Caminhabilidade e velhice

Como podemos tornar nossas cidades mais caminháveis para as pessoas à medida que envelhecem? Qual é o papel de cada um de nós? Cidadãos e gestores públicos? Qual é o impacto da falta de boas condições para caminhabilidade nos espaços de vida dos idosos? 

Monica Perracini e Maria Lima

 

Ir de um lugar ao outro, ou andar (caminhar) é uma atividade que aprendemos desde cedo e incorporamos rapidamente ao nosso repertório de movimentos. Afinal, é um marco no desenvolvimento quando uma criança dá seus primeiros passos. Depois, o andar se torna tão rotineiro que mal percebemos como o fazemos. Andamos para ir e vir. A etimologia da palavra andar (‘walk’ na língua inglesa) fala sobre ‘viajar sobre os pés’ e percorrer um caminho. As duas condições são um fato: para caminhar usamos nossos pés ao longo de um percurso ou caminho.

O conceito de caminhabilidade, do inglês walkability, surgiu para indicar a influência do ambiente construído no caminhar. Ou seja, o quanto a condição física de cada pessoa e sua relação com o entorno (ambiente) permite o seu deslocamento a pé com qualidade. Reflete em que medida o ambiente construído está adequado ou aceitável para caminhar. Isso depende tanto dos atributos físicos do ambiente, tais como as condições das calçadas, iluminação, segurança quanto da percepção de quem se desloca.

Os deslocamentos a pé se realizam no início e no final de todas as modalidades de transporte, assim como na conexão entre elas. Caminhar na cidade é vital pois, permite o acesso básico aos serviços e à atividades de lazer, de compras e de trabalho, dentre outras. Caminhar reconhecidamente traz benefícios para a saúde e uma melhor qualidade de vida e, é essencial para a manutenção da independência nas atividades fora de casa. Além disso, o caminhar fora de casa evita o isolamento social e proporciona uma sensação de liberdade.

Os principais fatores que afetam a decisão de deslocamento a pé dependem das características pessoais (condições físicas, aspectos psicológicos, culturais, socioeconômicos); características do deslocamento (distância e tempo, propósito, se é preciso carregar algum volume, do ambiente construído e social. A interação desses fatores influencia a tomada de decisão de sair de casa.

Caminhabilidade é um princípio fundamental das boas cidades para se viver, aquelas que são chamadas de amigáveis. Trata-se da qualidade do caminhar, da acessibilidade à cidade para qualquer pessoa, de qualquer idade, com qualquer tipo de dificuldade motora. Cidades caminháveis geram funcionalidade, conforto, conscientização e participação social e, por fim são fundamentais para inclusão das pessoas. Uma cidade não amigável é cruel, parcial, limitadora e excludente. De acordo com Glicksman e colaboradores (2013), caminhabilidade tem se tornado um importante conceito no campo da Gerontologia, especialmente nos programas que incentivam o envelhecimento ativo, para garantir que os idosos permaneçam ativos em suas casas e comunidades.

Dentro das perspectivas de construção de cidades inclusivas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) define como Cidade Amiga do Idoso aquela que estimula o envelhecimento ativo, ao otimizar as oportunidades para a saúde, a participação e a segurança, com o objetivo de aumentar a qualidade de vida à medida que se envelhece e gerar participação econômica e social em ambiente seguro e acessível.

À medida que se envelhece, as pessoas enfrentam desafios específicos de mobilidade. Muitos irão desenvolver incapacidades que podem levar ao declínio das capacidades físicas, cognitivas, sensoriais e psicoafetivas que tornam mais difíceis a adaptação ao meio, reduzindo assim a mobilidade nos espaços de vida. Muitas pessoas idosas com mobilidade reduzida passam a depender das condições oferecidas pela infraestrutura urbana para que possam desempenhar atividades de forma segura.

Entre os grandes empecilhos para um caminhar seguro na rua estão as calçadas em mau estado. Em muitas regiões das cidades a calçada não existe, ou sua largura é insuficiente para acomodar a circulação com conforto, ou ainda se observa a ocorrência de irregularidade no piso, tais como buracos, tampos de inspeção de serviços elevados, declividades acentuadas, ausência de guias rebaixadas, degraus, muretas para contenção de água, falta de concordância de nível, postes e placas mal alocados, dentre outras.

Essas irregularidades são responsáveis por eventos de quedas de pedestres, sendo algumas com consequências graves. A calçada é via fundamental para caminhabilidade. Esta deve ser entendida não só como um corredor de passagem e deslocamento, mas como um espaço de permanência e de convivência adequado à mobilidade e aos sentidos humanos, já que estes fornecem a base biológica das atividades, do comportamento e da comunicação no espaço urbano. A calçada é também um espaço de convivência e de troca.

Um dos meios para discutir cidades amigáveis pode ser através da caminhabilidade. Questões como qualidade e disponibilidade de infraestrutura pedestre contida em uma área definida, presença de amenidades, como bancos e áreas cobertas que promovam a eficiência, o conforto e a segurança do deslocamento a pé são considerados na avaliação de ambientes que promovem a caminhabilidade. A facilidade de ter acesso a bens e serviços através do espaço público, a proximidade e interação entre pessoas e a percepção e sensação de segurança e liberdade são outros aspectos importantes relacionados a caminhabilidade nos espaços urbanos. É apontado como um conceito simples e ao mesmo tempo amplo, assim como é o ato de mover-se.

Os idosos de diferentes faixas etárias e com limitações motoras, visuais ou auditivas reagem de formas distintas frente às barreiras do ambiente. A forma como percebem o meio urbano é essencial na tomada de decisão de sair de casa. Um idoso que se sente inseguro não estabelece uma relação com a cidade, com isto, não tem oportunidade de participação e tende a ficar confinado dentro de casa. Em contrapartida, uma cidade convidativa e caminhável incentiva uma maior mobilidade em todas as pessoas e especialmente nas pessoas idosas.

É necessária a adaptação da sociedade para o desafio de pensar no futuro das grandes cidades diante do impacto social, econômico e cultural devido às mudanças no perfil etário da população brasileira. Para 2050, a projeção de pessoas com 60 anos ou mais é de 29% da população total brasileira.

Assim, é preciso compreender e aprofundar o conhecimento sobre mobilidade da pessoa idosa, destacando as associações entre mobilidade e caminhabilidade com os atributos do ambiente, e assim, desenvolver estratégias para atender e satisfazer as necessidades dessa população no contexto da mobilidade urbana.

Como podemos tornar nossas cidades mais caminháveis para as pessoas à medida que envelhecem? Qual é o papel de cada um de nós? Cidadãos e gestores públicos? Qual é o impacto da falta de boas condições para caminhabilidade nos espaços de vida dos idosos?

Bibliografia

ANTP. Cidades a pé. Série Cadernos Técnicos, volume 16, novembro, 2015.

BARRETO, K.M.L. Envelhecimento, mobilidade urbana e saúde: um estudo da população idosa. 2012. 179f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2012.

BLANCO, P.H.M.; CASTILHO, M.M.; BLANCO, T.H.M.; et al. Mobilidade urbana no contexto do idoso. Revista Cesumar Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, v.19, n.1, p. 143-155, jan./jun, 2014.

BRASIL. Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 3 jan. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm. Acesso em: 10 jan. 2015.

CAMARANO, A. A. Os novos idosos brasileiros: muito além dos 60? Rio de Janeiro: Ipea, 2004.

FAJARDO, Washington. Andabilidade: Viagens feitas a pé são um dos modais de transporte mais importantes do Rio. O Globo 24/01/2015. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/opiniao/andabilidade-15138730>. Acesso em: 20 de fev. 2015.

GEHL, Jan. Cidades Para Pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GHIDINI, R. A caminhabilidade:  medida urbana sustentável. Revista dos Transportes Públicos – ANTP, ano 33, 2011.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2013. Rio de Janeiro; 2013. 262 p. (Estudos & Pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica; 32). Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv66777.pdf>. Acesso em 15 maio. 2015.

LUNARO, A., FERREIRA, M.A.G. Os Espaços Públicos e a Questão da Acessibilidade Sob o Ponto de Vista dos Idosos. Revista Ciência & Engenharia, v.15, n.2, p. 67-72, 2005.

MACHRY, S. MONTEIRO, C. Andabilidade urbana: metodologia de avaliação e de gestão da qualidade urbana. 3° Colóquio ibero-americano paisagem cultural, patrimônio e projeto – desafios e perspectivas.  Belo Horizonte, setembro, 2014.

MACHRY, S. Caminhabilidade no Recife: análise morfológica e perceptiva da qualidade da interface público-privada no bairro das Graças- avaliação da qualidade urbana das ruas do Recife. Dissertação (Programa Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano). UFPE-  Universidade Federal de Pernambuco, 2016. no prelo.

MALATESTA, M.E.B. Características da mobilidade a pé. In: ANTP. Cidades a pé. Série Cadernos Técnicos, volume 16, p. 42-47, novembro, 2015.

MERCADO, R.; PAEZ, A.; SCOTT, D.M.; et al. Transport policy in aging societies: an international comparison and implications for Canada. The Open Transportation Journal, v. 1, p. 1-13, 2007.

MOLLENKOPF, H.; MARCELLINI, F.; RUOPPILA, I.; et al. The role of driving in maintaining mobility in later life: a European view. Gerontechnology, v. 1, n. 4, p. 231 – 250, 2002.

NAVARRO, J.H.N., et al. Percepção dos idosos jovens e longevos gaúchos quanto aos espaços públicos em que vivem. Ciência & Saúde Coletiva,v. 20, n. 2, p.461-470, 2014.

NUNES, M. C. R. G. Avaliação da aplicação do desenho universal em vias públicas: modelo e estudo de caso. 2009. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano) – Universidade da Amazônia, Belém, 2009.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Buchalla, C. M. (editor). CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Centro Colaborador da Organização Mundial de Saúde para a Família de Classificações Internacionais: São Paulo, 2003.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Tradução de Suzana Gontijo. Brasília, 2005.                                               ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Guia Global: cidade amiga do idoso. Genebra: Publicações da OMS; 2008.

OWSLEY, C. Driving Mobility, Older Adults, and Quality of Life. Gerontechnology, v.1, n.4,p.220-230,2002.

PORTUGAL, M.L.G.; LOYOLA, E.A.T. Mobilidade urbana adequada para os idosos: uma importante questão de saúde coletiva. Revista Gestão & Saúde, v. 10, p. 26-34, 2014.                                                                                                             RANTANEN, T. Promoting mobility in older people. J Prev Med Public Health, v.46, p. 50-54, 2013.                                                                                          RANTANEN, T., et al. Individual and environmental factors underlying life space of older people – study protocol and design of a cohort study on life-space mobility in old age (LISPE). BMC Public Health, v.12, n.1018, p.1-6, 2012.                       SANTINHA, G.; MARQUES, S. Repensando o fenômeno do envelhecimento na agenda política das cidades: a importância da promoção da mobilidade de pedestres. Rev. BRas. GeRiatR. GeRontol., v.16, n.2, p. 393-400, 2013.

SATARIANO, W. A. et al. Mobility and Aging: New directions for public health action. American Journal of Public Health, v.102, n.8, p.1508-1515, 2012.

SOUSA-FISCHER, M.A.T.; FILHO, I.G.S. Desafios de Mobilidade Enfrentados por Idosos em seu Meio. V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação – PUCRS, 2010.

WEBBER, S.C. et al. Mobility in Older Adults: A Comprehensive Framework. The Gerontologist Mobility in Older Adults: A Comprehensive Framework, v.50, n.4, p. 443-450, 2010.

YEN, I.H., ANDERSON, L. Built Environment and Mobility of Older Adults: Important Policy and Practice Efforts. JAGS, v, 60, n.5, p. 951-956, 2012.

YEN, I.H. et al. How design of places promotes or inhibits mobility o folder adults: realist synthesis of 20 years of reserach. Journal of Aging and Health, v.26, n.8, p. 1340-1372, 2014.

Mônica Rodrigues Perracini

Mônica Rodrigues Perracini

Graduou-se em Fisioterapia pela Universidade de São Paulo, mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas com área de concentração em Psicologia do Desenvolvimento – Gerontologia e doutorado em Ciências da Reabilitação – área de concentração em Geriatria e Gerontologia pela Universidade Federal de São Paulo. Pós Doutorado pelo The George Institute for Global Health, Sydney University, Australia. Em 1992 participou do Short Course Implications on Ageing na London School of Hygiene and Tropical Medicine em Londres com bolsa pelo British Council. É professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Fisioterapia da Universidade Cidade de São Paulo-UNICID e coordenadora de curso de pós-graduação Lato-sensu em Fisioterapia Gerontológica da Universidade Cidade de São Paulo, e docente no curso de graduação. É professora colaboradora no Programa de Pós-graduação, nível Mestrado e Doutorado, em Gerontologia da UNICAMP. Tem experiência na área de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, com ênfase em Gerontologia. E-mail: monicaperracini@gmail.com

monica-perracini escreveu 1 postsVeja todos os posts de monica-perracini