O impacto econômico das alterações demográficas

“A projeção mais recente das Nações Unidas para a população mundial reflete as significantes alterações demográficas prováveis de ocorrerem em diferentes partes do mundo nas próximas décadas. Essas alterações têm forte implicações econômicas, e muitas delas já estão acontecendo”, escreve Amitendu Palit, pesquisador sênior da Universidade Nacional de Singapura em artigo publicado no jornal China Daily, em 10/07/2013.

Tradução livre de Carolina Lucena. Texto e fotos (*)

 

Para Amitendu Palit, uma das principais projeções é a emergência da Índia como o país mais populoso do mundo daqui a 15 anos, quando se espera que a população da Índia se iguale a da China em 2028 e posteriormente a ultrapasse. Hoje a Índia tem 1.45 bilhões de habitantes, mas em 2.100 está previsto que sua população deve alcançar 1.5 bilhões, comparado com 1.1 bilhão da China.

Segundo o pesquisador, a natureza do crescimento populacional é o que diferença as projeções desses dois países para o final do século. Diz ele que “Enquanto a população indiana crescerá com um percentual positivo durante várias décadas e apenas no final do século começará a declinar, o percentual de crescimento chinês se tornará negativo a partir de 2030 e sua população começará a declinar muito antes da indiana.”

Amitendu Palit comenta ainda que a população da Índia deve ser maior que a da China em 2030, e que a Nigéria ultrapasse a China e se torne o segundo país mais populoso até o final do século. De acordo com o pesquisador, a Nigéria tem hoje 173 milhões de habitantes, mas alerta que “o seu crescimento populacional será praticamente explosivo e sua projeção indica que sua população superará a dos Estados Unidos na metade deste século e se igualará a da China no final do mesmo.”

o-impacto-economico-das-alteracoes-demograficasAlém da Nigéria, diz Amitendu Palit, Tanzânia, Congo, Etiópia, Uganda e Niger são outros países que apresentam projeções de rápido crescimento populacional. Países que se juntaram ao Paquistão e à Indonésia como os mais populosos do mundo, seguindo Índia e China. O pesquisador assinala que na realidade, “projeta-se que o continente africano será o maior contribuinte para o aumento da população mundial neste século.”

O impacto

O envelhecimento vem sendo apontado como um grande problema para os países porque gera mais encargos com aposentadorias, pensões, assistência social e serviços de saúde a idosos, entre outros. Dentro dessa linha de pensamento, as transformações demográficas apontadas por Amitendu Palit apresentam vastas implicações econômicas, forçando os países a produzirem maior arrecadação para acomodar a expansão de gastos sociais decorrente da nova demografia.

Como ficarão a Ásia e África que apresentam o fenômeno demográfico de rápido crescimento populacional e alta fertilidade, tornando-se os maiores centros populacionais no futuro?

Na opinião de Amitendu Palit, “enquanto uma Nigéria rica em recursos e relativamente industrializada pode crescer e se desenvolver para se tornar uma forte economia regional, outras economias africanas que também apresentam rápido crescimento populacional podem acabar permanecendo economicamente atrasadas. Até a Nigéria, apesar de seu potencial, pode ter dificuldades em expandir sua economia para um tamanho que gere meios de subsistência suficientes para a sua população em rápido crescimento.”

O pesquisador chama a atenção para os desequilíbrios econômicos que essas alterações demográficas possam causar, caso não sejam acompanhados por um fenômeno econômico de desenvolvimento sustentável que gere empregos. Aliás, uma preocupação que se aplica não só na África, mas em economias com grande número populacional na Ásia, como Índia, Indonésia e Paquistão.

o-impacto-economico-das-alteracoes-demograficasPara Amitendu Palit, atualmente é inconcebível que países africanos sejam capazes de aumentar seus crescimentos econômicos para níveis suficientes através da exploração das vantagens competitivas na exportação de recursos naturais. “A menos que equipados com uma boa infraestrutura e indústrias modernas, eles dificilmente conseguirão atingir um bom nível de desenvolvimento sustentável”, explica o pesquisador, acrescentando que o desenvolvimento de infraestrutura e indústrias modernas requer grandes investimentos.

Ele registra que grandes países em desenvolvimento como China, Índia, Indonésia, Brasil e México são as fontes óbvias desses investimentos, que já estão investindo massivamente na África e espera-se que invistam ainda mais no futuro. Países que tendem a se beneficiarem, pois seus investimentos gerariam renda e empregos para ambos os lados.

Segundo ele, para um país com um grande número de habitantes como a Índia, investir na África significa gerar novos empregos para sua própria população. “Novos projetos industriais em países africanos, que contam com pouca especialidade técnica, podem permitir que indianos qualificados tenham uma função nesses projetos ao mesmo tempo que esses projetos geram empregos locais que exigem pouca qualificação e dessa forma ambos os países são beneficiados”, escreve Amitendu Palit.

o-impacto-economico-das-alteracoes-demograficasNa opinião de Amitendu Palit, a Índia e a Indonésia, apesar de terem menor taxa de fertilidade, terão um crescimento populacional positivo por muito tempo e, portanto, terão jovens trabalhadores. Para tanto terão que criar postos de trabalhos adequados para o aumento do número de participantes em seus mercados de trabalho. Ele chama a atenção para países como a China e o Brasil que já apresentam redução nas taxas de fertilidade, envelhecimento da população e trabalhadores mais velhos.

(*) Este texto foi escrito por Amitendu Palit, pesquisador sênior da Universidade Nacional de Singapura.

Referência

PALIT, Amitendu. The impact of changing demographics. China Daily, wednesday, july 10, 2013. chinadaily.com.cn/opinion.

 

 

 

Portal do Envelhecimento

Portal do Envelhecimento

Redação Portal do Envelhecimento

portal-do-envelhecimento escreveu 363 postsVeja todos os posts de portal-do-envelhecimento