A universidade aberta é chave para o envelhecimento saudável

Intervenções na promoção do envelhecimento ativo para prevenir o comprometimento cognitivo têm se mostrado eficazes. Entre eles, programas universitários para idosos, que compensam o declínio associado à velhice e melhoram a saúde. 

Esther Sitges Maciá (*)


O envelhecimento da população é uma tendência global incontestável, com impacto social em todos os níveis, a tal ponto que, como declarado no  Relatório sobre a População Mundial da ONU (2017) , é uma das transformações sociais mais significativas do século XXI, com consequências nos serviços, saúde, educação, estrutura familiar, formas de convivência ou laços intergeracionais, entre outros.

Ao longo do processo de envelhecimento, as mudanças que experimentamos estão relacionadas em parte a fatores genéticos, mas também às atividades que realizamos ao longo do nosso ciclo de vida,  como  atividade física, alimentação ou formação acadêmica adquirida.

Talvez seja por isso que, em 2002, a Organização Mundial da Saúde definiu o termo envelhecimento ativo  como o “processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos idosos”. Este conceito foi baseado no modelo de envelhecimento bem sucedido desenvolvido por Rowe e Kahn  que, apesar de ser um bom ponto de partida, tem sido criticado por se concentrar principalmente nas  áreas mais biomédicas  e não considerar outras dimensões como  saúde mental ou outras variáveis que também contribuem para  o envelhecimento ativo e saudável.

Assim, em 2012, a OMS  ampliou  sua definição de “envelhecimento ativo e saudável”, incluindo claramente uma perspectiva biopsicossocial. Foi então considerado como “o processo de otimização de oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de aumentar a expectativa de vida saudável e a qualidade de vida”.

Ativo, independente e integrado

Na 69ª Assembleia Mundial da Saúde, os objetivos  foram definidos na Estratégia Global e no Plano de Ação 2016-2020. Os países foram instados a adotar mudanças tanto na legislação quanto na educação, de modo que os sistemas de saúde e bem-estar fossem sustentáveis ​​e incentivassem os idosos a permanecer ativos, independentes e totalmente integrados à sociedade.

Além disso, a OMS faz referência explícita ao papel que o ensino superior deve desempenhar nesse processo de “proporcionar oportunidades de participação social e desempenho de funções sociais significativas, combatendo assim processos que marginalizam e isolam os idosos”.

Na Espanha, mais de 19% da população tem 65 anos de idade ou mais e as  projeções indicam  que essa proporção aumentará para 29% dentro de 50 anos. Diante dessa realidade, a universidade espanhola adaptou suas estruturas e estudos há quase 30 anos para acomodar o treinamento especificamente voltado para esse grupo: os Programas Universitários para Mayores (PUM). Desde que o primeiro PUM foi criado em 1993 na Pontifícia Universidade de Salamanca, eles já estão totalmente integrados na oferta acadêmica da grande maioria das universidades espanholas. No ano letivo de 2018/2019 havia um total de 63.146 alunos matriculados.

Estes estudos assumem a filosofia de uma educação permanente, baseada no modelo de aprendizagem ao longo da vida, em que, além de adquirir conhecimento, os  alunos se beneficiam  criando novas redes sociais e participando de relacionamentos intergeracionais. Tudo isso também pressupõe os objetivos da OMS de alcançar, através do ensino superior, uma maior participação social dos idosos, entendida como o envolvimento em atividades voluntárias, o engajamento cívico e com a comunidade. Numerosos estudos mostram seus efeitos benéficos na longevidade ou satisfação com a vida, entre outros.

É inegável que o PUM contribuiu, ao longo destes quase 30 anos, para o empoderamento dos idosos, e ajudou a satisfazer os desejos da formação universitária de pessoas que, na sua juventude, não poderiam estar satisfeitas por questões sociais, econômicas ou culturais.

Além disso, hoje encontramos uma heterogeneidade de treinamentos e propostas culturais em praticamente todas as universidades espanholas. Os alunos, além da frequência às aulas, realizam outros tipos de atividades, como a participação em ações voluntárias, liderando projetos culturais, colaborando em pesquisas ou projetos de ação social, etc.

Em suma, os PUMs desempenham um papel importante no desenvolvimento e promoção do envelhecimento ativo e bem-sucedido no contexto da participação social. No campo cognitivo, há evidências crescentes sobre a eficácia de tais intervenções na promoção do envelhecimento ativo como uma estratégia preventiva do comprometimento cognitivo para compensar o declínio associado ao processo de envelhecimento e promover a autopercepção positiva do envelhecimento, cuidados pessoais e estado de saúde. 

(*)Esther Sitges Maciá é professora titular do Departamento de Psicologia da Saúde e diretora de área do Programa Integral para Mayores da Universidade Miguel Hernández, Espanha. Originalmente publicado pela The Conversation. Tradução livre de Mario Lucena. Foto: Marcos Santos / USP Imagens


Inscrições: https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/workshop-a-meditacao-e-o-envelhecimento/

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 2627 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento