Mayor), a maioria dos residentes é do sexo masculino. María José Azócar, profissional do serviço e colaboradora do estudo, indicou no relatório que esse fenômeno “está diretamente relacionado às redes que construíram ou, neste caso, à ausência delas”. A especialista acrescenta que isso é explicado precisamente pelos padrões de gênero que governaram durante suas vidas ativas e que atualmente afetam a maneira como vivem a velhice e as levam a exigir os serviços prestados pelos ELEAM (Establecimientos de Larga Estadía para Adultos Mayores), dirigido a uma velhice mais fragilizada.

A psicóloga Olivia Larraín acrescenta que é importante que as políticas públicas tenham um foco claro em termos de atendimento às pessoas com mais de 80 anos de idade. Considerando não apenas que em 2050 serão na maioria mulheres, mas também que os cuidadores responsáveis ​​por essa crescente população também serão mulheres, como é o caso de hoje. “O cuidado deve ter um foco de gênero, porque cuidar de uma mulher mais velha não é o mesmo que cuidar de um homem mais velho”, explica a especialista. “Para uma mulher que sempre foi estereotipada como mais ligada ao cuidado de outras pessoas, não é fácil se deixar cuidar. Sempre será importante conhecer as características da pessoa e que o cuidado se concentre no indivíduo e não no fato de ser alguém mais velho”. A especialista alerta que, mesmo em um segmento da população que possa parecer específico, como mulheres com mais de 80 anos, existe uma enorme diversidade. “Elas são muito heterogêneas e isso é muito importante a ser considerado. O cuidado deve ser centrado na pessoa e isso envolve ser focado no gênero, mas também saber quais são as preferências, gostos e conhecer aquele que se cuida ”, explica ela.

O relatório esclarece que, à medida que as gerações avançam, considerações como gênero – que atualmente é uma característica muito importante para se definir as pessoas idosas – serão uma dimensão cada vez menos relevante. E outros aspectos, como gostos e interesses, terão mais força. “Haverá uma maior diversidade e heterogeneidade de pessoas idosas, mas não definidas por gênero, mas por gostos e outros aspectos. O gênero provavelmente não será mais um eixo que determina a trajetória de vida que, por sua vez decidirá o tipo de envelhecimento. Pelo menos é nisso que se está trabalhado agora”, diz Olivia Larraín.

De de acordo com a psicóloga, o único modelo de atendimento ao cuidado que resolve essa e outras dificuldades semelhantes que possam surgir em torno da questão dos idosos que estarão sob nossa responsabilidade no futuro é o modelo de atendimento centrado nas pessoas. “Atualmente, este modelo lida com dispositivos socioambientais e é o que transcende os estereótipos de gênero”, explica ela. E ela acrescenta que o foco está em entender as pessoas mais velhas como sujeitos de direito e não como objetos de nossa proteção. Esta distinção exige uma mudança de paradigma fundamental e necessária para enfrentar o que está por vir. “A chave é saber como você precisa ser cuidada nos seus 90 anos”, acrescenta ela.

Sobre como o Chile está se preparando em nível nacional para o crescimento explosivo da população mais velha, a especialista esclarece que várias peças da engrenagem social já foram acionadas. Mas ainda há muito a ser feito. “Nos últimos anos, modelos de atendimento foram incorporados a partir dos modelos biopsicossocial e sociossanitário, centrados na pessoa. As políticas públicas de envelhecimento ativo e a ratificação da Convenção sobre os Direitos Humanos das Pessoas Idosas, realizada no Chile em 2017, são medidas que foram tomadas nesse sentido ”, explica. “Obviamente falta muito porque o fenômeno do envelhecimento populacional é relativamente recente, mas estamos trabalhando nisso. Isso requer aprendizado contínuo e atualização contínua, porque as gerações de pessoas idosas também estarão constantemente mudando e talvez os modelos que atualmente servem não sirvam quando eu tiver 80 anos. Portanto, o cuidado centrado nas pessoas é fundamental, porque é capaz de se adaptar a todas essas mudanças”.

(*)Consuelo Lomas y Collage: Sofía Valenzuela escreveram para LATERCERA em 29 de maio de 2020. Tradução livre por Sofia Lucena.


Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 3436 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento