Os centenários de 2016

Mais e mais pessoas atingem os 100 anos de idade. O número estimado de centenários em todo o mundo dobrou desde 1995 (150.000 para mais de 300.000 hoje), e deverá aumentar nas próximas décadas. Mas isso não significa que os seres humanos podem viver mais tempo do que no século passado.

 

“Eu nunca teria pensado que entraria um dia na Casa Branca!” Ao conhecer o presidente americano no Salão Oval em fevereiro, Virginia McLaurin, 106 anos, ficou eufórica de alegria. O vídeo da centenária improvisando um passo de dança com Barack Obama foi ao ar e viralizou em todo o mundo.

A vitalidade da venerável americana que atualmente impressiona provavelmente parecerá insignificante em uma década: o número estimado de centenários em todo o mundo dobrou desde 1995 (150.000 para mais de 300.000 hoje), e deverá aumentar nas próximas décadas.

Em um artigo do Journal of Gerontology da Universidade de Oxford, publicado em 2004, a pesquisadora Leslie Stephen Coles estimou em 3,5 milhões o número de pessoas com idades compreendidas entre 100 anos e mais no mundo em 2050.

Mais e mais centenários

No gráfico observa-se a evolução e previsão do número de centenários listados por país de 1950-2100.  

Hoje, os Estados Unidos e o Japão são os países onde a maioria dos centenários estão (cerca de 50000 cada). No entanto, nota-se que, segundo as previsões, essa hegemonia será desafiada em 2100 por “países emergentes”, como a China e, em menor medida, o Brasil.

Os mais velhos são principalmente as mais velhas

Por enquanto, o topo da pirâmide está ocupado pelo Japão e os Estados Unidos. Entre as 50 pessoas reconhecidas como as mais velhas do mundo, 22 são japonesas e 11 americanas. Quase metade dos 50 mais velhos do mundo é japonês.

A lista de “supercentenários” – pessoas com idades de 110 anos ou mais – está sendo constantemente atualizada pelo Grupo de Pesquisa de Gerontologia (GRG) da Universidade de Los Angeles. Estabelecida através das datas de nascimento, é a única lista confiável para designar os anciãos da humanidade.

Até hoje, a pessoa mais velha do mundo é Susannah Mushatt Jones, nascida no estado do Alabama há 116 anos e 7 meses. Ela e sua vice, a italiana Emma Morano, são oficialmente as duas últimas pessoas nascidas em 1899 que ainda estão vivas.

Desde 1997, Jeanne Calment detém o recorde de longevidade para um ser humano, como observamos no gráfico a seguir.

As quinze pessoas que mais viveram no mundo

Este ranking é amplamente dominado por mulheres. O primeiro homem, Jiroemon Kimura (116 anos e 54 dias) ocupa apenas o 13º lugar, o japonês, que morreu em 2013, é o único homem a ter comemorado seu aniversário de 116 anos. O homem mais velho no mundo ainda vivo, também japonês, Masamitu Yoshida, tem 111 anos e 8 meses e ocupa a posição 54.

Por 50 anos, a idade do ancião da humanidade aumentou pouco. No entanto, o crescente número de centenários não significa que os seres humanos podem viver mais tempo do que no século passado. A francesa Jeanne Calment continua sendo, desde a sua morte em 1997, a pessoa que viveu por mais tempo da história (mais de 122 anos). O período atual não contém o record: fora a idade de Jeanne Calment, as idade mais antigas da humanidade não aumentaram significativamente desde 1955 (113 a 116 anos). De acordo com um estudo publicado na revista Nature, em outubro de 2016, a idade máxima que as pessoas podem alcançar foi atingida na década de 1990 e agora espera-se estagnar.

Nos EUA, por exemplo, a expectativa de vida depois dos 100 anos – o número médio de anos restantes passado essa idade – aumentou apenas ligeiramente desde 1900 (0,7 anos e 8 meses). Ela ainda diminuiu desde a década de 1980. Esta falta de tendência clara não significa que a expectativa de vida dos centenários melhora.

Uma evolução das diferentes expectativas de vida dos dois sexos

Ao contrário da expectativa de vida global à nascença, a evolução dos centenários não é facilmente identificável porque viver além de 100 anos ainda é uma exceção. É principalmente uma questão de indivíduos com predisposição genética, os cientistas notaram que muitas vezes a árvore genealógica de uma supercentenária é formada de pessoas com longevidade excepcional.

Reivindicações para ser parte do livro de recordes são muitas e nem todos são verificados por meio do GRG. Uma haitiana de 120 anos, Cicilia Laurent, sobrevivente do terremoto de 2010, está tentando ser reconhecida como uma anciã da humanidade. Equipes do Livro Guinness e do GRG estão em busca da data do seu nascimento na ilha caribenha.

Hoje, supercentenários representam cerca de 300 a 450 pessoas em todo o mundo, mas apenas cinquenta podem ser verificados.

Para saber mais sobre esta temática, acompanhe a seção Longevidade do Portal do Envelhecimento.

(*)Valentin Pasquier escreve para o LE MONDE. Tradução livre de Sofia Lucena.

Sofia Lucena

Sofia Lucena

Estudante de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos (SP). Colabora com o Portal do Envelhecimento fazendo traduções de temas relacionados à longevidade humana. E-mail: sofiacortel@hotmail.com

sofialucena escreveu 19 postsVeja todos os posts de sofialucena