Medo de cair? Na Holanda curso ensina idosos a cair

O curso de queda, cheio de obstáculos, foi clinicamente concebido para ensinar aos idosos como andar em lugares perigosos e a como cair, pois cair pode ser uma coisa séria para idosos. O envelhecimento torna os ossos frágeis e os quebrados não se curam tão prontamente.

Christopher F. Schuetze. Fotos: Jasper Juinen (*)

 

Os gritos de crianças que brincavam no lado de fora ecoaram pelo ginásio onde uma pista de obstáculos estava sendo instalada. Havia a “calçada belga”, um engenho de madeira projetado para simular telhas soltas; uma “inclinação acentuada”, rampas anguladas em hostis 45 graus; e outros como “o slalom” e “a pirueta”.

No entanto, eles não eram para as crianças, mas para uma aula onde os alunos variaram entre 65 a 94 anos de idade. O curso de obstáculos foi clinicamente concebido para ensinar-lhes como andar em lugares perigosos sem ter que se preocupar com a queda, nem como cair caso isso acontecesse.

“Não é ruim ter medo de cair, mas isso coloca você em maior risco de queda”, disse Diedeke van Wijk, fisioterapeuta que dirige o WIJKfysio e ensina no curso três vezes por ano em Leusden, uma comunidade fora de Amersfoort , no centro do país. Os holandeses idosos de hoje, como em muitos outros lugares, vivem mais do que nas gerações anteriores, muitas vezes sozinhos. Como eles, os cursos que ensinam não apenas a forma de evitar cair, mas como cair corretamente, estão ganhando popularidade.

Este, chamado Vallen Verleden Tijd, traduz-se grosso modo como “A queda está no passado”. Centenas de cursos similares são ministrados por terapeutas fisio-ocupacionais em toda a Holanda.

No entanto, os cursos de queda – especialmente os testados clinicamente – são um fenômeno bastante recente, de acordo com Richard de Ruiter, do Sint Maartenskliniek em Nijmegen, o hospital da fundação que desenvolveu esse curso específico. Praticamente inédito há apenas uma década, os cursos agora são comuns o suficiente para que o governo os classifique. Certas formas de seguro de saúde holandês até cobrem parte dos custos.

Mesmo mais velhos, nem todos os alunos pareciam particularmente frágeis. Herman van Lovink, 88 anos, chegou em sua bicicleta. Assim como Annie Houtveen, de 75 anos. Mas alguns chegaram com andadores e bengalas, e outros foram cuidadosamente guiados por parentes.

Cair pode ser uma coisa séria para idosos. O envelhecimento torna os ossos frágeis e os quebrados não se curam tão prontamente.

Hoje, 18,5 por cento da população holandesa – cerca de 3,2 milhões de pessoas – tem 65 anos ou mais, de acordo com as estatísticas oficiais. Em 1950, época que alguns dos participantes mais jovens do curso nasceram, pessoas com 65 anos ou mais constituíam apenas 7,7% da população.

Em toda a Holanda, 3.884 pessoas com 65 anos ou mais morreram como resultado de uma queda em 2016, um aumento de 38% em relação aos dois anos anteriores.

Os especialistas dizem que o aumento das mortes reflete o envelhecimento geral da população e também fatores como o uso crescente de certos medicamentos ou inatividade geral.

“É o mesmo com crianças pequenas: mais e mais pessoas idosas têm um estilo de vida inativo”, disse Saskia Kloet, gerente do programa VeiligheidNL, instituição que oferece cursos similares.

Mesmo a inatividade nos 30 ou 40 anos poderia levar a problemas na vida mais tarde, ela observou.

Como muitas pessoas de sua idade, Hans Kuhn, de 85 anos, preocupava-se que sua rotina diária – e a habilidade de viver sozinha – acabaria se ela alguma vez perdesse o equilíbrio e caiu.

Ela vive em sua casa há décadas e esteve sozinha desde que seu parceiro morreu anos atrás. Sua escada acentuada e sinuosa está equipada com uma cadeira motorizada em um trilho para ajudar a alcançar os andares superiores. “Eu só uso isso quando eu tenho que trazer muitas coisas pesadas para o andar de cima”, disse a Sra. Kuhn, ela mesma fisioterapeuta aposentada.

Toda a casa da Sra. Kuhn é um estudo de eficiência e modificações simples que podem fazer toda a diferença para uma pessoa mais velha. Os corrimões são instalados apenas nos lugares certos, bem como rampas para acomodar seus dois andadores.

Existe uma bicicleta de ginástica estacionária para mantê-la em movimento, e uma máquina de peso feita a partir de uma grande lata de feijão e corda para manter a força do corpo superior. Mesmo que ela se sinta inútil e menos flexível, ela sabe como ficar em forma. “Meu principal problema é que tenho muito medo de cair”, disse ela.

Então, ela se juntou ao curso, que se reúne duas vezes por semana. Nas terças-feiras, os alunos constroem a confiança caminhando e caminhando na pista de obstáculos. As quintas-feiras são reservadas para as quedas reais.

Para aprender, os alunos começam a se aproximar dos tatames lentamente, baixando-se no início. Ao longo das semanas, eles aprendem a cair.

“Naturalmente, eles não estão interessados em cursos de queda no início, mas uma vez que eles percebem que podem fazê-lo, aí é divertido”, disse Kloet. “Mas também há um aspecto social muito importante”.

De fato, ver uns aos outros desesperadamente espalhados pelos tatames do ginásio deu lugar a risos e muitos comentários secos, piadas, nervosismo e hilaridade gerais.

“Pare de cochichar”, a Sra. Van Wijk advertiu um grupo de mulheres bem vestidas que deveriam estar se concentrando na maneira correta de se deixar cair de pé no tatame azul e espesso.

“Eu pararia”, disse Loes Bloemdal, de 80 anos, rindo. “Mas eu não tenho ninguém para conversar o dia todo”.

Ao preparar seus corpos para um evento possivelmente apocalíptico, os alunos parecem esquecer sua idade.

O Sr. van Lovink, o ciclista, perguntou se eles iriam aprender a ficar de pé apoiados por uma perna. “Por que você quer fazer isso?”, Respondeu a Sra. Van Wijk.

“Para poder colocar minhas calças”, disse o Sr. van Lovink seriamente, mas para a diversão de seus colegas de classe.

A Sra. Van Wijk recomendou a todos que sempre se sentassem para colocar suas calças.

“Esse é o poder da fisioterapia com a geriatria”, disse ela. “Você pratica as coisas que você sabe que pode fazer, e não as coisas que você não pode”.

(*) Artigo escrito para o New York Times, publicado em: https://www.nytimes.com/2018/01/02/world/europe/netherlands-falling-elderly.html. Tradução livre de Dhara Lucena.

 

Dhara Lucena

Dhara Lucena

Estudante de Ciências Sociais da Universidade de São Paulo.

dharalucena escreveu 3 postsVeja todos os posts de dharalucena