Todos nós envelhecemos – não deixe a indústria da idade estigmatizar isso

É ótimo que possamos viver de um jeito saudável depois da meia-idade. Ruim se a necessidade de desafiar o tempo se torna uma tirania.

Gaby Hinsliff*

 

Há algum tempo, a chegada da meia-idade vinha junto com a alegria. Que felicidade, de certa forma, finalmente deixar-se ir. Jogar fora a tintura de cabelo, comprar um tamanho maior de roupa, parar de se sentir mal por nunca fazer qualquer exercício e, com gratidão, desistir da pretensão de acompanhar a moda ou a música. Bastaria colocar um cardigan, e deixar tudo caindo. Libertação, de fato.

Mas os tempos mudaram, e a era recentemente renomeou como “terceira-idade” – muito mais antiquado – não é mais um lugar confortável para se esconder. Bem-vindo ao mundo do novo velho, onde os mais de 50 anos são quase tão bombardeados como seus filhos adolescentes por conselhos sobre como ficar magro, mais e mais gostosos por mais tempo e por aí vai.

Mimi Spencer, autora do livro infame dieta 5: 2 – o que fez com que todos, de George Osborne para Benedict Cumberbatch, fizessem jejum dois dias por semana – está de volta como coautora de um novo livro de receitas para os com mais de 50 anos, o que parece ter receitas para não muitas calorias, mais um monte de “antienvelhecimento”, açafrão e linhaça.

O ponto de seu regime de cozinha de terceira-idade é, ela insiste, não tanto a perda de peso tradicional quanto desafiar a desaceleração, esticamento e amolecimento que tradicionalmente vem com os corpos envelhecidos. E é testemunho de seu olho infalível para uma tendência que você mal consegue abrir uma revista feminina ou um suplemento de fim de semana sem tropeçar em alguma nova e desgastante estratégia nova para desafiar o inevitável – tudo ilustrado por fotos do que parecem suspeitosamente como corpos de vinte e poucos anos, com abdomens tão tensos que você poderia fazer trampolim sobre eles, temperados ocasionalmente com dicas de antienvelhecimento de duvidosa proveniência científica.

Coma mais nozes! Levante pesos! Faça mais sexo, aprenda uma nova língua, e não se esqueça de fazer sudoku para manter seu cérebro ativo! A indústria de auto-aperfeiçoamento está passando de uma centena de maneiras diferentes de dizer “não engorde” a algo mais parecido com “não fique velho (pelo menos não de uma maneira onerosa)”.

Pois está começando a ser quase antissocial, com o National Health Service – NHS (Serviço Nacional de Saúde) do Reino Unido, visivelmente decaindo, não combater a morte. Uma vez que começamos a ver as doenças dolorosas e crônicas da velhice como torções inevitáveis do destino ou da genética. Mas a crescente evidência de que mesmo condições como a demência – e ainda diabetes, câncer ou doença cardíaca – estão ligadas, pelo menos em parte, à dieta e ao exercício físico trazem um senso de responsabilidade. Esforçar-se para permanecer jovem foi considerado uma vez vão. A este ritmo, pode começar a parecer mais como poupança para uma pensão: um investimento prudente para ter uma velhice confortável (especialmente quando todos nós precisamos trabalhar por mais tempo), e praticamente um dever moral para aqueles que de outra forma teriam que cuidar de você.

Esta semana, um estudo foi publicado sugerindo que ter uma “idade cerebral” – essencialmente uma medida de quão bem suas células cinzentas estão envelhecendo – mais velha do que a sua idade cronológica pode indicar que você está em risco de morrer jovem. Isso abre a possibilidade de um teste que pode no futuro estar disponível para todos os médicos generalistas, permitindo-lhes prever razoavelmente confiantes quais dos seus pacientes de meia-idade estão arriscando uma doença grave se não mudar os seus atos.

Parece antiético para os médicos não compartilhar conhecimento que poderiam, pelo menos em teoria, evitar mortes prematuras, mas a questão é menos simples do que parece – não menos importante porque muitas das pessoas mais em risco não necessariamente querem saber. Eu me senti levemente ridícula indo para o laboratório para o meu over-40s MOT – um exame gratuito do NHS agora oferecido a qualquer pessoa na faixa etária, para pegar sinais de alerta precoce de condições tais como pressão arterial elevada – quando não havia nada de errado comigo. A enfermeira admitiu que a maioria daqueles que tomam o teste revelam-se saudáveis. Os fumantes, os obesos e alcoólatras são muitas vezes relutantes em aceitar a oferta por medo de descobrir algo terrível.

Então, em vez disso, ela vê mais do que sua parcela justa de preocupados e homens em Lycra, desesperados para conseguir uma estrela de ouro para ciclismo de 200 milhas todo fim de semana.

Essa realidade é assustadora, é precisamente por isso que a maioria de nós prefere não pensar nisso. Mais fácil fazer uma nota mental para começar a correr um dia, e depois alegremente esquecer tudo sobre isso. Mas a compreensão humana do processo de envelhecimento está mudando, e isso, por sua vez, inevitavelmente mudará o que significa estar na meia-idade. Como a educação universitária gratuita, abraçar a velhice sem culpa pode ser um daqueles prazeres que morrem com a geração do baby boom.

E realmente, devemos ser gratos por isso. Conhecimento é poder, e certamente é melhor ter mais controle sobre o nosso destino do que pensávamos. Saber que há algo que podemos fazer para evitar a temida perspectiva de decrepitude – mesmo que seja mais fácil para alguns conseguirem do que outros, e mesmo que não seja garantido que funcione.

Se a perspectiva de devoção à soja e à esteira não for emocionante, a perspectiva de ossos frágeis, de diabetes ou de uma aposentadoria empobrecida por motivos de saúde dificilmente é hedonista. E quem negaria aos com mais de 50 anos o direito à sua própria sexualidade, à vitalidade, à não serem tratados de forma condescendente?

Mas cuidado com o ponto onde a indústria de auto-aperfeiçoamento percebe que sentimentos de inadequação e vergonha do corpo já não têm um limite de idade, e que há ouro no mercado para os mais velhos. Há uma linha tênue entre estar entusiasmado com a maneira como alguém como Helen Mirren está derrubando barreiras profissionais para mulheres mais velhas, e se sentir mal por não parecer Helen Mirren com 62 anos em um biquíni. Entre querer ficar em forma, e sentir sob pressão totalmente irrealista para ficar gostosa. Vamos esperar que a idade ainda traga a sabedoria para saber a diferença.

  • Tradução livre de Sofia Lucena, colaboradora do Portal do Envelhecimento.

Sofia Lucena

Sofia Lucena

Estudante de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos (SP). Colabora com o Portal do Envelhecimento fazendo traduções de temas relacionados à longevidade humana. E-mail: sofiacortel@hotmail.com

sofialucena escreveu 19 postsVeja todos os posts de sofialucena