Sabor da vida

Sentaro dirige uma pequena loja que serve dorayakis – pequenas panquecas recheadas com doce de feijão. Um dia, Tokue, uma simpática senhora, se oferece para ajudar na cozinha. Inicialmente, ele nega, mas depois de provar a preciosa iguaria…a vida do chef floresce, assim como as cerejeiras que invadem o cenário de amizade e encantamento dos “diferentes”.

Longeviver guarda muitos significados: um deles está reservado a todos aqueles que com prazer degustam das sutilezas do “Sabor da Vida”. Não por acaso, esse é o título da história contada pela diretora Naomi Kawase, um faz de conta sobre a delicada amizade de três “marginalizados”, os excluídos do mundo e de si mesmos. Pessoas que buscam pelas coisas simples do dia a dia, dar um sentido a vida, tornando suas existências, quem sabe, uma diferença, mesmo que pequena e aparentemente sem valia para o outro.

Um desses personagens é o melancólico Sentaro (Masatoshi Nagase), um homem de poucas palavras, gerente de uma humilde loja de dorayakis, um doce japonês que consiste em pequenas panquecas recheadas com doce de feijão. Ele possui poucos, mas fiéis clientes, principalmente jovens estudantes. Mas, quando achamos que nada mais poderia acontecer na sua monótona e entediante rotina, surge a simpática Tokue (Kirin Kiki), uma senhora de mais de 70 anos que, surpreendentemente, lhe pede emprego: “Faço isso há 50 anos”, diz ela.

Inicialmente Sentaro nega: como alguém com “limitações” daria conta do serviço? Tokue foi afastada da sociedade por ter sofrido hanseníase e ficado com as mãos deformadas.

Um dia, inteligentemente e com extrema humildade, a mulher de alguns anos bem vividos de vida deixa, num pequeno potinho, sua amostra de doce de feijão para degustação do chef, uma iguaria que poucos conhecem os segredos do correto ritual de elaboração. Tokue conhece a linguagem dos rebeldes “pretinhos”. Ela costuma dizer: “Estava falando com eles” [em referência aos feijões].

Com respeito e devoção ao “tempo e movimento dos feijões”, sem pressa, Tokue conquista a confiança do triste cozinheiro e resgata a alegria há muito esquecida. Com o passar dos dias, aos poucos, a parceria se torna mais íntima e especial, uma relação construída com calma, carinho e tolerância, um ganha/ganha de longeviver que faz com que Sentaro enxergue a vida de uma maneira totalmente diferente.

A terceira personagem dessa incrível relação de amizade é a jovem Wakana (Kyara Uchida), uma menina que se sente incompreendida por todos e que acaba encontrando na loja uma forma de refúgio, acolhimento e compreensão que, até então, só sente receber de seu passarinho, carinhosamente guardado por ela numa gaiola: não se pode deixar “escapar” o raro e verdadeiro afeto.

Sentaro, Tokue e Wakana, representam os diferentes que formam a família do coração, a chamada família informal, e o alimento, a metáfora do amor que nutre pela via do afeto e do respeito.

Com personagens simples, mas ao mesmo tempo, complexos e de extrema sabedoria, a diretora Kawase reforça o envelhecer, assim como o psicólogo James Hillman (2001, p. 24), como algo necessário, fundamental para a condição humana e pretendido pela alma: “Muito mais importante é olhar para a velhice como um estado de ser, e para o “velho” como um fenômeno arquetípico, com seus próprios mitos e significados. Este é o desafio mais ousado: encontrar o valor no envelhecimento sem pedir esse valor emprestado à metafísica e às teologias da morte: o envelhecimento por si só, uma coisa própria, liberta do cadáver”.

E no cenário que preenche os vazios desses três “diferentes”, temos um quarto elemento: uma cerejeira próxima à loja dos doces de feijão, um símbolo que expressa o princípio cíclico da queda e da renovação.

Integrada nos galhos da natureza e na flor que enfeita a massa do doyaki, Tokue encerra a jornada do herói e, porque não dizer, o ciclo de vida da heroína que, com sorte, se tornou a velha sábia.

Trailer disponível Aqui   

Referências 

HILLMAN, James. A Força do Caráter: e a poética de uma vida longa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

 

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 308 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento