Seus pensamentos podem fazer você envelhecer mais rápido?

Pesquisadores descobriram que seus padrões mentais podem prejudicar seus telômeros – partes essenciais do DNA da célula – e afetar sua vida e saúde. A cientista vencedora do Nobel de Medicina, Elizabeth Blackburn, e a psicóloga de saúde Elissa Epel, explicam.

Elizabeth Blackburn e Elissa Epel (*)

 

Como pode uma pessoa parecer esbanjar de boa saúde, enquanto outra parece envelhecer antes de seu tempo? Os seres humanos têm feito essa pergunta há milênios e, recentemente, está se tornando cada vez mais claro para os cientistas que as diferenças entre as taxas de envelhecimento das pessoas estão nas interações complexas entre genes, relações sociais, ambientes e estilos de vida. Mesmo que você nasça com um determinado conjunto de genes, a maneira como você vive pode influenciar como eles se expressam. Alguns fatores de estilo de vida podem até mesmo transformar genes ou inibi-los.

Profundamente dentro do coração genético de todas as nossas células estão os telômeros, ou segmentos de repetição de DNA não codificante que vivem nas extremidades dos cromossomos. Eles formam tampas nas extremidades dos cromossomos e impedem que o material genético se desenrole. Se encurtando com cada divisão celular, eles ajudam a determinar quão rápido uma célula envelhece. Quando ficam muito curtos, a célula para de se dividir completamente. Esta não é a única razão pela qual uma célula pode se tornar senescente – há outras tensões nas células que ainda não compreendemos muito bem -, mas os telômeros curtos são uma das principais razões pelas quais as células humanas envelhecem. Nós dedicamos a maioria de nossas carreiras ao estudo de telômeros, e uma descoberta extraordinária de nossos laboratórios (e visto em outros laboratórios) é que os telômeros podem realmente se alongar.

O que isto significa

Envelhecimento é um processo dinâmico que poderia ser acelerado ou retardado – e, em alguns aspectos, até mesmo invertido. Até certo ponto, surpreendeu-nos e ao resto da comunidade científica que os telômeros não realizem simplesmente os comandos emitidos pelo seu código genético. Seus telômeros estão te ouvindo. Os alimentos que você come, sua resposta aos desafios, a quantidade de exercício que você faz, e muitos outros fatores parecem influenciar seus telômeros e podem prevenir os efeitos do envelhecimento prematuro em nível celular. Uma das chaves para desfrutar de boa saúde é simplesmente fazer a sua parte para promover a renovação de células saudáveis.

Os cientistas aprenderam que vários padrões de pensamento parecem ser prejudiciais aos telômeros, e um deles é a hostilidade cínica. A hostilidade cínica é definida por muita raiva e pensamentos frequentes de que outras pessoas não podem ser confiáveis. Alguém com hostilidade não apenas pensa: “Eu odeio ficar em longas filas na mercearia”; Eles pensam: “Aquele outro comprador deliberadamente acelerou o passo e roubou minha posição legítima na linha!” – e então ferve de raiva. As pessoas que pontuam alto em medidas de hostilidade cínica tendem a ter mais doenças cardiovasculares, doenças metabólicas e muitas vezes morrem em idades mais jovens. Elas também têm telômeros mais curtos. Em um estudo de funcionários públicos britânicos, homens que obtiveram pontuações altas em medidas de hostilidade cínica tinham telômeros mais curtos do que homens cuja pontuação de hostilidade era baixa. Os homens mais hostis foram 30% mais propensos a ter uma combinação de telômeros curtos e telomerase alta (uma enzima nas células que ajuda a manter os telômeros em boa forma) – um perfil que parece refletir as tentativas malsucedidas de telomerase para proteger telômeros quando eles estão curtos demais.

Esses homens tinham o oposto de uma resposta saudável ao estresse. Idealmente, seu corpo responde ao estresse com um pico de cortisol e pressão arterial, seguido por um rápido retorno aos níveis normais. Em vez disso, quando esses homens foram expostos ao estresse, sua pressão arterial diastólica e níveis de cortisol atenuaram, um sinal de que sua resposta ao estresse basicamente parou de funcionar por conta do uso excessivo. Sua pressão arterial sistólica aumentou, mas em vez de retornar aos níveis normais, manteve-se elevada por um longo tempo. Os homens hostis também tinham menos conexões sociais e menos otimismo. Em termos de sua saúde física e psicossocial, eles eram altamente vulneráveis a um período de doença precoce, os anos na vida de uma pessoa marcada pelas doenças do envelhecimento, que incluem doenças cardiovasculares, artrite, um sistema imunológico enfraquecido e muito mais. As mulheres tendem a ter menor hostilidade, e é menos relacionada a doenças cardíacas para elas, mas há outros culpados psicológicos que afetam a saúde das mulheres, como a depressão.

O pessimismo é o segundo padrão de pensamento que demonstrou ter efeitos negativos sobre os telômeros. Quando nossa equipe de pesquisa conduziu um estudo sobre o pessimismo e o comprimento dos telômeros, descobrimos que as pessoas que obtiveram pontuações altas em um inventário de pessimismo tinham telômeros mais curtos. Este foi um pequeno estudo de cerca de 35 mulheres, mas resultados semelhantes foram encontrados em outros estudos, incluindo um com mais de 1.000 homens. Ele também se encaixa com um grande corpo de evidências de que o pessimismo é um fator de risco para a má saúde. Quando os pessimistas desenvolvem uma doença relacionada ao envelhecimento, como câncer ou doença cardíaca, a doença tende a progredir mais rapidamente. Como pessoas cinicamente hostis – e as pessoas com telômeros curtos, em geral – elas tendem a morrer mais cedo.

Se remoer – o ato de trazer à tona problemas repetidamente – é o terceiro padrão destrutivo do pensamento. Como diferenciar se remoer de reflexão inofensiva? Reflexão é a análise natural, introspectiva, sobre por que as coisas acontecem de certa maneira. Pode causar-lhe algum desconforto saudável, mas se remoer te faz se sentir terrível. E nunca conduz a uma solução, somente a mais preocupação.

Quando você fica se remoendo, o estresse fica em torno do corpo muito tempo após a razão do estresse ter acabado, sob a forma de pressão arterial prolongada, ritmo cardíaco elevado e níveis mais elevados de cortisol. Seu nervo vago, que ajuda você a se sentir calmo e mantém seu coração e sistema digestivo estável, se inibe – e permanece inibido muito tempo depois que o estressor acabou. Em um estudo, nós examinamos diariamente respostas de estresse em mulheres saudáveis que eram cuidadoras familiares. Quanto mais as mulheres se remoiam após um evento estressante, menor a telomerase em suas células CD8 envelhecidas (as células imunes cruciais que enviam sinais pró-inflamatórios quando estão danificadas). Pessoas que se remoem experienciam mais depressão e ansiedade, que, por sua vez, estão associados a telômeros mais curtos.

O quarto padrão de pensamento é a supressão do pensamento, a tentativa de afastar pensamentos e sentimentos indesejados. O falecido Daniel Wegener, um psicólogo social de Harvard, uma vez se deparou com esta frase do grande escritor russo Leo Tolstoi: “Tente propor para si esta tarefa: não pensar em um urso polar, e você verá que a coisa amaldiçoada virá a cada minuto”. Wegener pôs essa ideia à prova através de uma série de experimentos e identificou um fenômeno que ele chamou de erro irônico, o que significa que quanto mais forçosamente você afasta seus pensamentos, mais eles chamam a sua atenção.

Erro irônico também pode ser prejudicial aos telômeros. Se tentarmos gerir pensamentos estressantes, afundando os maus pensamentos nas águas mais profundas do nosso subconsciente, pode ser contraproducente. Os recursos crônicos do cérebro estressado já são taxados – chamamos de carga cognitiva – tornando ainda mais difícil suprimir com sucesso os pensamentos. Em vez de menos estresse, temos mais. Em um estudo pequeno, a maior evitação de sentimentos e pensamentos negativos foi associada com telômeros mais curtos. Apenas evitar provavelmente não é suficiente para prejudicar os telômeros, mas pode levar à estimulação do estresse crônico e depressão, os quais podem encurtar seus telômeros.

O padrão de pensamento final é deixar a mente vagando. Psicólogos da Harvard, Matthew Killingsworth (TED Talk: Quer ser mais feliz? Viva no presente) e Daniel Gilbert (TED Talk: A surpreendente ciência da felicidade), usaram um aplicativo de iPhone “rastreie sua felicidade” para fazer milhares de perguntas sobre no que as pessoas se envolvem, o que suas mentes fazem, e como eles estão felizes. Killingsworth e Gilbert descobriram que passamos metade do dia pensando em algo diferente do que estamos fazendo. Eles também descobriram que quando as pessoas não estão pensando sobre o que estão fazendo, elas não são tão felizes como quando estão comprometidas. Em particular, a mente vagando negativamente – pensar negativamente, ou desejar que você estivesse em outro lugar – é mais provável de levar à infelicidade em seus próximos momentos.

Juntamente com Eli Puterman, estudamos cerca de 250 mulheres saudáveis, de baixo estresse, que variaram de 55 a 65 anos e avaliamos a tendência da mente vagar. Perguntamos a elas duas perguntas: Quantas vezes na última semana você teve momentos em que se sentiu totalmente concentrada ou empenhada em fazer o que estava fazendo no momento? Quantas vezes na última semana você teve momentos em que sentiu que não queria estar onde estava ou fazer o que estava fazendo no momento? Depois medimos os telômeros das mulheres.

As mulheres com os mais altos níveis de auto-relato da mente vagar tinham telômeros que encurtaram cerca de 200 pares de bases. (Para colocar isso em contexto, uma típica pessoa de 35 anos tem cerca de 7.500 pares de base de telômeros, de 65 anos, 4.800 pares de bases). Isto foi independentemente de quanta tensão elas tiveram em suas vidas. Algumas vezes deixar a mente vagar pode ser criativo, é claro. Mas quando você está pensando pensamentos negativos sobre o passado, é mais provável que você fique infeliz, e você pode até mesmo experimentar níveis mais elevados de hormônios de estresse de repouso.

Os padrões negativos de pensamento que descrevemos são automáticos, exagerados e controladores. Eles assumem sua mente; É como se eles amarrassem uma venda nos olhos ao redor do seu cérebro para que você não pudesse ver o que realmente está acontecendo ao seu redor. Mas quando você se torna mais consciente de seus pensamentos, você tira a venda. Você não vai necessariamente parar os pensamentos, mas você tem mais clareza. Atividades que promovem uma melhor percepção do pensamento incluem a maioria dos tipos de meditação, juntamente com a maioria das formas de exercícios de mente-corpo, incluindo corrida de longa distância.

A consciência do pensamento pode promover a resistência ao estresse. Com o tempo, você aprende a não se remoer e pensar: “Isso é apenas um pensamento, vai passar.” Isso é um segredo sobre a mente humana: Não precisamos acreditar em tudo o que nossos pensamentos nos dizem. Ou, como o adesivo no vidro traseiro diz, “não acredite em tudo que você pensa.”

Extraído do novo livro The Telomere Effect: Uma abordagem revolucionária para viver mais jovem, mais saudável, por mais tempo por Elizabeth Blackburn e Elissa Epel. Reimpresso com permissão da Grand Central Publishing, uma divisão da Hachette Book Group, Inc. © 2017. Tradução livre de Sofia Lucena.

(*)Elizabeth Blackburn recebeu o Prêmio Nobel de Medicina em 2009 por seu trabalho pioneiro na descoberta da natureza molecular dos telômeros. Ela é presidente do Instituto Salk. Elissa Epel é uma psicóloga da saúde que estuda estresse, envelhecimento e obesidade. Ela é diretora do Centro de Envelhecimento, Metabolismo e Emoções da UCSF e é diretora associada do Centro de Saúde e Comunidade. Texto publicado em: http://ideas.ted.com/could-your-thoughts-make-you-age-faster/

 

Sofia Lucena

Sofia Lucena

Estudante de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos (SP). Colabora com o Portal do Envelhecimento fazendo traduções de temas relacionados à longevidade humana. E-mail: sofiacortel@hotmail.com

sofialucena escreveu 19 postsVeja todos os posts de sofialucena