Envelhecer é ir em frente com toda força que a vida pedir

Quanto mais idade acumula-se, mais encontros deve-se realizar e mais objetivos perseguir, de mais transcendência precisa-se ser capaz. Porque já se tem experiência e já se sabe que é isso que dá ‘gás’, combustível para seguir em frente. Avalie-se você mesmo. Olhe para trás (só neste momento, não sempre) e veja os marcos que houve em sua vida. Foram quando você encontrou/realizou, ou foi quando parou para ver a banda passar da janela?

 

Gosto da postura de alguns que, ao aniversariar, dizem ‘estou acumulando idade’. Envelhecer é um privilégio. Quantas pessoas morrem bem antes de chegar a uma idade madura?

Para falar de velhice, temos que falar de vida e, ainda, de qualidade de vida. Quanto mais se vive, mais se acumula idade, mais se ouve sobre bem-estar, alimentação adequada, estilo de vida saudável – boa alimentação, qualidade e quantidade de sono, de atividade física, etc. Assuntos tão corriqueiros e conhecidos desde os mais remotos e primitivos lugares.

Nos grandes centros tem-se maior acesso à ciência e tecnologia. E veja o contraponto – são nesses lugares onde mais se pesquisa e se difunde sobre o envelhecimento. Se fizermos uma busca nas plataformas científicas, como Medline, Scielo, Bireme, veremos infinidade de artigos, dissertações e teses sobre envelhecimento, no sentido de cuidados com a doença, prevenção, acometimentos, incidência de patologias, tratamentos, etc., que levam a ausência de sinais e sintomas inerentes ao deterioramento do corpo. Em relação ao todo, pouco material foi escrito e discutido sobre o bem estar de quem acumula idade.

A vida que se inicia no ventre da mãe é a mesma que finda em algum dia, neste modelo material que conhecemos. Então, não há de se falar em data de validade, mas em desenvolvimento, em expansão e ápice, como qualquer ciclo vital dos reinos animal, mineral e vegetal. Os mesmos cuidados que se tem com a vida no primeiro dia de vida, deve-se ter ao primeiro mês, primeira década, primeiro centenário.

A vida em si, tem as mesmas necessidades de cuidado – lugar propício para se desenvolver, alimentação e hidratação adequada, horas de repouso e atividade, de sol, de sombra em medidas certas, de aconchego, de pertencer a um grupo, de condições de evolução. Por que uma criança de 7 anos merece encontros sociais, amigos e escola, e cuidados que permitem seu desenvolvimento, e um adulto de 70 merece apenas o gerenciamento da sua saúde, buscando apenas a ausência de sintomas?

Depende de padrões de pensamento, de crenças, que ele aceita para si, padrões de conformismo, de enrijecimento de ideias, de permissões auto impostas. Transcender significa ir além do que é esperado, seja do ponto de vista do conhecimento, do cuidado, dos encontros que se realizam durante a vida, das descobertas que se busca, de um novo jeito de ser e fazer, de novo caminho.

Pesquisas realizadas com pessoas que acumulam idade acima de 100 anos demonstram que têm basicamente uma única coisa – um jeito saudável de se posicionar e de se responsabilizar pela própria vida. Um estilo de vida de autocuidado que se faz fundamental – alimentação, hidratação, repouso, atividade física, espiritualização, mente sã em corpo são.

Mas, principalmente, as pesquisas demonstram a forma que tais pessoas se conduzem diante da vida. Elas não param de buscar, começam a escrever, a cantar, a empreender novo negócio, aprendem a dançar, a se relacionar com as pessoas, a não se apegar ao ‘disse-que-me-disse’ que o cotidiano traz. Elas buscam o novo, elas têm um objetivo a que perseguir. Não está na janela esperando a banda passar, elas são a própria banda. Elas fazem, pensam, agem, encontram, desencontram, caem, levantam e começam de novo. Vivem.

Quanto mais idade acumula-se, mais encontros deve-se realizar e mais objetivos perseguir, de mais transcendência precisa-se ser capaz. Porque já se tem experiência e já se sabe que é isso que dá ‘gás’, combustível para seguir em frente. Avalie-se você mesmo. Olhe para trás (só neste momento, não sempre) e veja os marcos que houve em sua vida. Foram quando você encontrou/realizou, ou foi quando parou para ver a banda passar da janela?

Envelhecer significa ir em frente com toda força que a vida pedir. Se assim não for, a estagnação virá, haverá validade a ser vencida, em forma de sinais, de sintomas, de doença. Não é preciso ter 20 anos para se começar a envelhecer bem. Pode começar agora, de onde estiver com o recurso que lhe é conhecido. Fazer uma atividade voluntária trará muito mais benefícios que um livro novo de palavras cruzadas. É um novo objetivo de vida! Buscar um novo encontro – pessoas novas ou velhas conhecidas – te encherá muito mais de saúde que todas as cápsulas de vitaminas que puder ingerir. Vá, saia de seu casulo, encontre um propósito que te alegre a alma. Busque sua praia e a encha de sol, de pessoas coloridas, de novos sabores, ainda que você tenha seus 120 anos!

 

 

Ana Cristina Curi

Ana Cristina Curi

Psicóloga formada pela PUC-MG. Especialista em terapia sistêmica e psicologia transpessoal. Membro do Colégio Internacional de Terapeutas. E-mail: anacristinacuri@yahoo.com.br

anacuri escreveu 4 postsVeja todos os posts de anacuri