Aos 100 anos, Kirk Douglas investe em idosos demenciados

No início dos anos 90, Kirk Douglas resolveu investir em um centro de atenção ao idoso com Alzheimer e seus familiares. Sempre tendo como prioridade os membros de sua comunidade, os artistas e os trabalhadores da área. O Harry’s Haeven nasceu dentro do Motion Picture & Television Fund (MPTF) – o fundo de assistência aos artistas do cinema e da televisão com sede em Los Angeles, na Califórnia.

 

Sexta-feira, 9 de dezembro de 2016, a lenda viva do cinema, Kirk Douglas, superou a marca dos 100 anos vencendo todos os obstáculos que encontrou pelo caminho e comprando uma boa briga com a Doença de Alzheimer (DA).

No início dos anos 90, Kirk resolveu investir em um centro de atenção ao idoso com Alzheimer e seus familiares. Sempre tendo como prioridade os membros de sua comunidade, os artistas e os trabalhadores da área. O Harry’s Haeven nasceu dentro do Motion Picture & Television Fund (MPTF) – o fundo de assistência aos artistas do cinema e da televisão com sede em Los Angeles, na Califórnia. Carrega o nome do pai do ator, um homem que cruzou geleiras, desertos e mares para dar aos filhos melhores condições de vida.

Kirk é filho de imigrantes russos, seu nome de batismo é Issur Danielovitch. Nasceu em Amsterdam (NY) em 1916 e mudou o seu nome legalmente para Kirk Douglas antes de ingressar na Marinha durante a Segunda Guerra Mundial. Após da guerra ele começou a atuar no rádio e em comerciais de televisão, enquanto tentava entrar para a Broadway. Até que em 1946 estrelou o seu primeiro longa, The Strange Love of Martha Ivers. Teve uma infância pobre na periferia de Nova York e teria sido um ótimo membro de gangue se não tivesse a garra e a coragem de emprestar sua força para as artes dramáticas.

A gana de buscar sempre o novo o salvou da mesmice das ruas e, no meio artístico, das novelas e séries. Kirk tinha medo de ficar marcado por um só personagem. Queria, antes de tudo, ser original sem deixar de ser ele mesmo.

Ao buscar sempre o novo, tornou-se um visionário. Sua preocupação, já na década de 90, estava muito a frente do que oferecia os meios tradicionais. Kirk orientou o Harry’s Haeven a cuidar especialmente de quem cuida.

Dar um passinho à frente como pediam os motorneiros quando o bonde começava a encher. Dar assistência e suporte aos familiares dos membros do mundo do entretenimento acometidos pela doença de Alzheimer.

Luta árdua. Kirk e sua segunda mulher, a belga-americana Anne Buydens de 97 anos (o casamento já dura 62), acompanharam de perto o trabalho do centro nesses últimos 25 anos. Como o velho motorneiro, Kirk sempre pede aos profissionais da equipe para nunca esquecer de cuidar de quem cuida.

Como os artistas vivem cada vez mais, a DA se tornou mais presente e o centro, com o passar dos anos, se tornou pequeno. Kirk não entregou os pontos (nem pensa em entregar). Em 2016, aos 99 anos, sentia-se feliz e realizado. Comemorava a modernização e ampliação do centro para que nenhum membro da comunidade acometido pela doença de Alzheimer continuasse na fila de espera.

O projeto consumiu até o momento 40 milhões de dólares das economias do casal que ainda encontra saúde e disposição para fazer muito mais pela comunidade, investindo em outras áreas para gerar conforto e bem-estar, como a reestruturação de 400 parques infantis na cidade de Los Angeles.

Kirk pode dizer que cruzou a linha dos 100 como um verdadeiro campeão. Ele sempre lembra que sem Anne o feito não seria possível. Anne, por sinal, pintou uma imagem do marido que beira a perfeição: ao lado dele eu me sinto como se estivesse o tempo todo diante de um belo jardim que esconde um vulcão prestes a entrar em erupção.

A erupção no campo da criatividade, do desejo de investir em boas causas em um homem centenário é um exemplo de como somos seres desejantes, independente da idade. Da disposição de sempre dar um passinho à frente para permitir que mais gente entre no bonde chamado desejo de fazer o bem.

Aniversário de 100 anos

O filho pródigo, Michael Douglas, e a nora estelar, Catherine Zeta Jones e os filhos do casal, Dylan Michael e Carys Zeta recepcionaram Kirk Douglas em um hotel de Beverly Hills para comemorar o aniversário de 100 anos do grande astro do cinema. Entre os 135 convidados, só pessoas muito próximas da família e algumas dos maiores nomes de Hollywood, como Spielberg.

Kirk Douglas estava encantado, rindo com os convidados ao rememorar seus filmes, tema da decoração do salão. A mesa da família Douglas foi decorada com cenas do filme preferido de Kirk: Lonely Are the Brave (no Brasil o filme recebeu o título de “Sua Última Façanha” e em Portugal “Fuga Sem Rumo”).

Kirk usava uma camisa de tom rosa, colarinho aberto, e tweed de estampa colorida. Ao lado da mulher, Anne, do filho Michael, da nora Catherine e dos netos Dylan e Cary’s, pousou para uma foto tendo ao fundo a marca 100 composta por um arranjo de rosas.

Obstáculos

Quando Kirk resolveu investir no centro de atenção ao idoso com Alzheimer e seus familiares, estava fisicamente bem, mas com o emocional abalado, pois em 1991 seu helicóptero caiu e duas pessoas próximas tinham morrido.

Valorizar a vida e se dedicar ao próximo, uma tarefa que já colocava em prática, passou a ser prioridade. O centro foi inaugurado em 1992 e muitos projetos surgiram desde então. Com a agenda da filantropia cheia, o cinema passou para o segundo plano, mas sem nunca deixar de ser sua paixão. Por isso o derrame, em 1996, foi um golpe duro. Difícil de ser assimilado. O golpe afetou sua dicção.

A luta para voltar aos palcos se confundia com a luta para recuperar a boa dicção. Terapia intensiva. Muita dedicação e força de vontade. Longe do set de filmagem, investiu pesado contra o Alzheimer e em projetos beneficentes. Só no final da década reuniu condições de voltar a filmar. E voltou em alto estilo com a comédia It Runs in the Family (Acontece nas Melhores Famílias).

O filme retrata a família Gromberg, de sucesso, que enfrenta um grande problema: a dificuldade de relacionamento entre eles. Mesmo com todos os integrantes da família morando em Nova York, cada um tem suas preocupações e afazeres próprios, que fazem com que eles apenas se encontrem ocasionalmente em eventos. Kirk dá um show de interpretação ao lado do filho, Michael Douglas, e do neto, Cameron Douglas. O filme chegou aos cinemas em 2003 quando Kirk já estava envolvido em novo projeto, nova comédia, Illusion.

O filme trata do que realmente importa na vida, a família. É neste momento que ficção e realidade se confundem e golpeiam o patriarca Kirk Douglas.

Ao mesmo tempo que a comédia Illusion chega aos cinemas, Kirk vive um drama familiar. Erick, um dos filhos que teve com Anne (o outro é Peter), que há alguns anos lutava para se livrar das drogas, se deixa levar por um coquetel fatal.

Kirk Douglas resolve se dedicar 100% ao que realmente importa, a família e aos projetos de vida, tendo como foco principal a luta contra a doença de Alzheimer.

Leitura recomendada

Aproveite e leia gratuitamente o capítulo A Importância da Fisioterapia Gerontológica em um Grupo de Idosos com a Doença de Alzheimer, resultado de pesquisa realizada por Ana Maria Tabet sob a supervisão do Dr. Paulo Renato Canineu. É uma das 19 pesquisas apresentadas no livro O Envelhecimento Ativo e Seus Fundamentos (editora Portal Edições) publicado pelo Pós em Gerontologia da PUC-SP, que você receberá gratuitamente ao se cadastrar na loja do site do Portal do Envelhecimento.

 

Mário Lucena

Mário Lucena

Jornalista, bacharel em Psicologia e editor da Portal Edições, editora do Portal do Envelhecimento. Conheça os livros editados por Mário Lucena.

mariolucena escreveu 31 postsVeja todos os posts de mariolucena